quinta-feira, 27 de agosto de 2015

Lutero: o “berço do puro Evangelho”
virou “foco de abominável corrupção”

O Jardim das delicias terrenas.  Hyeronimus Bosch (1450 — 1516).
O Jardim das delicias terrenas.
Hyeronimus Bosch (1450 — 1516).

O Pe Leonel Franca nasceu em 7-1-1893, em São Gabriel, RS.

Ingressou na Companhia de Jesus em 12-11-1908.

Em 1912 foi estudar filosofia na Universidade Gregoriana, Roma, onde recebeu o título de Doutor em Teologia (1924).

Durante sua estadia na Cidade Eterna publicou “A Igreja, a Reforma e a Civilização” (1923).

Em 1928, fundou a Universidade Católica de Rio de Janeiro, da qual foi Reitor magnífico durante oito anos.

Rendeu sua alma a Deus em 3-9-1948.



continuação do post anterior: Corrupção dos costumes





Wittemberga, berço do puro Evangelho e residência habitual de Lutero, tornara-se outrossim um foco de abominável corrupção. Poucos anos depois de iniciada a “reforma”, já o heresiarca se queixava num sermão:
“Que fazer convosco, Wittembergenses? Já não vos pregarei o reino de Cristo que não quereis receber.

“Sois ladrões, rapaces e cruéis... brutos ingratos. Arrependo-me de vos haver libertado da tirania dos papistas. Vós, ingratissimae bestiae,sois indignos do tesouro do Evangelho”.

Fonte: Weimar, XXVII, 408-411.
Com a veemência de semelhantes impropérios, os costumes não melhoravam.
“Vivemos ou melhor morremos nesta Sodoma, nesta Babilônia”.
Fonte: De Wette, V, 722.

Escrevia em 1545 ao Príncipe de Anhalt, Jorge; e poucos meses depois à sua Catarina: “Fora, fora desta Sodoma”.

Fonte: De Wette, V, 753.
Do estado moral de Wittemberga já em 1527 escrevia Melanchthon a Justo Jonas:
“Quando vieres a Wittemberga verás como tudo o que havia de bom ameaça ruína, que ódios dividem os homens, que desprezo de toda a honestidade, que ignorância nos que governam as igrejas, e quão [duas palavras gregas]”.

Corpus Reformatorum,I, 888.
Ickelsamer escrevia a Lutero: “Quanto mais se aproxima alguém de Wittemberga, tanto pior cristão se vai tornando”.
O incêndio, que assim crescia de dia para dia com imensa ruína das almas, não podia deixar, de quando em quando, de remorder-lhe a consciência atordoada pelo orgulho.
“Vejo esses males e os deploro. Muitas vezes pensei se não teria sido melhor conservar o Papado, do que ver tamanha perturbação. Melhor é, porém, arrancar alguns das fauces do demônio do que perecerem todos”.
Fonte: Weimar, XX, 674.
Nestes momentos de angústia, para tranqüilizar os sobressaltos da consciência, acolhe-se à convicção fanática da sua missão divina.
A Nau dos Insensatos, detalhe, Hyeronimus Bosch (1450 — 1516)
A Nau dos Insensatos, detalhe, Hyeronimus Bosch (1450 — 1516)
“A idéia que é divina a minha missão é-me de grande conforto. Com ela muitas vezes me defendo do pensamento satânico de que o Evangelho é a causa dos grandes escândalos que presenciamos.

“Confesso, porém, que se Deus não me fechara os olhos, se houvera previsto todos esses males, nunca certamente teria começado a pregar o Evangelho”.

Fonte: Walch, VI, 920 (Doellinger, Die Reformation,2(2), 304).

“Quem de nós, dizia ele em 1538, se teria abalançado a pregar, se pudera prever que tanta desgraça, tanto escândalo, tanto crime, tanta ingratidão e malvadez seriam o resultado da nossa pregação?

“Agora, uma vez que chegamos a este estado, soframos-lhe as conseqüências”.

Fonte: Walch, VIII, 564, (Doellinger, Die Reformation,I(2), 305).
Último pensamento, enfim, que o consola em meio do dilúvio de males por ele desencadeado é a iminente destruição universal. A aniquilação do mundo, ele a invoca com esperança como supremo remédio.
“Desejo sair, com todos os meus, deste mundo satânico; anelo pelo supremo dia que porá termo aos furores de Satã e dos seus”.

Fonte: De Wette, V, 703.
Ao mesmo amigo J. Probst escrevera dois anos antes, em 1542:
“O mundo ameaça ruína; disto tenha certeza: tal é o furor de Satanás, tal o embrutecimento geral.

“Só me resta como consolo a iminência do dia derradeiro... a Alemanha foi e nunca voltará a ser o que foi”.

Fonte: De Wette, V, 451.
continua no próximo post: Muskulus: “Não é possível piorar”

Autor: Pe Leonel Franca S.J., “A Igreja, a Reforma e a Civilização”, in Obras completas do Pe Leonel Franca S.J., vol. II, 7ª ed., Livraria Agir Editora, Rio de Janeiro, 1958 (págs. 375-405). PDF

O livro “A Igreja, a Reforma e a Civilização” do Pe. Leonel Franca S.J.


TAMBÉM PODE SER VISUALIZADO DIRETAMENTE EMBAIXO:




segunda-feira, 24 de agosto de 2015

O que há por tras do radicalismo dos inimigos da vida?
Confissões sobre aborto e satanismo

Cada vez mais os militantes contra a vida estão invocando Satanás nas polêmicas públicas




Em diversas ocasiões, sobre tudo recentes, encontramos o fato, e o noticiamos no nosso blog, de que durante polêmicas, muitas vezes na rua diante de um tribunal, numa Câmara municipal ou diante de uma clínica do aborto nos EUA, os militantes da cultura da morte entoavam slogans louvando a Satanás.

Essa atitude extremista podia se entender como resultado de um estado de extrema irritação, e não ao pé da letra.

O movimento satanista fez um rumoroso ingresso na grande mídia quando o grupo o chamado Templo Satânico tentou fazer uma "missa negra" pública na Universidade de Harvard. Não conseguiu pela resistência dos católicos. Leia mais: Tentativa de “missa negra satânica” em Harvard. Estudantes reparam ofensa ao Corpo de Cristo

Porém, mais tarde conseguiu fazer uma “missa” dessas nas instalações da prefeitura de Oklahoma City.

Hora Santa de Reparação na igreja de São Francisco de Assis em Oklahoma City
E por boca de seu porta-voz Lucien Greaves passou a reivindicar o satanismo como uma “religião” que considera o aborto como um de seus “sacramentos”, entre outras abominações. Leia mais: Templo Satânico pede aborto em nome de ‘liberdade religiosa’

Ainda assim poderia se dizer que se tratava de mais uma bravata verbal para chamar a atenção.

Porém a difusão em andamento dos vídeos expondo o tráfico de órgãos e tecidos de bebês abortados praticados nos estabelecimentos da Planned Parenthood patentearam uma dureza de coração dos responsáveis flagrados que nós pareceu inumana, diabólica num sentido analógico da palavras.

Precisamente motivado por essas entrevistas, nos EUA o Lepanto Institute entrevistou o ex-satanista Zachary King. Ele pretende ter sido uma espécie de "sacerdote” de rituais satânicos e descreve como eram no interior de clínicas do aborto.

Zachary um dia ficou tocada por uma Medalha Milagrosa e acabou abandonando as abomináveis práticas que descreve. Por fim, se tornou católico e denuncia para quem queira ouvir o que é que há no cerne do abortismo e do movimento anti-vida.

Reproduzimos abaixo trechos da entrevista desse ex-“sacerdote satanista” para o site americano pela vida Lepanto Institute. Colocamos em negrito algumas partes para ressaltar aspectos importantes.

O depoimento descreve fatos extremamente chocantes. Não os recomendamos para pessoas sensíveis ou de pouca idade.

A tradução para o português foi publicada originalmente no site do Instituto Plínio Corrêa de Oliveira.

Zachary King
Zachary King
Como um menino normal caiu no precipício

Zachary era um menino comum de um bairro americano que cresceu em uma família batista. 

Ele começou a praticar magia aos 10 anos de idade, se juntou a uma seita satânica aos 13 anos e tinha quebrado todos os 10 Mandamentos quando tinha 15 anos. 

Desde sua adolescência até a idade adulta, ele se esforçou para chegar até a categoria de Sumo Sacerdote na seita e era um ativo divulgador do satanismo, incluindo abortos ritualísticos. 

Zachary está atualmente escrevendo sobre suas experiências em um livro intitulado “O aborto é um sacrifício satânico”.

Lepanto Institue – Zac, você tem muita história para contar. Poderia nos relatar um pouco sobre o modo como você entrou no satanismo?

King – Tudo começou com uma forte curiosidade de saber se a magia era real. Começou depois de assistir alguns filmes sobre feiticeiros e bruxos, por volta da década de 1970, quando eu cresci.

Certo dia tivemos um jogo na escola chamado “Bloody Mary”, ou “I Hate You, Bloody Mary”, onde você ia a um banheiro e cantava essa frase um certo número de vezes com as luzes apagadas.

Uma vez que o meu grupo fez isso, nós vimos uma face demoníaca no espelho. Não tínhamos ideia do que estávamos olhando, só que, de repente, todo mundo saiu correndo, morrendo de medo … exceto eu. Eu sempre achei isso muito interessante.

Na mesma época, eu jogava no vídeo game o “Dungeons and Dragons” todo fim de semana, e eu era sempre o mago ou feiticeiro. Eventualmente, eu me perguntava se eu poderia fazer magia de verdade e tentei dois feitiços para ganhar dinheiro.

Deu certo, mas poderia ter sido apenas uma coincidência, então eu fiz isso uma terceira vez, e na terceira vez que eu fiz isso, eu estava lá no banheiro, sozinho, em frente ao demônio e queria ver o que aconteceria. Eu ganhei $ 1.000 dólares no dia seguinte. A partir daí, eu estava convencido de que a magia era real.

Videogames como 'Dungeons and Dragons'
foram porta de ingresso na iniciação infernal
Quando eu tinha uns 12 anos, um amigo me apresentou a um grupo que jogava “Dungeons and Dragons” e que também acreditavam que a magia era real. Descobri que esse grupo era uma seita satânica. (…)

Eu amava as máquinas de pinball, vídeo games e ficção científica, como Star Trek e Star Wars, e esses caras tinham quase todos os filmes de ficção científica e fantasia que eu sempre queria ver. Eles tinham máquinas de pinball, uma piscina, uma grande churrasqueira, e era como um clube de meninos e meninas.

Deixe-me entrosar desta forma, eles sabiam como recrutar. Eles sabiam tudo o que uma criança gostaria de fazer, então eu me envolvi com isso desta maneira.

(…) Eu estive lá até os 18 anos quando entrei para a Igreja Mundial de Satanás. A posição que eu alcancei é chamado de “Sumo Sacerdote” (High Wizard). Em uma grande seita satânica eles são as pessoas que realizam a magia. Havia poucos, como uns 10. O número geral [de High Wizards em uma seita] está entre 2 e 5, e nosso trabalho era viajar pelo mundo fazendo o que as pessoas querem que você faça. Agora, quando eu digo pessoas, eu me refiro a estrelas do rock, estrelas de cinema, figuras políticas, pessoas muito ricas … São incontáveis as pessoas que pedem uma bruxaria e não há limites para o que eles estão dispostos a pagar por isso.

Lepanto Institue – Então, você era um “Sumo Sacerdote” dentro do satanismo… apenas muito brevemente, como você fez para se tornar um?

King – Há rumores de que os “Sumos Sacerdotes” são escolhidos a dedo por satanás. Eu não sei qual é o critério.

Eu fazia magia desde os 10 anos de idade e tornei-me um “Sumo Sacerdote” quando eu tinha cerca de 21. Eu fui membro da Igreja Mundial de Satanás durante perto de 3 anos. Eu já tinha visto um “Sumo Sacerdote” quando eu era criança, mas eu não sabia o que era isso, nem para o que eu estava olhando. O visual era muito original, com um chapéu alto, um bastão ou uma bengala e o rosto pintado como um cadáver.

Há um CEO e um conselho de administração na seita. Eles dizem que você foi escolhido e lhe dão um livro que informa quais são os seus deveres com um “Sumo Sacerdote”.

Lepanto Institue – Então, você foi chamado por um Conselho e lhe ofereceram a posição, e, assim, você tornou-se um “Sumo Sacerdote”

Rei – Certo, isso aconteceu quando eu tinha 10 ou 12 anos.


Aborto e satanismo

Lepanto Institue – Qual o papel do aborto em rituais satânicos, e quando você começou a se envolver com o aborto no que diz respeito ao satanismo?

King – Logo após eu completar 14 anos, os membros da seita me disseram que eu precisava me envolver com um aborto. Eles disseram que houve uma festa com todos os membros do sexo masculino entre 12 e 15 anos e uma do sexo feminino de 18 ano com o objetivo de ficar grávida e realizar o aborto aos 9 meses de gestação.

Quando me disseram isso, eu disse “legal” em voz alta, mas não tinha ideia do que era um aborto. Na minha família, eu acho que eu ouvi meus pais sussurrarem essa palavra uma vez, por isso eu achava que era uma palavra suja.

Quando perguntei pela primeira vez o que era um aborto foi aos membros da seita, eu disse que eu não sabia o que tinha que fazer. Eles me explicaram que há um bebê no útero e que eu estava indo para matá-lo.

Haveria um médico e uma enfermeira lá para me ajudar porque se tratava de um procedimento médico. Perguntei: “isso é legal?” e a resposta foi: “sim, é, enquanto ele está no útero. Enquanto o bebê ainda está dentro da mulher você pode matá-lo”.

Isso é como foi explicado para nós. Também foi explicado que “você está matando um bebê”. Eles não disseram que seria matar “um feto” ou matar “algumas células em um corpo”. Nada disso. Era um bebê.

Eu não acho que eu teria concordado em matar um bebê fora do corpo de uma mulher, mas, sabendo que eu poderia matar, tanto quanto eu quisesse, desde que estivesse dentro do corpo… para o satanismo, o ato de matar algo ou a morte de algo é a maneira mais eficaz de ter o seu feitiço realizado.

No que diz respeito de obter a aprovação de satanás, para dar-lhe algo que você quer, matar algo é o melhor caminho a percorrer. Matar algo é a oferta final a satanás, e se você pode matar um bebê no ventre materno, este é seu objetivo final.

Lepanto Institue – Conte-nos sobre o primeiro aborto que você fez como um ritual satânico.

King – O primeiro que fiz foi cerca de 3 meses antes de completar 15 anos. Isso aconteceu em uma casa de fazenda que estava surpreendentemente muito mais esterilizada do que muitas clínicas de aborto que eu frequentei.

Havia um médico, uma enfermeira e uma mulher prestes a ter um bebê que estava cercada por 13 dos principais membros da nossa seita, que eram todos “Sumos Sacerdotes” e “sacerdotisas”.

Eu estava dentro do círculo com a mulher e o médico. Todos os membros adultos da minha seita estavam lá.

Havia várias mulheres ajoelhadas no chão, balançando-se para trás e gritando de vez em quando “nosso corpo nos pertence”. Ao lado estavam vários membros masculinos da nossa seita, todos cantando e “rezando”.

O ritual começou às 11:45 da noite, e a feitiçaria começou à meia-noite, que é a “hora das bruxas”, e a morte real da criança aconteceu às 3:00 da manhã, que é chamada a “hora do diabo”.

O meu papel em tudo isso foi inserir o bisturi. Eu não necessariamente tinha que matar … o que era importante era ter sangue em minhas mãos, da mulher ou do bebê. Em seguida, o médico termina o procedimento.

Foi provavelmente um dos mais hediondos abortos que eu já participei, o médico pegou o bebê e jogou-o no chão, onde estas mulheres estavam se balançando. As mulheres pareciam que estavam possuídas, e quando o médico jogou o bebê, elas o canibalizaram.

Lepanto Institue – Quantos rituais de abortos você participou?

King – Antes me tornar um High Wizard, eu fiz cinco. Depois, eu participei de mais 141 outros abortos.

Lepanto Institue – Você já fez ritual de aborto em alguma clinica de alto perfil?

King – Sim, fiz. Eu estimaria que eu fiz cerca de 20 rituais de abortos dentro dessas instalações, mas eu nunca contei. Eu só sei que eu estive em um monte delas. (…) Elas pareciam como casa de horrores, com sangue por todo o lado, incluindo, em alguns quartos, com sangue no teto.


Rituais satânicos e clínicas de aborto

Lepanto Institue – Como o senhor era convidado para fazer abortos satânicos nessas clinicas?

King – (…) A Igreja Mundial de Satanás não é a única organização que faz sacrifícios satânicos nessas clinicas. Há outras organizações de feitiçaria, tais como os wiccans, que realmente estão envolvidos em abortos cometidos dentro dessas instalações.

Você às vezes é convidado a fazer o ritual de aborto pelo próprio diretor do estabelecimento ou algum alto administrador, ou, por vezes, o médico é um satanista e o convida para participar de um aborto que eles vão fazer no final do dia.

Agora, no final do dia, todos os dias, grupos satânicos fazem, como uma missa negra, geralmente em torno da meia-noite, que dura cerca de 2 ou 3 horas, onde eles oferecem para Satanás todos os bebês que foram abortados naquele dia. Não importa a razão das mulheres optarem pelo aborto, todos os bebês são oferecidos a satanás no final do dia.

Sabat das bruxas. Francisco Goya (1746 – 1828),
Museu del Prado, Madri.
As assustadoras imaginações de Goya ficaram atrás da realidade de hoje.
Lepanto Institue – Como são esses rituais satânicos de abortos?

King – Há crianças que participam, mas elas geralmente não ficam na sala em que o aborto é praticado. Elas ficam separadas e há uma competição para ver quem consegue ficar acordado até às 3 horas. Quem ganha recebe uma recompensa.

Os homens que não fazem parte do top 13 da seita ficam fazendo feitiços e cantando. Eles também lançam feitiços para protegê-los contra qualquer pessoa que possa estar rezando contra eles.

Além disso, pagamos pessoas para nossa proteção, seja político ou policial, então sabemos que ninguém irá nos investigar naquele momento.

Uma vez veio o prefeito da cidade pedir um feitiço. Ele nos procurou porque queria passar um projeto de lei em sua cidade, ele havia tentado duas ou três vezes e nunca passou.

Ele tinha sido um membro da seita por algum tempo. Ele havia tentado todas as vias legais para obter a aprovação de seu projeto e nunca funcionou, então ele teve que encontrar alguém que concordasse em fazer um aborto e durante uma noite na qual nós poderíamos realizar o aborto e o feitiço ao mesmo tempo.

Mas também precisava encontrar um médico e uma enfermeira. Em clinicas de aborto de alto perfil, muitas pessoas que trabalham nesses locais são bruxos ou satanistas. Então, vai ser fácil encontrar gente lá disposta a participar do ritual satânico.

Lepanto Institue – Você diria que o aborto em clinicas de alto perfil atrai membros do ocultismo por causa da oportunidade de realizar rituais de abortos?

King – Eu diria que sim, que é absolutamente uma afirmação verdadeira. Você sabe, você tem as pessoas que pertencem à NOW [Organização Nacional de Mulheres], e muitas dessas pessoas pertencem a religião pagã wicca, e eles, embora professem ter uma postura para a preservação da vida, são permissivos em “ferir” quem vai contra eles de qualquer maneira, o que quer dizer que estão autorizados a destruir por qualquer meio necessário, que é, para eles, através da magia. (…)

Eles veem a figura feminina, a mulher, como a Mãe Terra, ou Gaia. Eles têm esta figura feminina que eles adoram como uma deusa. (…) O aborto é um sacramento satânico por assim dizer (…) e uma clínica de aborto atrai satanistas para o sacerdócio satânico.

Lepanto Institue – Alguma vez você já experimentou uma incapacidade de completar um aborto ou os efeitos de seu ritual devido a pessoas rezando do lado de fora de uma clínica?


Rezando pela vida diante da Planned Parenthood, Washington, EUA.
Eles não sabiam, mas suas orações estavam frustrando rituais satânicos abortistas
Orações pela vida frustram rituais satânicos com abortos

King – Mais de uma vez nós tivemos bebês que ameaçavam sobreviver ao aborto. Uma vez, eu cheguei na clínica de aborto e havia pessoas nos dois lados da rua.

De um lado, pessoas rezando e clamando contra o aborto, e, no lado que eu estava, eram pessoas pró aborto que gritavam todos os tipos de obscenidades.

Quando entrei, olhei para a rua novamente e vi algumas pessoas rezando de joelhos.

Naquele dia, o aborto que tínhamos programado para um ritual não ocorreu.

Eu acho que isso me aconteceu cerca de três vezes, e todas as três vezes … é engraçado, mas nunca havia me dado conta de que todos os três abortos que foram frustrados o foram devido às orações estavam sendo recitadas lá fora.


Conselhos de quem se converteu

Procissão Eucarística reparadora em Harvard, EUA
Procissão Eucarística reparadora em Harvard, EUA
Lepanto Institue – Que conselho você daria para as pessoas que estão rezando fora das clínicas de aborto, especialmente se suspeitar que há algum tipo de atividade oculta acontecendo dentro?

King – Primeiro de tudo, não pare! Não há nada que está acontecendo nessa clínica de aborto que pode prejudicá-lo. Claro, haverá demônios ao redor, mas você tem que pensar que satanás é como um cachorro na coleira; se você não chegar perto, ele não pode mordê-lo.

Esteja em estado de graça quando você for.

Leve água benta com você.

Não jogue-a sobre as pessoas que estão lá para se opor a você, porque você vai parar em tribunal. Você sabe, essas pessoas vão processá-lo sobre as coisas mais bobas.

Se você pode receber a Santa Comunhão antes de chegar lá, seria o ideal.

Se você for à missa nesse dia, depois passe alguns minutos para pedir ao Senhor que envie sua Mãe com você.

Leve um rosário. Há coisas que o diabo tem medo. 

Ele tem medo de um católico bem formado; um católico que entende sua fé e sabe que está em uma guerra espiritual.

Ele não quer lutar com alguém que tem a sua armadura completa.


Medalha Milagrosa: a conversão de Zachary

Em janeiro de 2008, enquanto trabalhava em um quiosque de joias, Zachary teve um encontro com Nossa Senhora que mudou sua vida.

Através da Medalha Milagrosa, Zachary experimentou uma paz que excede todo o entendimento. Zachary começou a frequentar a Igreja de São Francisco Xavier, em Vermont, e, em maio de 2008 (o mês de Maria), Zachary King entrou oficialmente para a Igreja Católica. Ele atualmente vive na Flórida com sua esposa.

Leia mais sobre a Medalha Milagrosa:

- A Medalha Milagrosa: sinal eficaz da ajuda de Nossa Senhora para as horas de calamidade

- Mais dados sobre a Medalha Milagrosa

Fonte: Lepanto Institute

domingo, 23 de agosto de 2015

Banir celular na escola melhora as notas

O uso do smartphone nas aulas dissipa a atenção, degrada o aprendizado e abaixa as notas.
O uso do smartphone nas aulas dissipa a atenção,
degrada o aprendizado e abaixa as notas.



Estudo da reputada London School of Economics mostrou que nas escolas da Inglaterra que baniram os smartphones os alunos melhoraram em até 14% suas notas em exames de avaliação nacional, noticiou a Folha de S.Paulo.

A melhora foi constatada principalmente entre estudantes de 7 a 11 anos e com aproveitamento escolar inferior a 60%, que foram proibidos de usar os referidos aparelhos.

Para os alunos aplicados, o banimento não mudou nada.

“Distrações atingem todo mundo, mas são piores em alunos com celulares. E ainda piores naqueles com notas mais baixas”, disse à Folha Louis-Philippe Beland, um dos autores do estudo.

O inquérito leva o título “Tecnologia, distração e desempenho de estudantes” e analisou as reações de 130 mil alunos desde 2001, em 91 escolas de quatro cidades.

Na Inglaterra, cada colégio define sua própria política. No Brasil, tramita na Câmara dos Deputados um projeto de lei que visa proibir a utilização de celulares em salas de aulas.

O uso seria autorizado pelo professor apenas com viés pedagógico. “Alunos não podem ter contato com celular durante a explicação. É como deixá-los conversar livremente”, disse o deputado Alceu Moreira (PMDB-RS), autor do projeto. Em São Paulo, desde 2007, colégios públicos estaduais já têm essa proibição.

Aluna: “não ia conseguir prestar atenção na aula”
Aluna: “não ia conseguir prestar atenção na aula”
A coordenadora de educação da UNESCO (organismo ligado à ONU para educação e cultura) no Brasil, Rebeca Otero, questiona a necessidade de a legislação intervir no assunto.

Mas, a UNESCO tem uma reputação duvidosa, até comunistoide, por incentivar reformas educacionais igualitárias que degradam a qualidade do ensino.

Para Luciana Allan, doutora pela USP especializada em tecnologias aplicadas à educação, “o celular pode atrapalhar provas que medem memorização”.

Na Escola da Vila, os alunos até o 5º ano não podem levar celulares. Do 6º ano em diante, só com permissão do professor. As atividades utilizam notebooks e tablets. O smartphone é usado só para fotografar projeções de slides ou de lousas, diz a coordenadora de tecnologias educacionais, Helena Mendonça.

O professor de história Reginaldo Polesi é contra o uso de aparelhos, porque acredita que os alunos se dissipam mais do que com as distrações de antigamente, como fazer aviãozinho de papel e desenhar na carteira.

Gabriela Molina, 15, desconcentra-se com facilidade e comemora o fato de os smartphones não serem liberados o tempo todo. “Não ia conseguir prestar atenção na aula”.


domingo, 16 de agosto de 2015

Bispo colombiano blasfema contra Apóstolos
para congraçar LGBTI

Mons.Juan Vicente Córdoba
Mons.Juan Vicente Córdoba



O bispo de Fontibón e ex-secretário da Conferência Episcopal da Colômbia, Dom Juan Vicente Córdoba, pediu “sinceras desculpas” pelas blasfemas e obscenas expressões que empregou para se referir aos Apóstolos e a Santa Maria Madalena em palestra pública diante de 300 pessoas a respeito da homossexualidade, noticiou ACIPrensa.

O bispo difundiu sua retratação pelo site da Conferência Episcopal da Colômbia, após a mídia nacional e internacional publicarem farto material de documentação. Esse material inclui um vídeo do Youtube com as blasfêmias e torpezas pronunciadas pelo prelado no intuito de agradar o público LGBTI.
Falando da mesa, o bispo disse: “Não sabemos se algum dos discípulos era mariconcito (sic). Não sabemos (…). Não sabemos se a Madalena era lésbica”. 
Ele incluiu comentários e gestos corporais de baixo calão sobre a vida de Santa Maria Madalena antes da conversão. A moral e a limpeza de linguagem nos impedem sequer de aludir a tais ditos e gestos.

As ofensas foram pronunciadas no foro “Adoção e casamento igualitário: um caminho inconcluso”, convocado pela Fundación Buen Gobierno, pela Universidad de Los Andes e pela Fundación Colombia Diversa de Bogotá.

Em suas escusas, Dom Córdoba disse que falou assim porque não sabia que havia meios de comunicação no local. Por isso se sentiu autorizado a “utilizar algumas expressões coloquiais que, fora do contexto de um encontro acadêmico e de diálogo com os presentes, se tornam claramente infelizes. (...) a essas lamentáveis expressões não se pode dar valor teológico ou moral algum”.

De fato, foram expressões profundamente obscenas, mais próprias de uma taverna de má fama, ofensivas à teologia e à moral católica e totalmente inadmissíveis na boca de um Príncipe da Igreja, que com esses mesmos lábios pronuncia as palavras da Consagração e opera assim a transubstanciação do pão e do vinho em Corpo e Sangue de Nosso Senhor Jesus Cristo.

Na pirueta verbal de retratação, o bispo reafirmou sua “firme e plena convicção na doutrina moral da Igreja Católica sobre a homossexualidade” como está contida no Catecismo da Igreja Católica, n. 2358.

Ele insistiu que, com essas frases e gestos – aliás, objetivamente blasfemos –, não pretendia negar a moral inamovível da Igreja, mas abrir um espaço de acolhida e simpatia para com os membros da comunidade LGBTI que participavam do foro.

O bispo publico desastrada "retratação" pelo site da Conferência Episcopal Colombiana
O bispo publico desastrada "retratação" pelo site da Conferência Episcopal Colombiana
Em síntese, o prelado se apresentou como uma figura vanguardeira das propostas que o cardeal Walter Kasper pretende fazer passar no Sínodo sobre a Família de outubro próximo, no Vaticano.

No site Infocatólica, Luis Fernando Pérez Bustamante replicou o ex-secretário da Conferência Episcopal da Colômbia, dizendo que meras palavras não são suficientes num caso tão grave.
O articulista citou as palavras do prelado que nos é impossível reproduzir, acrescentando que a nota com as escusas “não vale de nada, pois tenta explicar o inexplicável. Cristo diz que a boca fala da abundância do coração. E sua boca, Mons. Juan Vicente Córdoba, mostrou um coração incompatível com a condição de pastor da Igreja. O senhor professa o que disse, e diante do escândalo mundial provocado, saiu a público para dar explicações tarde e mal”.
O articulista também lembrou que a doutrina católica pede a penitência além do arrependimento e da confissão sacramental. Sendo público o escandaloso ultraje, a penitência também deve ser pública.
“Chegamos a uma situação que para muitos fiéis resulta insuportável”, concluiu Pérez Bustamante.
Não temos notícia dessa penitência. Deploraremos profundamente se o ex-secretário da Conferência Episcopal desse grande país continuar a se exibir no jetset eclesiástico acobertado por uma  misericórdia insincera.

terça-feira, 11 de agosto de 2015

Nem nos campos de extermínio …

Auschwitz: o criminoso engano da frase de boas vindas hoje poderia ser substituída por: 'Planned Parenthood'.
Auschwitz: o criminoso engano da frase de boas vindas
hoje poderia ser substituída por: 'Planned Parenthood'.



Os vídeos gravados e divulgados por The Center for Medical Progress [Centro para o Progresso Médico] viralizaram e foram visualizados milhões de vezes no mundo. E seguem saindo novos vídeos...

Quase que dispensam apresentação. No primeiro deles, Deborah Nucatola, diretora sênior de Serviços Médicos da Planned Parenthood America, [Paternidade Planificada], principal indústria do aborto nos EUA, foi pega numa gravação vendendo órgãos de crianças abortadas pelo método de “nascimento parcial”. Quer dizer, nas últimas semanas de gestação, explica o site Religión en Libertad

Com esse procedimento o executor do aborto introduz algumas pinças e agarra com elas uma perninha, depois a outra, seguida do corpo, até chegar aos ombros e braços do bebê. Assim ele extrai parcialmente o corpo da inocente vítima, como se o bebê fosse nascer, mas deixa a sua cabeça dentro do útero.

Como a cabeça é muito grande para ser extraída intacta, o abortista enterra então algumas tesouras na base do crânio do bebê, que está vivo, e o abre para ampliar o orifício. Depois insere um cateter e extrai o cérebro mediante sucção.

Esse procedimento faz com que o bebê morra e sua cabeça desabe. Em seguida extrai-se a criatura e corta-se a placenta. (cfr ACIDigital)

Durante almoço em um restaurante, onde Deborah come com apetite, ela descreve com insensibilidade inumana a venda de órgãos e membros de crianças despedaçadas pela Planned Parenthood segundo o método acima. Deborah fala com pessoas que ela julgava serem potenciais clientes de uma empresa de “tecidos humanos”.

Segundo LifeSiteNews, desde 2009 Deborah é a responsável pela supervisão de todos os serviços médicos da Planned Parenthood, cuidando também da formação do pessoal médico ou paramédico que age como agentes da morte. Além disso, ela própria pratica abortos de crianças de até 24 semanas.

O vídeo original da conversa demora mais de duas horas. A parte divulgada é a central. Nele, Deborah admite que a Planned Parenthood vende diversas partes das crianças assassinadas e utiliza os procedimentos de “aborto por nascimento parcial” para conseguir esses órgãos. Inclusive informa que o preço oscila entre 30 e 100 dólares segundo a peça.

A conversa é alucinante, mas a apelidada “Anjo da Morte” prossegue.

Enquanto mistura a salada, preparando o próximo bocado, diz: “Muitos querem corações intactos, porque procuram nodos concretos, como a aurícula ventricular ou o sino-auricular... Eu sempre falo: tantos fígados quanto seja possível. Muitos querem fígados. Por isso, o operador deve agir sob orientação ecográfica, para sabe onde está pondo os fórceps [instrumentos para arrancar a criança do útero]”.

Em outro momento, Deborah diz: “Eles também querem extremidades inferiores. Isso é fácil. Não sei o que fazem com elas, acho que querem músculo”.

Não é película de terror, é a chefa dos médicos da Planned Parenthood, que acrescenta: “Nós somos muito bons para conseguir corações, pulmões e fígados, porque sabemos como fazê-lo sem perfurá-los, mas cortando por cima e por baixo e conferindo se tudo sai intacto”.

Com estarrecedora frieza ela própria explica que as maiores dificuldades estão no crânio, e afirma que os aborteiros tentam mudar a forma de tirar a criança a fim de obterem a cabeça de “modo limpo”.

“Em geral, alguns tentam mudar a posição do feto de maneira que ele não saia de cabeça. Se você o fizer sair de costas, acontece uma dilatação que lhe permitirá, no passo final, tirar a cabeça intacta”.

Planned Parenthood: por fora cores clarinhas que não havia em Auschwitz. Por dentro algo tal vez muito pior...
Planned Parenthood: por fora cores clarinhas que não havia em Auschwitz.
Por dentro algo tal vez muito pior...
A venda de partes do corpo das crianças abortadas é proibida pela lei, mas a Planned Parenthood sabe que seus centros a fazem.

“Na sede nacional nós temos um Departamento Legal que não quer nos ver envolvidos nisso exatamente agora. Mas digo-lhe que acontecem conversações como esta, a portas fechadas”, diz a insensível mulher.

O vídeo é resultado de três anos de investigação do The Center for Medical Progress sobre as práticas da Planned Parenthood.

No início, são apresentadas imagens em que Gloria Feldt, presidente da Planned Parenthood entre 1996 e 2005, nega que a instituição faça coisas desta natureza. A mentira fica refutada em toda a crueza pelos fatos.

O responsável pela denúncia é David Daleiden, para quem “a conspiração criminal da Planned Parenthood para fazer dinheiro com a venda órgãos de crianças abortadas engaja os mais altos níveis da organização”. De fato, a CEO da empresa, Cecile Richards, louvou repetidas vezes o trabalho de Deborah.

Mas que trabalho é esse? Ela própria esclarece: “Ontem, por exemplo, tive oito casos. Eu sabia exatamente o que eu queria, assim que olhei a lista para ver quais eram os casos nos quais poderia obter melhor o que eu queria e em função disso tomei minhas decisões. É bom ter uma reunião no início do dia. É isso o que eu faço”.

Deborah apagou sua conta de Twitter assim que começou a difusão do vídeo que provocou uma catarata de reações nos EUA.

A Planned Parenthood apoia Deborah Nucatola, tendo seu vice-presidente de Comunicação, Eric Ferraro, apresentado em comunicado a venda dos órgãos como uma doação altruísta de “tecido” com finalidades científicas.

Enquanto o governador da Louisiana, Bobby Jindal, ordenou uma investigação em seu estado, o ex-governador de Texas, Rick Perry, declarou que “por histórias como esta” suprimiu em seu estado o financiamento público da Planned Parenthood.

A Câmara dos Representantes revogou a subvenção a uma fundação que é uma das principais doadoras da Planned Parenthood.

O Partido Democrata do presidente Obama acabou defendendo a indústria abortista, a qual, por sua vez, favorece de modo explícito e ajuda financeiramente a campanha da pré-candidata Hillary Clinton à Casa Branca.

E no Vaticano, o que disse o Vaticano diante desta massacre cruel dos mais pobres e indefesos dos seres humanos? Nada, absolutamente nada proporcionado ao crime. As preocupações são outras e estão menos longe das tendências entre as quais navega amigavelmente a Planned Parenthood.








domingo, 9 de agosto de 2015

O Partido Socialista morreu, diz analista das esquerdas francesas

O PS tem tudo: dinheiro e poder. Só faltam militantes, ideias e eleitorado.
O PS tem tudo: dinheiro e poder. Só faltam militantes, ideias e eleitorado.



Laurent Bouvet, pensador socialista e diretor do Observatoire de la Vie Politique (Ovipol) da Fondation Jean-Jaurès, pintou um deprimente quadro do Partido Socialista francês (PS), hoje no poder e praticamente a única opção viável para as esquerdas francesas.

Ele resumiu o seu balanço com uma frase lapidar: “O PS está moribundo, o partido de Épinay [Épinay-sur-Seine, localidade onde foi fundado] está morto”, registrou o jornal parisiense “Le Figaro”.

O tema interessa na América Latina pois o PS francês foi e continua sendo um grande patrocinador das esquerdas tupiniquins, intensamente unido ao lulopetismo e ao Foro de São Paulo.

Bouvet apontou como causas do desastre o desinteresse e a desconfiança do público em relação aos partidos políticos e aos jogos de lideranças partidárias, bem como a fraqueza dos militantes socialistas em se mobilizarem.

A própria estruturação do partido, que é o farol das esquerdas francesas, está em profunda crise. Ele deveria se renovar, mas todos brigam internamente pelo controle do aparelho partidário que se desfaz.

Pouco restou das promessas de socializar a economia, feitas pelo presidente Hollande, e quase nada se empreendeu no sentido socialista, deixando os militantes decepcionados.

Laurent Bouvet: o PS está morto!
Laurent Bouvet: o PS está morto!
Reformas como a do “casamento” homossexual, da educação sexual escolar, etc., levantaram uma onda de oposição que ameaça sepultar o partido para sempre.

Esses fenômenos provocaram resultados eleitorais catastróficos para o PS e o conjunto das esquerdas.

Embora faça concessões, Hollande, o presidente mais impopular da V Republica, não consegue reverter o desastroso panorama econômico, que multiplica a antipatia popular.

O PS fundado em Épinay visava trazer à política o espírito anárquico e emancipador de Maio de 68.

Ele chegou a conquistar a Presidência em 1981 com Mitterrand, mas logo abandonou a plataforma autogestionária que devia operar a ruptura com o regime de propriedade privada e livre iniciativa, eliminando o capitalismo, conforme prometia.

Ficou para o PS conduzir a “emancipação” da sociedade, leia-se a promoção dos “direitos” das minorias, como LGBT ou raciais.

O partido ficou lotado de representantes dessas minorias, concentradas nos centros urbanos. Porém, o povo abandonou-o e correu para a extrema-direita.

Hoje o projeto do PS gera dúvida e desordem entre os socialistas e o partido já avista uma catástrofe eleitoral nas próximas eleições presidenciais.

O berreiro dos 'elefantes' segue forte, mas as sedes se esvaziam
O berreiro dos 'elefantes' segue forte,
mas as sedes se esvaziam
O pouco que subsiste após tantas derrotas será logo varrido por essas derrotas eleitorais, diz Bouvet, provocando pesadas deserções.

O eleitorado “progressista” não existe mais como pedestal político para relançar uma forca capaz de enfrentar a direita ou mesmo a extrema-direita, continua o especialista.

Trata-se de uma dissolução sociológica da base do partido. Ele devia se apoiar na juventude, na igualdade e na diversidade. Mas hoje está tomado pelas brigas dos velhos “elefantes”.

Fica pouco do partido original. O desejo de romper com o capitalismo através da socialização dos meios de produção, da propriedade coletiva e da intervenção maciça do Estado na economia, pertence à sua história, não ao presente.

O anti-racismo se esgotou. Quem se lembra do emblemático SOS Racismo?

O anti-racismo se revelou ineficaz e ficou como pretexto para favorecer a carreira burocrática de militantes das causas anti-racistas.

Porém, o PS ainda conserva “toda uma casta de guardiões do templo para quem o menor questionamento equivale a um ataque contra o dogma”. E a imprensa ri dessa cegueira.

Os líderes partidários, os responsáveis locais, as associações cidadãs que engrossam a periferia partidária não são mais capazes de entender a sociedade e de conversar com ela.

O anti-racismo virou um dogma totalmente ineficaz contra o racismo e sucumbe diante dos espectros anti-semitas e antimuçulmanos, que crescem renovados.

O PS precisa se reinventar mas ninguém sabe como e o partido entrou em estado terminal.
O PS precisa se reinventar
mas ninguém sabe como e o partido entrou em estado terminal.
O governo ataca este e aquele intelectual, esquecendo-se de que a intelectualidade é um componente essencial da vida francesa, sobretudo nas esquerdas.

A independência de espírito e a liberdade de crítica estão encravadas na alma revolucionária desde o Iluminismo.

Mas quando algum intelectual se volta contra o partido, este o esmaga. E se suicida...

Os símbolos, a ideologia, as ideias, os militantes, os representantes eleitos, as redes sociais, isso formava o corpo do PS. Já não há mais nenhuma doutrina identificável no socialismo e as sedes do partido se esvaziam.

O partido nascido em Épinay está morto. E essas foram as suas causas. A atual estrutura do PS ainda boia, mas entrou em estado terminal sem sobressaltos. Sem um choque elétrico profundo não se vê como possa se reinventar, concluiu o pensador socialista.


segunda-feira, 3 de agosto de 2015

Alarme Sínodo: A Igreja do futuro (ou anti-Igreja) que prepara o Cardeal Marx

Cardeal-Marx-baculo




O Cardeal Reinhard Marx, [FOTO] presidente da Conferência Episcopal Alemã, concedeu no dia 22 de janeiro uma entrevista à revista “America”, dos jesuítas norte-americanos, na qual expressa suas esperanças em relação ao Sínodo da Família de outubro de 2015, bem como manifesta a sua visão da Igreja.

Dessa entrevista receberam especial destaque da mídia alemã as passagens referentes aos divorciados recasados e aos homossexuais.

Assim, o jornal “Süddeutsche Zeitung” publicou uma reportagem intitulada “Os homossexuais estão também dentro”, enquanto o “Nordbayerische Kurier” dava à sua matéria o título de “Marx a favor de uma via de reforma para os divorciados recasados”.


Esses temas são atualmente os mais importantes para os assim chamados católicos reformistas, que lutam por uma adaptação da doutrina da Igreja Católica às máximas do movimento de Maio de 1968 na França.

Contudo, na sua entrevista para a revista “America” [foto abaixo], o Cardeal Marx não se limitou de modo algum a esses temas, mas precisou e atualizou outras exigências do catolicismo reformista.

Com isso ele se coloca na cabeça de um movimento que, no máximo de cinco anos a esta parte, por ocasião dos escândalos de abusos sexuais, vem defendendo publicamente e de modo cada vez mais claro e ruidoso seus pontos de vista, segundo os quais a Igreja deveria arrasar drasticamente as suas estruturas, e o Magistério eclesiástico adaptar-se ao estilo de vida hodierno.

Cardeal-Marx-America

 

Cardeal Marx, um reformista

O assim chamado “Caso Tebartz van Elst” [sobrenome do bispo de Limburg, que foi demitido por ter renovado o palácio episcopal com gastos julgados excessivos pelo Papa Francisco, (embora muitos admitam que esse foi apenas um pretexto)] representou no ano passado uma ocasião propícia aos católicos liberais para a propaganda de sua agenda.

Supostamente para evitar no futuro “situações como as de Limburg”, seria preciso fazer agora uma nova definição do múnus episcopal e discutir pura e simplesmente o papel da Hierarquia eclesiástica.

Na verdade, trata-se de uma visão inteiramente nova do que é a Igreja, e que fica muito patente na entrevista do Cardeal Marx concedida à revista “America”. Assim ele se exprime: “A Igreja pode mostrar ao mundo que não é um instrumento para si mesma, mas que pode sê-lo para a unidade da nação e do mundo.”

Segundo Marx, a Igreja não deveria ser uma Igreja narcisista, uma Igreja do medo.

O Cardeal demonstra também compreensão para com as parcerias homossexuais, os “casamentos selvagens”, os divorciados recasados e as exigências de mudanças na doutrina dos sacramentos. Em qualquer caso, para ele não está claramente definido o que a Igreja Católica ensina em matéria de casamento e família.

Uma Igreja de leigos, não guardiã da verdade

O Cardeal Marx é a favor de uma desclericalização do poder na Cúria Romana. Desta forma os leigos deveriam assumir a direção de importantes secretarias, até mesmo a presidência de Conselhos, Congregações (portanto, dos ministérios vaticanos) e demais unidades administrativas. No âmbito dessas reformas estruturais, as mulheres deveriam ter a preferência.

Dever-se-ia afinal reconhecer que a “emancipação das mulheres” é um dos “sinais dos tempos”.

O Cardeal Marx apregoa uma igreja onde as fronteiras
entre o católico e o não-católico, entre a família e a anti-família,
entre a moralidade e imoralidade devem ser apagadas
A Igreja deveria agora levá-la adiante. (O conceito de “emancipação da mulher” provém do arsenal de conceitos da política social esquerdista e tem como fundamento a ideologia da luta de classes).

Nessas declarações fica claro que a Igreja não é vista pelos católicos reformistas liberais primariamente como guardiã da verdade, mas como local de encontro, onde se reúnem todos os homens, pouco importando o que eles são.

Para que isso possa dar certo, a Igreja precisa adaptar-se ao espírito do tempo e, tanto quanto possível, ter as fronteiras abertas.

As fronteiras entre o católico e o não-católico devem ser apagadas — porém não de modo tão radical que chegue a ameaçar a arrecadação do imposto eclesiástico. E, de novo, para consegui-lo, impõe-se uma debilitação do múnus sacerdotal e episcopal.

Numa Igreja assim, a verdade e a fidelidade ao Evangelho não podem estar no centro. Isso não é dito expressamente, porém é a consequência forçosa. Pois, para que a verdade possa estar armada contra contínuos ataques, ela precisa estar apoiada hierarquicamente no fundamento do sacramento da ordem.

Um tecido disforme, pós-estruturalista

Se este processo perdurar, ele dará lugar a um tecido de dioceses e paróquias sem delimitações territoriais fixas.

A decisão ficaria nas mãos de grêmios pseudo-democráticos e de figuras carismáticas que apresentam um estilo de vida não mais ligado a verdades de fé firmemente definidas.

A Igreja teria então uma aparência análoga à da sociedade utópica pós-estruturalista sonhada pelos revolucionários de 1968.

domingo, 26 de julho de 2015

Templo Satânico pede aborto em nome de ‘liberdade religiosa’ para o culto de Satanás

Estátua que grupos satanistas querem instalar
diante do Legislativo de Oklahoma,
perto de monumento ao 10 Mandamentos. É liberdade religiosa?



A militante feminista Amanda Marcotte achou contraproducente que uma seita satanista desafie as limitações ao aborto em nome da liberdade religiosa.

Ela alertou que se os luciferinos ideologicamente próximos dela obtiverem o que desejam, os conservadores tirarão proveito amanhã para restringir mais o aborto apelando para a liberdade religiosa, comentou a National Review.

O grupo luciferino Satanic Temple exigiu que uma clínica de aborto lhe fizesse uma exceção religiosa.

Amanda Marcotte não tem nada contra os satanistas. Para ela o aborto é uma questão de direito humano, e não de religião. Mas se, em nome da liberdade religiosa, os satanistas obtiverem um benefício para cultuar o príncipe dos infernos, amanhã os conservadores virão com mais argumentos religiosos contra o aborto.

Nesse sentido a extremista Amanda faz parte daqueles que omitem ou negam a essência religiosa do problema do aborto, e não querem tratar desse fundo religioso.

O fundo religioso é manifesto, pois o aborto é assassinato condenado pelo V Mandamento: “Não matarás”. E se a luta pela vida for colocada nos trilhos religiosos que lhe são próprios, ganhará uma força que poderá ser decisiva.

domingo, 19 de julho de 2015

“Charlie”: brincadeira enganosa atrai demônios difíceis de exorcizar

Padre Gabriele Amorth, exorcista oficial da diocese de Roma
Padre Gabriele Amorth, exorcista oficial da diocese de Roma



Adolescentes precisaram ser socorridos em macas, tiveram desmaios e vômitos em cinco escolas de Manaus, devido a uma pseudo-brincadeira de “invocação de espíritos”, noticiou a Folha de S.Paulo.

O caso ocorreu com estudantes de 12 a 14 anos e envolveu o Conselho Tutelar e a Secretaria da Educação.

O ritual para “conversar” com espíritos é ensinado em diversos vídeos na internet. Apresenta-se enganadoramente como mais um entretenimento em que os jovens invocam um certo “Charlie”.

Esse responderia com as palavras “sim” e “não”, escritas numa lousa ou papel. Dois lápis, em forma de cruz, giram apontando a resposta do mundo oculto.

Há adolescentes que disseram ver demônios quando invocaram espíritos malignos ou defuntos, e até acham que esses espíritos tomaram conta das escolas.

Por isso, muitos alunos de Manaus, traumatizados, deixaram de ir às aulas na escola José Carlos Mestrinho.

Houve casos semelhantes em outras quatro escolas, segundo a Secretaria da Educação e o Conselho Tutelar.
“Vi amigas vomitando e com muita tontura. Eu só fiquei com tontura, mas foi muito assustador”, disse a aluna Maria (nome fictício), 13.

domingo, 12 de julho de 2015

Impor limites evita filhos sociopatas

Pamela Druckerman: as crianças francesas saem na frente porque os pais lhes impõem limites desde a infância
Pamela Druckerman: as crianças francesas saem na frente
porque os pais lhes impõem limites desde a infância



A jornalista americana Pamela Druckerman observou que as crianças francesas não fazem manha. E isso porque os pais sabem lhes impor limites desde a infância.

O médico Cláudio Domênico, que coordenou o último Encontro O Globo Saúde e Bem-Estar, com o tema Como estabelecer limites para ter filhos saudáveis, observou que “essa educação sem limites cria sociopatas e jovens com problemas de relacionamento social”, segundo noticiou O Globo (12/04/2015).

Domênico acredita que hoje muitos pais delegam a criação dos filhos à escola. Ele sublinhou “a importância da família na construção da saúde emocional das crianças” e que “as crianças reclamam, mas gostam de limites preestabelecidos”.

O psiquiatra Fábio Barbirato, chefe do serviço de Psiquiatria da Infância e Adolescência da Santa Casa de Misericórdia do Rio, demonstrou cientificamente que dizer “não” aos filhos é difícil, mas dizer “sim” o tempo todo pode transformar uma criança mimada em um adulto sem autonomia, eternamente dependente dos pais.

quarta-feira, 1 de julho de 2015

Jihad islâmica até em escolinha italiana?

A polícia italiana está sendo convocada com crescente frequência para intervir nos atritos religiosos provocados por imigrantes islâmicos.
A polícia italiana está sendo convocada com crescente frequência
para intervir nos atritos religiosos provocados por imigrantes islâmicos.



Em 14 de maio, na cidade de Terni, um menino muçulmano de 12 anos de idade socou repetidamente no peito uma colega de aula porque ela levava um crucifixo no pescoço.

A menina teve que ser hospitalizada com hematomas no tórax, guardar 20 dias de repouso médico, e não quer voltar à escola por medo de seu agressor, noticiou Infocatólica.

O provocador, chegado há apenas um mês do Senegal, parecia estar executando já a intifada (revolta), ou sua jihad (guerra santa). Ele é inimputável por causa da idade, mas sua conduta reflete o ambiente que reina nos centros de acolhida imprudentemente instalados por organizações católicas em toda Itália.

Poucas semanas atrás, 15 muçulmanos do Senegal e da Costa do Marfim foram presos em Palermo pelo assassinato de quinze cristãos com os quais emigravam rumo à Europa numa barca inflável que saiu da Líbia. As vítimas foram mortas por rezarem orações cristãs durante uma tempestade em alta mar.

segunda-feira, 22 de junho de 2015

Radicalismo verde na encíclica Laudato Si gera aflição
Declaração de Voice of the Family

Lançamento da encíclica Laudato Si', Vaticano, 18 de junho de 2015
Lançamento da encíclica Laudato Si', Vaticano, 18 de junho de 2015



ROMA, 18 de junho de 2015 – A coalizão internacional Voice of the Family está profundamente preocupada pela ausência, na encíclica Laudato Si, de qualquer reafirmação do ensinamento da Igreja contra a concepção e pela procriação como fim primeiro do ato sexual.

A encíclica publicada nesta manhã afirma oportunamente que “a defesa da natureza não é compatível .... com a justificação do aborto” (no 120) e “que o crescimento demográfico é plenamente compatível com um desenvolvimento integral e solidário” (no 50).

Contudo, a omissão de qualquer referência ao ensinamento da Igreja sobre a contracepção deixa os católicos despreparados para resistir ao programa internacional de controle da população.

quarta-feira, 17 de junho de 2015

Europa, pepineira de soldados da guerra santa do islã !

Três jihadistas franceses conclamam os muçulmanos na França para irem lutar na Síria,
em vídeo de propaganda do Estado Islâmico.



O jornal parisiense Le Figaro calculou que cerca de 1.600 franceses estão engajados nas fileiras da guerra santa islâmica e que mais de 100 deles já foram mortos.

Os mais recentes casos seriam dois adolescentes de 12 e 14 anos, que partiram para o Oriente há dois anos junto com a mãe, originária da região de Toulouse.

A jihad (guerra santa islâmica) em princípio é uma guerra divinamente enlouquecida e sem retorno. Os 100 islamitas que partiram da Franca e perderam a vida na Síria ou no Iraque foram recenseados pelos serviços antiterroristas gauleses.