quarta-feira, 3 de fevereiro de 2016

Onda de atentados cristofóbicos no Natal da Europa

Presépio despedaçado em Fibbiana (Florença)
Presépio despedaçado em Fibbiana (Florença)



O Natal de 2015 e a passagem de ano foram marcados na Europa por uma onde de profanações e sacrilégios nunca vista. Certa grande mídia finge ignorar, mas os fatos vão transcendendo por diversas vias ainda que com dias de atraso.

Os atos de vandalismo e barbárie anticristã visaram especialmente os Presépios, que na Itália são montados em praças públicas, mas também as igrejas, segundo noticiou o jornal espanhol ABC de Madri.

Em Pitelli, cidadezinha da província de La Spezia, no norte da Itália, o Menino Jesus foi roubado e apareceu enforcado numa árvore da praça.

Os habitantes voltaram a repô-lo no presépio, manifestando sua indignação.

Mas este não foi um caso isolado. Em Seveso, cidade de 23.000 habitantes da Lombardia, também no norte de Itália, mãos sacrílegas decapitaram a imagenzinha do Menino Jesus no presépio montado na central Praça Cardeal Confalonieri.

O mesmo aconteceu com o presépio feito pelas crianças de uma escola primária de Motte Luino, na região lombarda: o Menino Jesus teve a cabeça decepada num ato ignóbil.

Menino Jesus 'enforcado' em Pitelli, La Spezia.
Menino Jesus 'enforcado' em Pitelli, La Spezia.
Em Dorga, província de Bergamo, o ódio anticatólico se voltou especialmente contra São José. O Menino Jesus teve um dedo arrancado e foi jogado numa fossa.

Em Fibbiana, perto de Florença, o presépio da praça central de San Rocco foi esmigalhado pelo ímpeto satânico.

A indignação constatada pelo jornal “ABC” é grande nessas cidades, podendo ser apalpada nos jornais locais, muitas vezes avessos ao catolicismo.

Por sua vez, na França, desconhecidos puseram fogo à igreja de Saint-Louis de Fontainebleau. Uma imagem de Nossa Senhora ficou reduzida a cinzas – se não foi roubada – e um retábulo foi consumido pelas chamas.

Houve imagens derrubadas em atos de profanação.

A imagem de Nossa Senhora de Lourdes, colocada junto ao altar principal, ficou intacta. O altar, do século XVII, ficou inteiramente queimado.

Os bombeiros concluíram tratar-se de um atentado intencional, segundo o site BFMTV.

Em Veneux-les-Sablons, outro incêndio devorou o teto da igreja, que afundou. Os profanadores conseguiram entrar quebrando os vitrais.

O jornal “Le Figaro”  acrescentou que durante o atentado contra a igreja de Fontainebleau foram ouvidos três disparos diferentes. O mesmo jornal esclareceu que “os vândalos estavam bem informados”.

Interior da igreja de Saint-Louis de Fontainebleau devastado pelas chamas.
Interior da igreja de Saint-Louis de Fontainebleau devastado pelas chamas.
As hóstias consagradas foram encontradas espalhadas pelo chão, “intencionalmente sobre uma grande superfície”.

Esses atentados aconteceram em meio a uma onda de profanações de cemitérios cristãos.

Não há provas de que os agressores tenham sido muçulmanos ou estejam ligados à onda de atentados islâmicos que assolou a Franca no fim de 2015. Porém, a população teme muito essa hipótese.

Porém, a Cristofobia não se limita aos maometanos, sendo professada também por laicistas radicais e grupos promotores da agenda LGBT.

Na hora de atacar a Igreja Católica e seus mais prezados símbolos, os grupos cristofóbicos, na aparência os mais diferentes, convergem em seu ódio.

É compreensível, pois no ódio anticristão só há um e único inspirador: Lúcifer.


Incêndio sacrílego da igreja de Saint-Louis de Fontainebleau, França:




quarta-feira, 27 de janeiro de 2016

Entre o Céu e o inferno:
ou entre a arte católica e a “contemporânea”

Visitantes de museu confundiram mulher esfaqueada com obra de “arte contemporânea”
Visitantes de museu confundiram mulher esfaqueada
com obra de “arte contemporânea”



A escola de “arte contemporânea” se distingue das outras pela vontade de “descontruir” a mente do observador. Ela visa produzir o caos mental apelando a imagens absurdas, cruéis, enlouquecedoras e agressivamente feias.

Isso é “desconstruir”: desatarraxar a inteligência, a vontade e a sensibilidade dos homens por meio da atte.

É tudo o contrário da arte tradicional, em seus diversos estilos, que procura glorificar a beleza, a boa ordem, e todos os sentimentos que elevam a alma de quem contempla para níveis mais altos de beleza, e, em última análise, para o Céu e o próprio Deus.

Os efeitos são reais e perceptíveis na vida quotidiana.

Um exemplo da ação “descontrutiva” ou enlouquecedora da denominada “arte contemporânea” aconteceu em dezembro na famosa galeria Art Basel em Miami Beach, EUA, noticiou “Yahoo! Brasil”.

Uma moça foi esfaqueada num episódio que passou a ser investigado pela polícia.

A infeliz vítima coberta de sangue entretanto era observada por centenas de passantes sem o menor movimento de comiseração e sem lhe brindar o indispensável auxílio.

As pessoas achavam se tratar de mais uma maluca “obra de arte” ou com uma “interpretação artística” de tipo “contemporâneo”.

Deixaram-na se dessangrando por um bom tempo. Acharam que se tratava de sangue falso e ignoraram solenemente os pedidos de socorro da menina.

A arte católica, como a de Fra Angelico, cria ordem e paz na alma e é uma escola de beleza estética, moral e religiosa
A arte católica, como a de Fra Angelico, cria ordem e paz na alma
e é uma escola de beleza estética, moral e religiosa
Os funcionários da galeria ficaram estarrecidos com a cena e apelaram para a ambulância e para a polícia. A moça teve que passar por cirurgia, mas acabou tendo a vida salva e os agentes de segurança prendaram a culpada do ataque.

A agressora foi Siyuan Zhao, de 24 anos, que segundo uma testemunha, antes de esfaquear a vítima gritou “Tenho que vê-la sangrar!”.

E os visitantes da galeria, influenciados e insensibilizados pelas monstruosas exibições da “arte contemporânea” acreditaram se tratar de mais uma cena forjada em nome dessa arte.

As pessoas habituadas a certos videojogos sanguinários ou aos vídeos dos crimes hediondos do Exército Islâmico vão ficando insensíveis às piores formas de destruição da vida e da sociedade.

Não espanta, pois que aconteçam crimes como os atentados em Paris ou os episódios dantescos que acontecem nas prisões brasileiras.

Por trás da arte de um pintor medieval como Fra Angélico e da “arte contemporânea” há duas visualizações do homem e da sociedade.

A primeira leva a Deus enquanto que a segunda leva aos horrores das penas infernais.


quarta-feira, 20 de janeiro de 2016

Médico ativista da eutanásia tenta se suicidar

O arauto da eutanásia Nicolas Bonnemaison confessou ter assassinado 'só' uma mulher, mas era investigado por outras mortes.
O arauto da eutanásia Nicolas Bonnemaison
confessou ter assassinado 'só' uma mulher,
mas era investigado por outras mortes.



O médico francês Nicolas Bonnemaison, 54 anos, ativista da eutanásia, foi salvo in extremis quando tentava se suicidar numa floresta do sudoeste da França.

Ele havia sido condenado por matar um doente terminal injetando-lhe uma injeção letal e corria risco de ser preso, segundo noticiou o jornal britânico “The Telegraph”.

O ativista da eutanásia foi encontrado inconsciente em seu carro na floresta de Tosse.

Ele tentou se suicidar desviando a fumaça do escapamento para o interior do veículo com este funcionando.

E foi levado ao hospital em condições “extremamente graves”, “entre a vida e a morte”, segundo uma fonte médica.

Uma sentença judicial lhe havia tirado o direito de exercer a medicina. Mas Bonnemaison conseguiu uma suspensão da pena.

Seu processo apavorou a França, país maioritariamente católico e onde a eutanásia e ilegal.

Gendarmes franceses trabalham no local da tentativa de suicídio do 'Dr Morte'.
Gendarmes franceses trabalham
no local da tentativa de suicídio do 'Dr Morte'.
O “médico da morte” havia sido acusado de matar sete doentes, que seriam terminais e estariam sofrendo.

Mas ele confessou ter assassinado “só” uma mulher de 86 anos.

A pena prevista no Código Penal é a prisão perpétua, mas seus advogados obtiveram a suspensão da sentença pretextando que ele “não era um assassino, não era um envenenador no sentido comum do termo”.

Interrogado em agosto de 2011, ele escapuliu dizendo: “Espero que não seja o último paciente na minha vida”.

A eutanásia é legal na Holanda, na Bélgica e no Luxemburgo.

Na França, o presidente socialista François Hollande prometeu facilitar o assassinato assistido.

A adoção da eutanásia como método “legal” banaliza o assassinato e abre as portas a todas as formas de atentado contra a vida.


quarta-feira, 13 de janeiro de 2016

Natal 2015: entrou o Islã e o Presépio foi banido na Europa
até por bispos e prefeitos

O Menino Jesus proibido em dioceses italianas para não desagradar os islâmicos:
a pungente capa da revista "Tempi" que evoca "a justiça de Herodes"



No último Natal, o pároco de San Biaggio, na cidade de Monza, norte da Itália, decidiu cancelar a missa no instituto “Ente Católico de Formação Profissional”.

A decisão foi traumática para alunos e pais de família que estudam numa escola onde uma bela imagem de Nossa Senhora acolhe os estudantes todos os dias, segundo “Il Corriere della Sera”.

O pároco alega que os estudantes muçulmanos podem ficar chocados com “um ato de culto forte demais não só para quem professa uma fé diversa (leia-se os islâmicos), como também para aqueles que não frequentam a igreja”.

Com esse argumento não haverá mais missa de Natal na escola e, Deus não o permita, nem mesmo em toda a cidade.

O diretor da escola tentou explicar ao corpo de professores que “a missa não será feita para não discriminar”. Em seu lugar haveria um ato laico “com cantos e projeções de imagens”.

Na escola há muitas imagens católicas e os alunos muçulmanos nunca criaram problema.

O Instituto tem mais quatro escolas na região, onde a missa será celebrada como de costume.

“Nos anos passados os rapazes islâmicos iam à igreja com toda a classe sem problema. Em cada aula há um crucifixo. Nós damos três horas de instrução religiosa. Há sanduíches de salame e jamais ninguém se sentiu ofendido [O Corão proíbe comer carne de porco]. Que sentido tem renunciar agora à missa?” – perguntavam os professores.

A decisão do pároco Pe. Marco Oneta está em sintonia com a nova pastoral de acolhida aos imigrantes de maioria maometana. Mas o sacerdote sente que sua atitude soa em falso e tenta se defender da suspeita de uma traição à identidade católica italiana.

Mons. Claudio Cipolla bispo moderno abre as portas ao Islã e as fecha ao Menino Jesus.
Mons. Claudio Cipolla bispo moderno abre as portas ao Islã
e as fecha ao Menino Jesus!
Em Pádua, a cidade de Santo Antônio, o bispo D. Claudio Cipolla, falando à rádio Rete Veneta no fim da missa na catedral, justificou que não se montem presépios, invocando para isso os apelos do Papa Francisco.

Ele acrescentou: “Darei um passo atrás para manter a paz. (...) Não podemos usar as religiões para alimentar conflitos ou tensões inúteis”, em referência à presença de imigrantes muçulmanos na cidade, segundo o jornal local “Il Mattino di Padova”.

O presidente da Região Veneta, onde fica Pádua, deplorou a injustiça da proibição, que desmoraliza os católicos.

Para maior escárnio, o líder islâmico da região, o imã Kamel Layachi, apontou o absurdo da interdição, dizendo: “Cristãos, defendei o presépio! Ninguém evoque discórdias”, noticiou “Il Mattino di Padova”.

Segundo Kamel, “quem proíbe ou bane o presépio das escolas, ou está animado por um espírito laicista ou por uma atitude ateia”.

Essa autoridade islâmica acrescentou que não hesitaria em visitar o presépio junto com seus filhos.

Na França, numerosas prefeituras se puseram em pé de guerra após a Associação Nacional de Prefeitos – AMF recomendar que não sejam montados presépios nas instalações municipais do país.

O pretexto foi “fortalecer os valores republicanos” após os ataques do terrorismo islâmico em Paris, noticiou o site Infocatólica.

Kamel Layachi: o imam islâmico do Veneto acabou passando
como menos cristofóbico do que o bispo de Pádua.
A prefeitura de Béziers e o conselho departamental de La Vendée, entretanto, obtiveram ganho de causa na Justiça em favor dos presépios, arguindo se tratar de uma tradição francesa.

O prefeito de Béziers, Robert Ménard, lidera uma rebelião de prefeitos contra a AMF.

Porém, o presépio na prefeitura de Melun, cidade próxima de Paris, foi proibido por um tribunal administrativo de apelação.

“Poremos um cartaz no local explicando por que não está o Menino Jesus e nossa oposição a essa decisão da Justiça”.

Diante da movimentação dos prefeitos favoráveis aos presépios, a AMF apelou ao Ministério do Interior dirigido por um ministro socialista radicalmente anticristão, para que emita uma norma específica sobre o caso.

Diante da Sagrada Família e da grande festa do Natal de 2015, laicistas e clérigos progressistas manifestaram um ódio todo especial, maior que o dos maometanos, fechando as portas ao catolicismo e ao próprio Menino Jesus, no mesmo tempo que as abrem ao Islã invasor.


quarta-feira, 23 de dezembro de 2015

Feliz Natal e bom Ano Novo!







Natal 2015: Junto ao presépio com o coração transpassado de dor




Natal 2015 na França



segunda-feira, 7 de dezembro de 2015

A Imaculada Conceição glorificada à revelia
até por ... um diabo!

Imaculada Conceição,São Francisco da Penitência, Rio de Janeiro
Imaculada Conceição,
São Francisco da Penitência, Rio de Janeiro
Luis Dufaur

A devoção à Imaculada Conceição de Nossa Senhora vem dos tempos apostólicos.

Na Idade Média, porém, adquiriu enorme força e extensão.

Por fim, no século XIX foi proclamada dogma da Igreja Católica. Nenhum católico pode negá-la ou pô-la sequer em dúvida, sem cair em heresia e ficar fora da Igreja.

Por isso, nesta magna festa, reproduzimos o fato seguinte acontecido no século XIX.



No dia 8 de dezembro de 1854, o Bem-aventurado Papa Pio IX promulgou solenemente o dogma da Imaculada Conceição de Maria, Mãe de Deus Encarnado, Nosso Senhor Jesus Cristo.

E no dia 25 de março de 1858, festa da Anunciação do Anjo a Nossa Senhora e da Encarnação do Verbo, a Santíssima Virgem se manifestou em Lourdes a Santa Bernadete.

Nesse dia Ela confirmou o dogma, dizendo: “Eu sou a Imaculada Conceição”. E inaugurou uma torrente de milagres que não cessa até hoje!

Poucas pessoas sabem que em 1823, trinta anos antes da proclamação desse magnífico dogma, dois sacerdotes exorcistas obrigaram um demônio que possuía um rapaz a cantar o louvor dessa santa verdade.

E o demônio teve que fazê-lo, obviamente a contragosto, mas com uma rima poética que reverenciou a glória de Nossa Senhora.

O demônio é “espírito de mentira”, mas o exorcismo pode obrigá-lo a dizer a verdade, inclusive sobre matérias de Fé, como a divindade de Jesus Cristo, as virtudes da Imaculada Virgem, a existência do Paraíso, do inferno, etc.

Foi o que aconteceu com o demônio que tinha entrado num jovem analfabeto de apenas doze anos, residente em Adriano di Puglia, Itália, hoje Ariano Irpino, na província e diocese de Avellino.

Os exorcistas foram dois religiosos dominicanos, o Pe. Gassiti e o Pe. Pignataro, que estavam na cidade pregando uma missão.

Eles haviam recebido o “placet”, ou autorização do bispo, para fazer o exorcismo.

E obrigaram então aquele demônio a responder a muitas perguntas, entre as quais, uma sobre a Imaculada Conceição.

Apesar de o diabo dar sinais de máxima contrariedade, os exorcistas lhe impuseram que falasse sobre o especialíssimo privilégio concedido por Deus a Maria Santíssima.

O demônio então confessou que a Virgem de Nazareth jamais esteve sob seu poder, nem mesmo por um só instante. Pelo contrário, confessou que desde o primeiro instante de sua vida Ela sempre esteve “cheia de graça” e foi toda de Deus.

E o diabo pôs em verso a glória da Imaculada que o esmaga eternamente.
Santa Maria de los Reyes, Laguardia, Espanha
Os dois exorcistas obrigaram o espírito das trevas a testemunhar a Imaculada Conceição sob a forma de versos poéticos.

E o demônio, que se perdeu por culpa própria e conhecendo perfeitamente as coisas, compôs na língua italiana um soneto impecável, perfeito como construção poética e como teologia.

Como a tradução para o português prejudica a rima, nós o reproduzimos em italiano no final do post:
Eu sou Mãe verdadeira de um Deus que é Filho
e sou filha dEle, embora seja sua Mãe;
Ele nasceu ab aeterno e é meu Filho,
Eu nasci no tempo e, entretanto, sou sua Mãe.

Ele é meu criador, porém é meu Filho,
Eu sou sua criatura, porém sou sua Mãe;
Foi um prodígio divino Ele ser meu Filho
Um Deus eterno me ter por Mãe.

A vida é comum entre a Mãe e o Filho
Porque o Filho recebe o ser da Mãe,
E a Mãe recebeu o ser do Filho.

Ora, se o Filho recebeu o ser da Mãe,
Ou se diz que o Filho nasceu com mancha,
Ou foi a Mãe que foi concebida sem mancha.

Imaculada Conceição em Lourdes, França
Imaculada Conceição em Lourdes, França
Se não formos piores que esse demônio do inferno, ajoelhemo-nos diante da Imaculada Virgem e veneremo-la pelos séculos dos séculos, dizendo:

“Ó Maria, concebida sem pecado, rogai por nós que recorremos a Vós”.

Em italiano:
Vera Madre son Io d’un Dio che è Figlio
e son figlia di Lui, benché sua Madre;
ab aeterno nacqu’Egli ed è mio Figlio,
in tempo Io nacqui e pur gli sono Madre.

Egli è mio creator ed è mio Figlio,
son Io sua creatura e gli son Madre;
fu prodigo divin l’esser mio Figlio
un Dio eterno, e Me d’aver per Madre.

L’esser quasi è comun tra Madre e Figlio
perché l’esser dal Figlio ebbe la Madre,
e l’esser dalla Madre ebbe anche il Figlio.

Or, se l’esser dal Figlio ebbe la Madre,
o s’ha da dir che fu macchiato il Figlio,
o senza macchia s’ha da dir la Madre

Fonte: “Chiesa viva”, Maio 2012


quarta-feira, 2 de dezembro de 2015

A Luz de Cristo que brilha no Natal não se extinguirá jamais





É a noite de Natal. A Missa de Galo vai começar. Na igrejinha toda coberta de neve, iluminada e bem aquecida, todos entram de depressa.

Ao longe ficaram as casinhas da aldeia, a fumaça sobe das chaminés, a lareira está acesa, as suculentas, deliciosas e apetitosas iguarias da culinária alemã já estão no forno...

É a festa de Natal que segue à festa litúrgica.

O coro canta “Stille Nacht, heilige Nacht” (“Noite Feliz”) (a música está no vídeo embaixo).

“Noite tranqüila, noite silenciosa, noite santa.

“Tudo dorme, só está acordado o nobre e santíssimo Casal!

“O nobilíssimo menino de cabelos cacheados dorme em celestial tranqüilidade.”

A canção manifesta submissão de espírito, reverência e compaixão. Mas também alta cogitação.

Foi num ambiente desses que o povo da bravura e da proeza militar compôs essa canção de Natal universal: o “Stille Nacht, heilige Nacht” (“Noite Feliz”).

Uma outra canção natalina alemã conta que os dois iam juntos: Nossa Senhora, a flor de delicadeza, e o Menino, o tesouro do Universo!

E atravessaram um bosque de espinhos que havia sete anos que não florescia.

Veja vídeo
Vídeo: Noite Feliz: as almas
das canções de Natal perfeitas
Nossa Senhora sozinha, trazia o Menino Jesus amparado junto a seu coração.

Mas, enquanto Nossa Senhora atravessava o bosque, os espinhos transformavam-se em rosas perfumadas para Ela.

E Ela compreendeu: foi um gesto de amabilidade de seu Filho!

Comprazida, Ela olhou maternalmente para o Divino Infante. Ele estava dormindo, mas governava a natureza!

Eis o paradoxo do povo germânico: esse povo dos grandes exércitos impecavelmente ordenados, dos couraceiros com capacetes encimados por águias, na hora da ternura sabe cantar afetuosamente o Natal como nenhum outro.



Vídeo: Noite Feliz: as almas das canções de Natal perfeitas



quarta-feira, 18 de novembro de 2015

Faxineira de museu vê “obra de arte contemporânea”, e “faz limpeza”!

Museu Bozen-Bolzano: a 'obra de arte'...
Museu Bozen-Bolzano: a 'obra de arte'...



Uma boa faxineira que trabalha no Museu de Arte Contemporânea de Bolzano, no norte da Itália, consagrado à aberrante “arte contemporânea”, achou que uma “obra de arte” não era mais que sujeira deixada por festeiros beberrões.

E “caprichou na limpeza”, segundo informou a BBC Brasil.

Ela achou que o trabalho – chamado Onde vamos dançar esta noite? – não passava de uma bagunça deixada numa festa realizada no local na noite anterior. A faxineira "limpou" o local como se deve e jogou fora toda a imundície.

Composta por pontas de cigarro, garrafas vazias e confetes na mais degradante desordem, a “obra” pretexta representar o hedonismo e a corrupção dos anos 1980. Mas na prática é um produto eloquente da corrupção de 2015, com um acréscimo especial.

Mau gosto, corrupção e pecado são realidades deploráveis que sempre existiram neste vale de lágrimas. Mas há uma inversão monstruosa quando se tenta não só justificar esses males, mas proclamá-los como um bem digno de “obra de arte”.

Pratica-se assim um atentado contra a própria estrutura do ser e do pensamento humano.

Museu Bozen-Bolzano: a limpeza foi feita!
Museu Bozen-Bolzano: a limpeza foi feita!
O museu – conhecido como Museion Bozen-Bolzano – refez a exibição. Os artistas de Milão Goldschmied and Chiari foram os idealizadores desse atentado à ordem do ser.

O Museu pediu desculpas pelo incidente e lamentou que “teve má sorte com a nova faxineira”.

Em fevereiro do ano passado, noticiou ainda a BBC Brasil, verificou-se em Bari, no sul da Itália, outra reação de bom senso, que a agência informativa qualificou de acidente.

Também uma faxineira jogou fora “trabalhos” que faziam parte de uma instalação da galeria Sala Murat.

Ela tratou a “obra de arte contemporânea” como aquilo que a mesma aparentava ser: lixo. E disse que estava “apenas fazendo seu trabalho”.

Mais de um terá vontade de lhe fazer chegar um aplauso.


quarta-feira, 4 de novembro de 2015

Música de Mozart melhora a atividade cerebral

Wolfgang Amadeus Mozart.
Wolfgang Amadeus Mozart.



Pesquisadores da Universidade La Sapienza, de Roma, concluíram que a audição da música de Wolfgang Amadeo Mozart melhora sensivelmente a atividade cerebral, informou o jornal “Daily Mail”, de Londres.

Nas pessoas analisadas durante os exames foi constatado um aumento da atividade das ondas cerebrais relacionadas com a memória, a intelecção e a resolução dos problemas.

Os mesmos testes foram feitos tocando ao mesmo grupo uma música de Beethoven, porém sem resultados. As experiências sugerem que na música de Mozart há algo especial que influencia positivamente o cérebro.

“Esses resultados – explica o estudo – podem ser representativos do fato de a música de Mozart ser capaz de 'ativar' circuitos corticais neuronais no cérebro relacionados com a atenção e as funções cognitivas”.

E esclarece que os resultados “não são apenas uma consequência de ouvir música em geral”.

O estudo foi publicado na revista especializada Consciousness and Cognition (volume 35, setembro 2015, páginas 150–155), tendo os pesquisadores utilizado equipamentos EEG (eletroencefalografia) para registrar a atividade elétrica do cérebro dos participantes.

Os responsáveis foram Walter Verrusio, Evaristo Ettorre, Edoardo Vicenzini, Nicola Vanacore, Mauro Cacciafesta e Oriano Mecarelli, de diversos departamentos da universidade romana. (“The Mozart Effect: A quantitative EEG study”)

Wolfgang Amadeo Mozart jovem. Jean-Baptiste Perroneau, 1767, Museu do Louvre
Wolfgang Amadeo Mozart jovem.
Jean-Baptiste Perroneau, 1767, Museu do Louvre
O grupo analisado incluía 10 adultos jovens e saudáveis, com uma média de idade de 33 anos, 10 idosos saudáveis em torno dos 85 anos, e 10 idosos com leves problemas na cognição e uma idade média de 77 anos.

As medições eletroencefalográficas foram feitas respectivamente antes e depois de ouvir o movimento L'allegro con spirito da sonata para dois pianos em D Maior K448 de Mozart e Para Elisa de Beethoven.

Os pesquisadores sugerem que o arranjo musical racional e altamente organizado da sonata pode suscitar um ‘eco na organização do córtex cerebral’ (responsável pelas funções mentais de alto nível).

“Uma das características típicas da música de Mozart é a repetição frequente de uma melodia; isso determina uma virtual carência de elementos surpreendentes que podem afastar a atenção do ouvinte de uma audição racional, em que cada elemento harmônico e melódico tende a fechar num ponto que confirma as expectativas dos ouvintes”, dizem os autores.

Um estudo anterior, publicado em 1993, achou que ouvir a K448 também poderia melhorar as habilidades de raciocínio espacial durante um breve tempo após a audição.

Bem podemos perguntar em que estado fica o cérebro de um fanático de rock, nas suas várias modalidades, e o que é que se pode esperar de seu desenvolvimento cerebral.


Video: Música de Mozart melhora a atividade cerebral. L'allegro con spirito da Sonata para dois pianos em D Maior K448





quarta-feira, 28 de outubro de 2015

Centros de reeducação para jovens viciados em videojogos?

Exames médicos nos campos para viciados em Internet tentam definir uma patologia, mas sem a caridade a cura não aparece
Exames médicos nos campos para viciados em Internet
tentam definir uma patologia,
mas sem a caridade cristã a cura não aparece



O uso intensivo de jogos de computador por jovens chineses está causando danos que alarmam até as autoridades comunistas, escreveu a jornalista Jane E. Brody, de The New York Times.

Médicos chineses julgam que a adição aos videojogos configura um transtorno clínico quando os jovens passam várias horas por dia diante dos monitores.

O regime promoveu a sistematização de mais de 400 centros de reabilitação para afastar as jovens vítimas da influência dos aparelhos eletrônicos durante meses.

O valor do tratamento não está demonstrado, mas os casos apresentados têm as características de uma forma de dependência comparável à dos drogados.

O documentário “Web Junkie”, filmado num desses centros, registra casos patéticos de deformação moral e psicológica. Ver embaixo o vídeo completo ou síntese abreviada.

Porém, esses centros do governo socialista não transmitem uma boa imagem. Eles se assemelham extraordinariamente a campos de concentração pelo ambiente sórdido e o regime ditatorial.

Em problemas como esses, só a doçura da caridade cristã pode garantir um bom tratamento e o abandono dos vícios, até os mais arraigados.

O método dirigista chinês é o oposto dos procedimentos inspirados pela caridade católica.

Jovens viciados na Internet jogam até desmaiar de sono diante da tela, China.
Jovens viciados na Internet jogam até desmaiar de sono diante da tela, China.
Nos países ocidentais já não há dúvida de que os jovens fãs dos videojogos, que ficam longamente diante do monitor, estão tendo a saúde prejudicada e o desenvolvimento ameaçado.

O problema é que a relação com as engenhocas digitais começa já com os bebês, que ganham tablets e celulares para diversão ou “aprendizado”.

A Academia Americana de Pediatria publicou em 2013 um estudo (“Children, Adolescents, and the Media”) onde analisa estatísticas da Kaiser Family Foundation.

Segundo elas, uma criança entre 8 e 10 anos de idade fica em média oito horas por dia diante de diferentes equipamentos eletrônicos.

A TV ainda é a mais assistida, mas computadores, tablets e celulares vão ganhando espaço.

Os pais acham que o costume se justifica pelo efeito tranquilizante dos eletrônicos sobre as crianças, mas não percebem o potencial danoso de tantas horas passadas num mundo virtual intrinsecamente irreal.

“Estamos dando distrações às crianças, em vez de ensiná-las a se acalmar”, disse Catherine Steiner-Adair, psicóloga clínica de Harvard.

Tentativa de corrigir os jovens viciados usa disciplina militar na China.
Tentativa de corrigir os jovens viciados usa disciplina militar na China.
A Academia Americana de Pediatria sustenta que antes dos dois anos de idade, as crianças não devem ser expostas a nenhuma mídia eletrônica.

A Academia explica que “o cérebro da criança se desenvolve rapidamente nesses primeiros anos, e crianças pequenas aprendem mais interagindo com as pessoas, não com telas”.

A tecnologia é um pobre substituo do relacionamento pessoal.

Para a entidade pediátrica, crianças mais velhas e adolescentes não deveriam gastar mais do que duas horas por dia com esse tipo de entretenimento.

O uso pesado de eletrônicos pode ter efeitos negativos até no comportamento, na saúde e no desempenho escolar dos pequenos.

“Quanto mais crianças se comunicam por meios eletrônicos, mais elas se sentem solitárias e deprimidas”, diz Kristina E. Hatch, pesquisadora da Universidade de Rhode Island (EUA).

As consequências físicas incluem dores nos dedos, no pulso, no pescoço e nas costas, especialmente nos atingidos pela “epidemia” das mensagens de texto.


“Web Junkie”. Síntese:




quarta-feira, 21 de outubro de 2015

Hostilidades contra a Cruz helvética na Suíça!

A simples cruz helvética no centro, símbolo nacional, foi interpretada como ofensa aos imigrantes islâmicos.
A simples cruz helvética no centro, símbolo nacional,
foi interpretada como ofensa aos imigrantes islâmicos.



Na escola de Emmen, no cantão suíço de Luzerna, os alunos foram convocados a embelezar alguns muros da cidade. Aliás, mais de 1.000 habitantes da localidade participaram de iniciativas semelhantes nos últimos sete anos.

O plano foi tocado pela associação Emmenfarbig (Emmen em cores), dirigida por Peter Jans, e previa que as crianças pintariam instrumentos de música num muro.

“Mas algumas crianças tiveram a ideia de pintar a bandeira nacional com um corno musical dos Alpes”, explicou Peter Jans aos periódicos, informou o jornal de Genebra “La Tribune de Genève”.

A iniciativa infantil foi o início da tempestade. A direção da escola entrou em pânico, pois não queria ferir a sensibilidade dos imigrantes, e decidiu proibir o feito dos alunos.

Peter Jans recebeu a ordem de apagar a bandeira nacional pintada no muro. Ele então pediu uma orientação à câmara de vereadores da cidadezinha e um esclarecimento sobre se poderia pintar a bandeira suíça no futuro.
Marcas renomeadas como Swatch, Tissot e Victorinox
passaram a oferecer linhas sem a cruz
para contentar o Islã.
Ilustrações do “Observatório da Cristianofobia”
Alunos, pais de família e professores reagiram vivamente. O presidente da comuna Rolf Born tentou acalmar os espíritos, afirmando que “pessoalmente não vejo problema algum com a cruz suíça na escola”.

Ele recusou a acusação dos pró-imigrantes de que pintar o símbolo nacional, a cruz da Suíça, tivesse conotações políticas, racistas ou que incitasse à violência.

Para se imaginar o impacto da discussão, seria preciso supor que algum grupo exigisse apagar da bandeira brasileira o Cruzeiro do Sul para não ofender o Crescente do Islã!!

Por sua vez, o “Observatório da Cristianofobia” observou que já em 2011 um grupo de imigrantes muçulmanos havia exigido que a Suíça suprimisse a Cruz de sua bandeira nacional. O pretexto foi que ela ofendia a sensibilidade islâmica. O pedido não foi aceito.

Mas o problema não se detém aí. Segundo o mesmo “Observatório da Cristianofobia”, num vil espírito de submissão ditado pelo espírito de marketing, reputadas empresas suíças estão tirando a cruz helvética de seus logos.

O “Observatório” publica as fotografias das seguintes empresas:

1) Relógios da afamada casa Tissot sem a cruz tradicional da marca, idêntica à da bandeira nacional;

2) Relógios da linha Swatch, de grande difusão mundial, também sem a cruz helvética;

3) Canivetes Victorinox, famosíssimos há muitas décadas, também sem a cruz. Victorinox é fornecedor oficial do exército suíço e criador desses célebres canivetes das mais variadas utilidades.

Para o “Observatório” trata-se de uma vitória do marxismo cultural que vai predispondo a Suíça a aceitar um regime de “dimitude”.

A “dimitude” é o regime para os cristãos escravizados inspirado pelo Corão, obrigando-os a pagar impostos em condições humilhantes, proibindo-os de viver um tipo de vida que sob algum ponto de vista possa parecer superior à vida dos adeptos do Corão, e punindo-os pelo fato de portarem uma Cruz ou por possuírem um porco, como se fossem atos igualmente reprováveis!