quarta-feira, 16 de julho de 2014

“Casamento homossexual” é “sacramento” luciferino, diz porta-voz do “Templo Satânico” nos EUA

Sempre que o povo americano tentar conter o aborto ou manter leis do casamento tradicional, os seguidores de Satanás vão estar lá para se opor, prometeu o porta-voz nacional do Templo Satânico, segundo informação da agência “LifeSiteNews”.

Templo Satânico ganhou notoriedade pela tentativa de realizar uma ‘Missa Negra’ na Universidade de Harvard que foi repelida pelos estudantes católicos.  

Confira: Tentativa de “missa negra satânica” em Harvard. Estudantes reparam ofensa ao Corpo de Cristo

O porta-voz Lucien Greaves, cujo nome de nascimento é Doug Mesner, disse para o jornal ‘Metro Times’ de Detroit que ele gostaria de ajudar as mulheres a não cumprir as leis pela vida.

Segundo ele, as restrições ao aborto violam as crenças religiosas satânicas e o “casamento” homossexual é um “sacramento” da religião diabólica.

Ele acrescentou que o objetivo atual do Templo Satânico é ter lobistas em Washington D.C., para passar leis que amparem a “religião de Satanás”.

Ele atacou o governador de Michigan, Rick Snyder, porque “vem tentando tornar insustentável para as mulheres a interrupção da gravidez”.

“Nós sentimos que devemos proteger com isenção religiosa as mulheres de procedimentos supérfluos, como o ultrassom transvaginal”, disse Greaves explicitando a “religião luciferina”.

Greaves defendeu ainda que longe de serem adolescentes antissociais e arruaceiros, seus seguidores luciferianos são “satanistas de mente cívica e socialmente responsáveis”.

“Uma das coisas com que fortemente nos importamos é o direito dos homossexuais”, disse Greaves.

“Para nós, acrescentou, o casamento [homossexual] é um sacramento. Nós o reconhecemos, e achamos que o Estado teria que reconhecer o casamento por motivos de liberdade religiosa”.

Em sentido oposto reagiu Adam Cassandra, gerente de comunicações da Human Life International.

Ele disse a LifeSiteNews que a postura do Templo Satânico sobre o aborto e a redefinição do casamento “talvez sustente a posição de muitos no movimento pela vida de que os ataques à vida humana inocente e à família são demoníacos em sua origem”.

“Mesmo que advoguem por ‘justiça’ e ‘direitos’, eles se identificam com aquele que tem sido a fonte de todos os males e os enganos ao longo da história humana”.

Defensores da vida vinham notando que em manifestações públicas, alguns progressistas liberais invocavam forças demoníacas em seus esforços de lobby por esse ou aquele projeto.

Em julho de 2013, um grupo de apoiadores do aborto gritava “Ave Satã!”, enquanto pró-vida cristãos cantavam “Amazing Grace” na assembleia do Texas, antes da aprovação da proibição desse Estado dos abortos após 20 semanas.

Mas se a conclusão de que uma religião luciferina animava o massacre dos inocentes parecia abusiva, agora ela se torna muito mais plausível e ate difícil de não perceber.

“Este lance do Templo Satânico torna simplesmente mais forte o argumento de que há alguma tramoia ou mal por trás do ataque mundial à vida por nascer e ao casamento”, disse Cassandra para LifeSiteNews.

quarta-feira, 9 de julho de 2014

Miséria de pesadelo nos hospitais venezuelanos

Hospital Pérez Carreño, Caracas, com crise de insumos
Hospital Pérez Carreño, Caracas, com crise de insumos

Os hospitais privados venezuelanos estão entrando no apavorador esquema dos hospitais cubanos.

Para os cidadãos, inclusive os que têm seguro médico, o pesadelo virou realidade, escreveu “El País” de Madri.


Profissionais da saúde pedem insumos e medicamentos
Profissionais da saúde pedem insumos e medicamentos
A carência de insumos médicos básicos derrubou a qualidade do atendimento.

E os hospitais privados são a última esperança, pois os públicos já estão numa ruína calamitosa, como seus congêneres da ilha-prisão.

Nos centros assistenciais do Estado, as cirurgias de feridos em acidentes de trânsito podem ser adiadas por vários meses, devido à falta de elementos.

Enfermeira mostra estado do colchão, Hospital Central de Maracay
Nos Prontos Socorros, os pacientes aguardam horas a fio por falta de médicos – apesar das dezenas de milhares de “médicos” cubanos importados – e carência de material para emergências.

Os médicos jovens recém-formados só têm uma saída: o aeroporto rumo ao exterior.

A ‘Asociación Venezolana de Distribuidores de Equipos Médicos, Odontológicos, de Laboratorios y Afines’ denunciou o aumento de amputações de membros inferiores em clínicas e hospitais por falta de stents periféricos, que dilatam as artérias a fim de normalizar o fluxo do sangue para as pernas e os pés.

Cristino García, diretor da ‘Asociación Venezolana de Clínicas y Hospitales’, confirmou que pela falta de insumos, estão sendo adiadas intervenções como implantes cocleares (que permitem recuperar a audição, especialmente de crianças), válvulas cardíacas, stents coronários e outros, forçando os médicos a aplicar métodos de 20 anos atrás.

Em 2014, de 239 insumos, fármacos e equipamentos médicos de uso quotidiano, 200 estavam esgotados no país e o resto só se localizava com muita dificuldade.

Os fornecedores não podem importar porque o governo não lhes permite comprar dólares.

Os sindicatos da medicina privada calculam que o Estado deve aos importadores de equipamentos médicos por volta de 1,3 bilhões de dólares, dívida acumulada desde 2012.

Pacientes pedem cirurgias e hospitalização logo
O ‘socialismo do século XXI’, falido por fanatismo ideológico, pretexta que houve fuga de dólares com importações fictícias e por isso não libera moeda estrangeira.

Ademais, ele se assanha contra o setor privado, investigando suas operações com prejudicial excesso de minúcia e má vontade.

A inflação no setor de serviços hospitalares atingiu 12,3% até março deste ano, superando a altíssima média nacional de 9.8% no mesmo período.


Pacientes do Hospital de Coche protestam pela falta de insumos
Pacientes do Hospital de Coche protestam pela falta de insumos
A planificação socialista regula os preços que os hospitais privados podem cobrar.

García afirma que 83% dos filiados encerraram 2013 com os números no vermelho.

A sovietização do Brasil prevista no Decreto presidencial nº 8.243, editado pela Presidência da República no dia 23 de maio p.p., poderá empurrar o sistema de saúde rumo ao regime miserável de Cuba, que agora está sendo imitado na Venezuela.


quarta-feira, 2 de julho de 2014

Culto satanista na UFF apoiado por professores

"El Aquelarre" (A festa das bruxas), Francisco de Goya (1746 -1828) Por razões morais não publicamos fotos do evento descrito no post.
"El Aquelarre" (A festa das bruxas), Francisco de Goya (1746 -1828)
Por razões morais não publicamos fotos do evento descrito no post.
Professores e alunos da Universidade Federal Fluminense (UFF) protagonizaram uma “festa demoníaca” com caraterísticas de culto, na unidade de Rio das Ostras, RJ.

Satanás foi reverenciado representado por um crânio humano, com rituais satânicos, orgias sexuais, drogas e palavras de ordens ligadas ao feminismo.

O encontro diabólico de obsceno nome foi apresentado como “Festa de confraternização do Seminário Corpo e Resistência e – 2° Seminário de Investigação & Criação do Grupo de Pesquisas/CNPq Cultura e Cidade Contemporânea”.

Segundo o jornal “O Povo”, as fotografias da “festa” postadas em redes sociais mostram cenas que parecem extraídas de um filme de terror: mulheres nuas se cortando umas às outras, como prescrevem os rituais satânicos, e com muita bebida e droga no entorno.

Segundo um aluno citado pelo Portal G1 (Região dos Lagos), “a festa ocorreu ao lado do prédio novo chamado multiuso. O diretor do polo permitiu o armazenamento de bebidas dentro da universidade. O uso de drogas é praticamente liberado. Precisamos de uma intervenção urgente”, disse. A testemunha não quis se identificar, temendo represálias.

A página da festa satânica no Facebook defende com linguagem soez e incongruente que “o diabo precisa deixar de ser demonizado”. A página foi publicada no perfil Jokasta Bom Peixoto.

O blog ‘Faca na Caveira’ reproduz declaração de uma pessoa que se identifica como professora visitante da UERJ e que agradece à organizadora da festa pelo “acontecimento estético”.

O site Cantares.net menciona a foto de uma mulher com sua genitália costurada, e diz que o crânio humano foi usado num ritual de magia negra.

Nas fotos, os jovens nus que sofreram cortes em suas partes pudendas se exibem, excitados e sujos de sangue.

O reitor da UFF, Roberto Salles, informou à G1 que foi aberta uma sindicância, e que proibiu os diretores do polo de se pronunciarem sobre as festas que acontecem na instituição.

Porém, o colegiado do curso de Produção Cultural da Universidade Federal Fluminense emitiu uma nota pública de apoio aos envolvidos no evento satanista.

"Saturno devorando a su hijo", Francisco de Goya (1746 -1828) A era do laicismo tende a legalizar costumes pagãos que causam horror.
"Saturno devorando a su hijo", Francisco de Goya (1746 -1828)
A era do laicismo tende a legalizar costumes pagãos que causam horror.

O Portal G1 reproduziu a íntegra dessa nota, que qualifica o ato sadomasoquista de “confraternização”.

“Causa-nos espanto o grau de estranheza e criminalização com o qual tanto a performance da artista Raissa Vitral, quanto a própria universidade foram tratadas nos últimos dias”, diz.

“Queremos aqui repudiar a forma como alunos e professores do Pólo Universitário de Rio das Ostras vêm sendo tratados nestes dias. ... é inadmissível qualquer tratamento que coloque em suspenso a liberdade de expressão, de pensamento, de manifestação artístico-cultural, dentre outros direitos fundamentais garantidos pela Constituição, de nossos alunos, professores e demais funcionários”.

Desta maneira, as práticas satânicas vão sendo reivindicadas como constitucionais em pleno auge de laicismo anticristão.

Poderá não tardar o dia em que “ministros” de alguma “igreja de Satanás” participem ostensivamente de sessões ecumênicas e também que seja apresentado algum projeto de lei “antissatanofóbico”.


quarta-feira, 25 de junho de 2014

Socialismo veta sala de arte cristã no Louvre

Entrada do Museu do Louvre, Paris
Entrada do Museu do Louvre, Paris

O famoso Museu do Louvre, em Paris, prometera dedicar “um novo departamento à arte dos cristãos do Oriente, do Império bizantino e dos eslavos”.

Porém, a promessa fora feita por um governo anterior, em janeiro de 2010, noticiou “Vatican Insider”.

Na ocasião, o presidente do museu parisiense, Henri Loyrette, agendou a iniciativa e determinou o espaço a ser utilizado.

“Vai ocupar mil metros quadrados que estão disponíveis nas salas do departamento de arte islâmica (que por sinal foi transferido em 2012 para um novo espaço no Museu) e poderá ser visitada a partir de 2014”, explicou então.

Mas, com a ascensão do governo socialista, em 2014 o projeto foi completamente cancelado com um golpe de caneta da nova direção do Louvre por imposição do Ministério da Cultura de François Hollande.

O imperador Justiniano triunfante. Diptico Barberini, Museu do Louvre, detalhe
O imperador Justiniano triunfante.
Diptico Barberini, Museu do Louvre, detalhe
A professora Marie-Hélène Rutschowscaya – uma das maiores especialistas em tesouros culturais do cristianismo de Oriente – denunciou a decisão anticristã em carta aberta no jornal “La Croix”.

Ela explicou que as autoridades socialistas pretextaram dedicar os espaços reservados ao cristianismo para acolher estudantes que visitam o Museu.

Assim, ficou arquivado nos depósitos o importante patrimônio proveniente do cristianismo do Oriente que o Museu possui para ser exposto.

Algumas joias estão espalhadas em outras salas e outra parte depositada num porão.

O novo presidente do Louvre, Jean-Luc Martinez, tentou justificar a decisão anticristã para o jornal “La Croix”, alegando problemas burocráticos.

Para a professora Rutschowscaya, a verdadeira razão é o preconceito ideológico laicista da administração do socialista Hollande.


quarta-feira, 18 de junho de 2014

Robô-jornalismo esvaziará jornais e sites de valor intelectual ou humano

Robô-jornalismo afastará leitores dos jornais
Robô-jornalismo afastará leitores dos jornais
Um robô foi o redator da primeira notícia sobre um dos terremotos leves do mês de março de 2014 na Califórnia. O jornalista Ken Schwencke, do Los Angeles Times, acordou com o tremor, pulou da cama e encontrou em seu computador a matéria já escrita e aguardando autorização para ser posta no ar.

Assim, o site de seu jornal foi o primeiro a informar sobre o tremor. “Eu calculo que todo o processo demorou três minutos”, disse Schwencke.

O autor do artigo foi um algoritmo apelidado Quakebot, desenvolvido pelo jornalista. Schwencke reproduziu o artigo de seu Frankenstein eletrônico, mas reconheceu que não merecia o Prêmio Pulitzer pelas suas imperfeições. Porém, polido 71 vezes por jornalistas de carne e osso, saiu na primeira página do jornal impresso.

Quakebot não é o primeiro ensaio. O chamado robô-jornalismo é tido como uma ameaça ao jornalismo humano, pois implica a redução de empregos de homens dotados de inteligência.

O jornalismo-robô ainda poderá ser melhorado. Segundo o site Slate, embora os leitores do Los Angeles Times, não vão ler logo na assinatura: “este artigo foi escrito por um algoritmo”, a tendência vai nesse sentido na imprensa escrita e na Internet.

Não é de espantar que jornais e órgãos profissionais de informação estejam cada vez mais desertados de leitores que julgam encontrar informações “pré-fabricadas” e sem alma, além de, em não poucos, um viés esquerdizante.

E que os leitores procurem cada vez mais blogs e sites redigidos por pessoas com alma, paixão, interesse pela matéria, talento, estilo ou gostos definidos, exclusivos do homem criado à imagem e semelhança de Deus.


quarta-feira, 11 de junho de 2014

Cardeal de Viena elogia ‘drag queen’ e horroriza católicos austríacos

Sem palavras
Viena ainda não saiu do estupor pelas escandalosas declarações de seu Cardeal-arcebispo Christoph Schönborn, felicitando o cantor travesti Thomas Neuwirth pelo seu triunfo no festival Eurovisão representando a Áustria, divulgou a agência “InfoCatólica”.

O Cardeal escreveu na sua coluna semanal no pasquim “Heute”, a folha de maior tiragem da cidade:

“Alegro-me muito com Thomas Neuwirth, que teve tanto êxito em sua atuação como (nomes maliciosos dos órgãos genitais feminino e masculino).

“No multicolorido jardim de Deus há uma variedade de cores. Não todos os que nasceram seres masculinos se sentem homens, e a mesma coisa do lado feminino”, disse o Cardeal, numa frase que soou como aceitação da “ideologia de gênero”.

O Cardeal, que se destacou outras vezes pela sua intolerância face aos católicos que defendem a moral tradicional, elogiou o “drag queen” por fazer a apologia da “tolerância”. “Rezo para que sua vida seja abençoada”, concluiu o arcebispo desse prestigiosa sé episcopal.

O efeito político anticristão de tais declarações foi evidente. Enquanto a Prefeitura de Viena anunciou que promoverá iniciativas anti-homofobia, os “verdes” e os socialdemocratas retomaram projetos para ampliar as concessões à agenda homossexual, segundo registrou o site “Vatican insider”

Figuras teoricamente opostas como o chefe de governo, o socialdemocrata Werner Faymann, o ministro da Cultura, figuras do esporte e da música, e até o líder da “extrema direita” pró-Putin, Heinz-Christian Strache, receberam o símbolo da agenda LGBT ou lhe desejaram boa sorte.


segunda-feira, 2 de junho de 2014

Mãe sudanesa condenada à forca por casar com cristão

Meriam foi condenada à forca por casar com um cristão
Meriam foi condenada à forca por casar com um cristão
A justiça islâmica no Sudão condenou Meriam Yehya Ibrahim Ishag à morte por enforcamento, acusada de apostasia por se afastar do Islã para se casar com um cristão, informou a BBC.

Meriam diz que sempre foi cristã, mas para a justiça islâmica basta que uma simples testemunha faça a denúncia. O julgamento é sumário e imediata a execução. Máxime no delito de apostasia, quando o acusado só tem direito de defesa após a execução.

Meriam está grávida de oito meses e ganhou uma “tolerância”: “Demos a você três dias para se retratar, mas você insiste em não voltar para o Islã. Sentencio você à morte pela forca”, sentenciou o juiz.

Porém, como ela aguarda uma criança, a sentença só será executada dois anos após o nascimento do bebê.

Além da pena de morte, Meriam receberá 100 chibatadas por ordem do juiz. O sofisma é que o casamento com cristão não é válido para a lei islâmica – a qual admite até o “casamento temporário” por algumas horas para encobrir a prostituição.

As chibatadas cairão sobre Meriam tão logo ela se recupere do parto.

As embaixadas dos Estados Unidos, Canadá, Grã-Bretanha e Holanda divulgaram uma declaração conjunta na qual afirmaram que os países estavam muito preocupados com o caso e pediram que o governo do Sudão respeite a liberdade de religião.

O mesmo fizeram grupos de defesa de direitos humanos. A Anistia Internacional condenou a decisão e afirmou que a sentença é “espantosa e repugnante”.

A escavidaã é praticada de longa data no Sudão pelos islâmicos que cumprem os ensinamentos do Corão
A escavidaã é praticada de longa data no Sudão
pelos islâmicos que cumprem os ensinamentos do Corão
Também informou que a sudanesa foi presa e acusada de adultério em agosto de 2013, e que a Justiça adicionou a acusação de sua apostasia em fevereiro de 2014, quando Meriam disse que era cristã.

“O fato de uma mulher ter sido sentenciada à morte por sua escolha religiosa, e a chibatadas por adultério, pelo fato de ser casada com um homem que supostamente tem outra religião, é espantoso e repugnante”, disse Manar Idriss, especialista em Sudão.

A pressão internacional suscitou a esperança de uma libertação da mãe cristã. Porém, o governo islâmico negou toda perspectiva de moderação das cruéis penas.

Mas se depender do ecumenismo de fonte cristã ou católica ocidental, Meriam está perdida. Não receberá sequer um telefonema por celular dizendo que ela está agindo bem. Mas Jesus Cristo premia seus mártires com uma coroa que os mundanos são incapazes de oferecer.


quarta-feira, 28 de maio de 2014

Cristianofobia na capital da Áustria

Igreja de São Carlos Borromeu (Karlskirche) em Viena
Igreja de São Carlos Borromeu (Karlskirche) em Viena

A bela Igreja de São Carlos Borromeu (Karlskirche), em Viena, foi vandalizada neste último domingo (25-5-14), certamente por ódio à Fé Católica.

Em estilo barroco vienense, a construção da Karlskirche foi ordenada pelo Imperador Carlos VI de Habsburgo (1685-1740), em cumprimento de sua promessa pela erradicação da Peste Negra que atingira a capital austríaca em 1713.

Como se pode notar (foto ao lado), a imagem do Anjo na entrada da Igreja foi gravemente pichada, assim como algumas paredes, atingidas por baldes de tinta.

Se católicos praticassem algo semelhante contra alguma mesquita, todo o mundo muçulmano com certeza se levantaria, exigindo vingança.

Imagem profanada na entrada da igreja
Imagem profanada na entrada da igreja
E nós católicos? Ao menos nos indignamos contra essa agressão a uma igreja católica? Precisamos despertar as boas reações de alma. A santa indignação é uma delas!

Este caso de CATOLICOFOBIA na Áustria é apenas um exemplo, pois em outras cidades têm ocorrido atos semelhantes, inclusive igrejas católicas sendo incendiadas.

Lembremo-nos que em duas ocasiões de seu glorioso passado — uma no século XVI e outra no século XVII — a Áustria teve sua capital cercada pelas forças do Islã, só não sendo subjugada porque as forças católicas resistiram heroicamente.

Atualmente, com a verdadeira invasão de imigrantes muçulmanos, provenientes sobretudo da Turquia, uma nova e grave ameaça paira sobre a Cristandade. Conforme declarações de alguns chefes muçulmanos, dia virá em que o Islã transformará as igrejas católicas em estábulos para seus cavalos.

Um desses chefes, o ex-presidente do Egito Gamal Abdel Nasser, ameaçou em 1962: “O Crescente arrastou a Cruz na lama… Só uma cavalgada muçulmana é que nos poderá restituir a glória de outrora. Essa glória não será reconquistada senão quando os cavaleiros de Alá tiverem pisoteado São Pedro de Roma e Notre Dame de Paris”. (“Nouvelles de Chrétienté”, nº 362, de 13-9-1962).

Sequestros e crucifixões de cristãos:
crimes que o ecumenismo finge não olhar

Moças cristãs sequestradas exibidas pelos fiéis seguidores do Alcorão
Moças cristãs sequestradas exibidas pelos fiéis seguidores do Alcorão

O mundo civilizado não saiu ainda do estupor provocado pelo sequestro de quase trezentas moças e meninas cristãs nigerianas pelos muçulmanos fundamentalistas do movimento Boko Haram, noticiaram os grandes órgãos da imprensa mundial como “Le Figaro” de Paris.

E, entretanto, era para o Ocidente ter sabido antes! Pois o que está acontecendo está escrito e ordenado no Corão, mas fica oculto aos católicos pela influência de um falso ecumenismo.

O chefe desse grupo fundamentalista, Abubakar Shekau, que se apresenta como inteiramente coerente com os ensinamentos do Corão, declarou num vídeo de 57 minutos:

“Eu sequestrei vossas filhas. Vou vendê-las no mercado de escravos em nome de Alá”.

Ele acrescentou também o torpe propósito de manter certo número delas como escravas, enquanto não estiverem “casadas” – obviamente à força com algum membro ou simpatizante do grupo corânico.

Um certo número de moças e meninas entre 12 e 17 anos já teriam sido vendidas em países vizinhos por dez dólares a unidade. Algumas conseguiram fugir e relataram ter sido objeto de sucessivos estupros.

Chefe e membros do grupo sequestrador executam o Alcorão lido com 'sinceridade'
Chefe e membros do grupo sequestrador executam o Alcorão lido com 'sinceridade'
Outras três teriam falecido em condições desconhecidas, talvez tentando escapar, e mais outras oito estariam doentes.

O adepto irrestrito do Corão divulgou também fotos de várias meninas sequestradas, as quais foram reconhecidas pelos pais.

Sempre ameaçador e colado aos preceitos do Corão, Abubakar acrescentou: “Eu já havia dito que a educação ocidental tinha que acabar. As meninas devem deixar a escola e se casar”.

O Boko Haram reconheceu recentemente dois atentados com carros bomba em Abuja, capital da Nigéria, que mataram perto de cem pessoas. Desde janeiro, a guerra que o grupo promove no norte do país, especialmente no estado de Borno, deixou mais de 1.500 mortos.

O sequestro coletivo das infelizes e indefesas crianças provocou manifestações de rua e nas redes sociais pela sua libertação. Até Michelle Obama, mulher do presidente dos EUA, participou do movimento. Os EUA prometeram enviar especialistas e equipamentos de espionagem, inclusive drones à região trabalhada pelos islamitas.

Também estão em atividade ofensivas militares nigerianas, tendo o presidente Goodluck Jonathan pedido ajuda dos EUA, da Grã-Bretanha e da França, além dos países vizinhos como Camarões e Chade, passando por cima do espírito de independência nacional.

A agência “All Africa” noticiou que a Christian Association of Nigeria (CAN) publicou uma lista com os nomes de 180 meninas raptadas. E explicou que o atentado contra os cristãos – que constituem 90% da população da região – foi premeditado.

As moças sequestradas poderão ser vendidas como escravas em obediência ao Corão
As moças sequestradas poderão ser vendidas como escravas em obediência ao Corão
O pastor protestante Mathew Owojaiye condenou o ato como sendo “o auge da abominação” e convidou a “elevar lamentações até o mais alto dos Céus”. Infelizmente, dos meios católicos nacionais e internacionais, em particular da Santa Sé, não chegaram apelos religiosos proporcionados.

O consumo de drogas é habitual nesse grupo islâmico e em outros do gênero, sendo fato corrente eles atacarem pesadamente entorpecidos.

Esse atroz crime coletivo levanta a questão da sinceridade do ecumenismo com o Islã. De fato, o mundo vem sendo enganado a respeito dos ensinamentos de Maomé.

Esse engano de fundo ecumênico vem da ideia totalmente falsa de que haveria um Islã bom e pacífico que seria pregado com uma autêntica leitura do Alcorão. Depois haveria alguns fanáticos que são caso de polícia e não representam o verdadeiro islamismo.

Esta distinção não poderia ser mais falaciosa e, neste caso, criminosa. O Alcorão é a fonte ideológica de crimes como o padecido pelas meninas nigerianas.


O QUE DIZ O ALCORÃO SOBRE OS CRISTÃOS:

Em numerosos de seus versículos, ele fulmina os que acreditam na Santíssima Trindade e na divindade de Nosso Senhor Jesus Cristo como “ímpios”, “idólatras” e “blasfemos” que devem ser reduzidos a um estado de humilhação – a dhimma – ou exterminados:

“Sim, aqueles que dizem: ‘Deus é o terceiro de três’ são ímpios (...) Se não renunciarem ao que dizem, um terrível castigo cairá sobre eles” (V, 73);

Encontro ecumênico cristão-islãmico na Irlanda, 16-01-2013
Encontro ecumênico cristão-islãmico na Irlanda, 16-01-2013
“Sim, aqueles que dizem ‘Deus é o Messias, filho de Maria’, são ímpios” (V, 72);

“Combatei contra aqueles que não acreditam em Alá, que julgam lícito aquilo que Alá e seu profeta declararam ilícito, assim como contra aqueles dos povos do Livro’ que não praticam a religião verdadeira, até que paguem o tributo, humilhados e com suas próprias mãos” (IX, 29);

“Combatei-os (...) até que não exista outra religião senão a de Alá” (VIII, 39);

“Fazei-os prisioneiros! Sitiai-os! Armai emboscadas contra eles!” (IX, 5);

“Nenhum profeta pôde fazer prisioneiros sem antes ter praticado massacres na terra” (VIII, 67);

“Não afrouxeis e não pedi a paz enquanto sejais os mais fortes” (XLVII, 35).


quarta-feira, 21 de maio de 2014

Venezuela: falta até farinha e vinho para as Missas

Falta farinha até para fazer as hóstias para a Missa.
Falta farinha até para fazer as hóstias para a Missa.
Há vários meses falta na Venezuela farinha de trigo até para as religiosas que fazem as hóstias destinadas à consagração nas Missas. A crise atingiu de cheio a Semana Santa.

A falta de farinha para as hóstias é um reflexo revelador do extremo de carência em que caiu um dos países mais ricos do continente sob a ditadura socialista.

Na Casa Madre das Servas de Jesus, em Caracas, a irmã Maria Rosa explicou ao jornal “El Nacional” que a falta de farinha é no país todo, razão pela qual as paróquias do interior vão até a capital para conseguir as hóstias.

Andreína Rivas, da igreja de Montalbán, em Caracas, contou que na sua paróquia o padres “têm que dividir a Sagrada Eucaristia no momento da Comunhão para que todos os fiéis possam recebê-La”.

Também falta o vinho de Missa, indispensável para haver consagração. O Pe. Marcos Sánchez, da capela do Colégio Tirso de Molina, informou ter comprado há dois meses duas caixas desse vinho especial e que o fabricante lhe disse que era o último a ser produzido.

Nem vinho para a Consagração se encontra
Nem vinho para a Consagração se encontra
A Conferência Episcopal Venezuelana autorizou a importação de vinho de Missa, mas o governo multiplica os controles, restrições e desvios de alimentos importados.

Na Semana Santa venezuelana, os devotos de Jesus Nazareno costumam depositar em gesto religioso um orquídea roxa aos pés dessa imagem de Nosso Senhor Jesus Cristo, cuja Paixão e Morte se comemora nesses dias.

Porém, até a prezada flor faltou nas respectivas bancas de venda. Muitos fiéis estão cultivando essa orquídea em suas casas.

A implantação do ateísmo e a generalização da miséria andam de mãos dadas, enquanto o socialismo avança rumo ao inferno cubano.


segunda-feira, 19 de maio de 2014

Tentativa de “missa negra satânica” em Harvard.
Estudantes reparam ofensa ao Corpo de Cristo

Convite missa negra satânica
A encenação de uma “missa negra satânica” havia sido agendada para segunda-feira, 12 de maio, véspera da festa de Nossa Senhora de Fátima, na prestigiosa Universidade de Harvard, nos EUA.

A “missa negra” é um culto satânico com blasfêmias e sacrilégios, que faz as vezes de uma paródia da Missa católica. Muitas orações são invertidas para exprimir o contrário do rito católico e cultuar Lúcifer, informou o “Boston Globe”.

O satânico ritual foi aprovado pelo Harvard Extension Cultural Studies Club e deveria ser executado pelo grupo “Satanic Temple”, de Nova York. O responsável por esse grupo declarou que não seriam usadas hóstias consagradas, como é o sacrílego costume, segundo informou a CNSNews.

A tentativa de amortecer as reações incluía a “explicação” de que essa “missa negra” seria apenas uma manifestação de independência em relação à autoridade da Igreja, quando na realidade trata-se de cultuar a revolta de Satanás contra o Sacrifício Redentor da Cruz, renovado em toda Missa autenticamente católica.

Afastando quaisquer dúvidas, Lucien Greaves, porta-voz do grupo satanista, explicou o que eles fazem:

“Nós pegamos um pedaço de ‘pão mágico’ que é realmente a carne de Cristo. Nós o escarnecemos sem mercê e nas canções dizemos para ele que já era, e que nós detestamos o sabor de sua carne. Após o deixarmos suficientemente intimidado e fora de combate, alguns representantes da agenda homossexual esfregam todo o seu homossexualismo sobre a Bíblia até Deus chorar. Esse é o momento em que Satanás aparece, e todo o mundo vira a garrafa”.

Procissão Eucarística reparadora começou no Massachusetts Institute of Technology
Procissão Eucarística reparadora
começou no Massachusetts Institute of Technology
Greaves acrescentou ainda que eles se inspiram num relato do século XIX feito pelo escritor Huysmans no livro Là-bas, e outros elementos provêm de sabbaths de bruxas.

De fato, o escritor Joris-Karl Huysmans (1848-1907) narra nesse livro ter assistido a uma “missa negra” na qual participavam pessoas portadoras das mais torpes taras morais. O sacerdote era verdadeiro e consagrava realmente a hóstia de modo nauseabundo.

Seguiam-se cenas de tal horror moral, que a “missa negra” desencadeou um processo de conversão do até então ímpio escritor. Ele foi readmitido na Igreja Católica em 1892 e morreu como monge oblato beneditino.

Procissão Eucarística reparadora pelas ruas de Boston
Procissão Eucarística reparadora pelas ruas de Boston
O mesmo porta-voz do grupo luciferino explicou que muitos satanistas são ativistas dos direitos dos animais, vegetarianos e artistas que têm um “forte senso de comunidade”.

A notícia do evento satânico em Harvard suscitou comoção e forte reação nos meios católicos.

Uma procissão reparadora, com centenas de participantes ostentando terços e imagens religiosas, saiu da Capela do Massachusetts Institute of Technology (MIT) até a igreja de São Paulo, na Praça Harvard.

Naquele santuário, totalmente lotado, 1.500 católicos fizeram uma hora de adoração eucarística.

Entre os participantes estava a presidente da própria Universidade de Harvard, Catherine Drew Gilpin Faust.

Terço reparador em Harvard promovido pela TFP Student Action
Terço reparador em Harvard
promovido pela TFP Student Action
O Pe. Michael E. Drea conduziu as orações e disse que todas as pessoas que têm fé “reconhecem a missa negra pelo que ela é: um ato de ódio à Igreja Católica”. Observou também que os fiéis permaneceram em oração e reparação por várias horas além do previsto.

Cerca de 60 mil estudantes e professores de Harvard assinaram uma petição contra a realização da missa sacrílega no campus universitário.

Só a petição da TFP Student Action atingiu 45.918 assinaturas em quatro dias.

“Eu estou envergonhada pelo fato de minha universidade estar permitindo um evento tão cheio de ódio sob aparências de ‘educação’”, disse a professora Aurora Griffin, ex-presidente da Associação dos Estudantes Católicos de Harvard.

Diante das reações católicas, os promotores do ritual satânico o transferiram para um bar noturno chamado “Hong Kong”, e chegaram a afirmar por e-mail que o mesmo estava sendo realizado naquela noite.

Porém um empregado do local, que só quis se identificar como Fred, disse por telefone que os membros do grupo satânico encontravam-se bebendo no bar, mas não estavam realizando ritual algum.

A organização satânica emitiu comunicado esclarecendo que a “missa negra” havia sido adiada indefinidamente.

Adoração Eucarística reparadora, capela St Paul, Harvard
Adoração Eucarística reparadora, capela St Paul, Harvard

A tentativa de realizar esse ato revelou o objetivo final para o qual trabalham os militantes de agendas na aparência tão diversas.

Eles convergem para tentar eliminar Deus e sua Igreja do mundo, e proclamar um reinado igualitário, repositório de todos os vícios, dócil servidor de Satanás e promotor de seu culto.

Fontes: Boston Magazine; Boston Globe; CNS News.

quarta-feira, 14 de maio de 2014

2013: o ano mais violento depois da II Guerra Mundial

2013 foi o ano – junto com 2011 – em que se deflagraram mais conflitos bélicos depois da II Guerra Mundial, segundo o “Barômetro” do Instituto de Heidelberg para o estudo dos Conflitos Internacionais. DESCARREGAR PDF

Houve vinte guerras – duas a mais que em 2012 –, além de conflitos armados diversos que não cabem numa definição formal de “guerra”.

Muitas guerras novas não se encaixam nos parâmetros habituais das conflagrações entre países civilizados, mas nem por isso deixaram de serem guerras menos mortíferas e destrutivas.

Para os expertos do instituo alemão citado, o conflito promovido pela Irmandade Muçulmana fundamentalista e o governo egípcio tem todas as características de uma guerra.

O Instituto catalogou 414 conflitos armados em 2013. Destes, 45 foram qualificados como muito violentos – 20 dos quais definidos como guerras ao pé da letra –, e os outros 25 como ‘guerras limitadas’.

Em função da utilização da violência e dos fluxos de prófugos e refugiados, o Instituto de Heidelberg classificou os 414 conflitos em cinco níveis.

O mais grave é o das guerras propriamente ditas. “Em 2013, o conflito com maior número de vítimas foi o da Síria” – explicou Peter Hachemer, presidente do órgão responsável pelo estudo.

Porém, há conflitos oficialmente não declarados, que fazem milhares de vítimas – como o do Iraque, onde se enfrentam as seitas islâmicas sunitas e xiitas, com grande número de mortos.

Na mesma categoria entram muitos conflitos armados da África. Sobretudo em países onde remotas guerras tribais se misturam com a ofensiva do Crescente contra a Cruz, ou disputas imemoriais entre seitas pagãs.

Estão nessa categoria a Nigéria, o Sudão, o Sudão do Sul, o Mali, a Republica Centroafricana, a Somália e a Republica Democrática do Congo.

Os outros conflitos, qualificados como “guerras”, acontecem no Meio Oriente (Egito, Síria, Iêmen, Iraque e Afeganistão) e na Ásia (Paquistão e Filipinas), cujas forças armadas sofrem ataques sistemáticos de grupos secessionistas islâmicos.

No continente americano, a situação mais grave é a do México, por causa das lutas violentíssimas dos carteis da droga entre si, contra as forças de segurança e contra as chamadas forças de autodefesa.

O Brasil não foi mencionado, mas a violência da criminalidade não fica longe da mexicana e da venezuelana, que inclui participação mortífera de milicianos chavistas.


segunda-feira, 5 de maio de 2014

Mais de 500 católicos martirizados e 20 igrejas destruídas na Nigéria

Mais de 500 católicos foram martirizados e 20 igrejas e casas paroquiais destruídas pela seita islâmica Boko Haram no nordeste da Nigéria de 2009 até hoje.

O devastador panorama foi descrito em artigo publicado pela Catholic News Service of Nigéria, agência de notícias promovida pela Conferência Episcopal Nigeriana. Ele é assinado por D. Oliver Dashe Doeme, bispo de Maiduguri, capital do Estado de Borno, lugar onde a seita Boko Haram foi fundada em 2009.

A agência Fides, órgão de Informação das Pontifícias Obras Missionárias do Vaticano, difundiu o resumo no Ocidente.

Numa entrevista de 2011 à Agência Fides, Dom Doeme denunciou que a referida seita fundamentalista islâmica “tratava-se no início de um grupo criado para defender os interesses de alguns políticos, mas em seguida foi transformado numa seita violenta”.

Por sua vez, o ex Chefe do Estado Maior nigeriano, Marechal Al-amin Daggash, denunciou que misteriosos helicópteros fornecem abastecimento aos terroristas em seus refúgios. O fato foi confirmado por veteranos líderes políticos e militares dos estados de Yobe e Borno, epicentro da guerrilha anticristã, segundo a mesma agência.

“As autoridades sabem que helicópteros transportam armas, munições, alimentos e medicamentos até os ninhos dos insurgentes”, disse o Marechal Daggash.

Líder e militantes fundamentalistas do Boko Haram.
E perguntou: “Como foi possível que um pequeno bando desorganizado de jovens desviados se tenha transformado numa perfeita máquina de assassinar, bem armada e bem organizada, que se move livremente em colunas de veículos com apoio de helicópteros?”

Os bispos da Nigéria concordaram: “Nós precisamos compreender como é que um grupo local como o Boko Haram, que até há pouco usava somente arcos e flechas, agora joga bombas”, disse em 2011 D. Inácio Ayau Kaigama, Arcebispo de Jos e presidente da Conferência Episcopal da Nigéria.

Na verdade, não há muito a descobrir; basta retirar dos olhos as escamas falsamente “ecumênicas”: os governos e líderes islâmicos “moderados” alimentam a agressão anticristã dos fundamentalistas em todo o mundo..


segunda-feira, 28 de abril de 2014

Hospitais ingleses queimavam fetos para gerar energia


Dois hospitais britânicos reconheceram que queimavam fetos abortados para aquecer suas instalações.

Trata-se do Addenbrooke’s Hospital de Cambridge e o Hospital de Ipswich.

O primeiro reconheceu ter incinerado 797 fetos para gerar energia, dizendo para as mães que os mesmos tinham sido “cremados”.

No segundo, uma empresa terceirizada incinerou 1.100 crianças abortadas, trazidas de um outro hospital, entre os anos 2011 e 2013.

No Ipswich, as autoridades alegam desconhecimento da prática da terceirizada.

O ministro de Saúde, Dan Poulter (deputado e médico), ordenou acabar com essa prática “totalmente inaceitável”.

Em março, uma investigação jornalística concluiu que, apenas nos dois últimos anos, 27 hospitais haviam queimado mais de 15.000 restos de crianças abortadas, sem consultar os pais ou responsáveis.

Hospital de Addenbrooke
Hospital de Addenbrooke
Em 2011 foram praticados no Reino Unido por volta de 196.000 abortos “legais”. Em 4.000 casos, os bebês chegaram a nascer com vida, de acordo com o Ministério de Saúde.

O abominável crime do aborto conduz a outros costumes monstruosos e à perda de todo senso moral naqueles que o praticam.

O site Patheos noticiou horrorizado o fato da incineração dos fetos.

Esse site foi outrora uma plataforma do ateísmo, mas sua promotora converteu-se ao catolicismo tradicional enquanto procurava argumentos contra a Igreja Católica.

Práticas ateias e imorais, como a denunciada no artigo, assustam cada vez mais as pessoas sinceras, que acabam achando no catolicismo de sempre o refúgio e a resposta à decadência moderna.


segunda-feira, 21 de abril de 2014

Estudo psiquiátrico aponta relação entre suicídio, músicas modernas e tatuagens


O Jornal Brasileiro de Psiquiatria (vol.58 nº1, RJ, 2009) publicou há alguns anos um documentado trabalho que continua candente.

Trata-se da relação entre preferência musical e suicídio.

Os autores – Carlos Eduardo Pimentel; Valdiney V. Gouveia; Neliane Lima de Santana; Wises Albertina Chaves; Carolina Andrade Rodrigues, da Universidade de Brasília (UnB) e da Universidade Federal da Paraíba (UFPB) – apelaram a estudos feitos sobretudo em países de língua inglesa, não existindo trabalhos sobre o assunto em língua portuguesa.

Porém, músicas e letras modernas, especialmente dos principais estilos relacionados ao suicídio, circulam largamente no Brasil: especificamente o rock, o heavy metal, a country music, e também o blues.

O trabalho verificou empiricamente que:

1. a preferência musical se relaciona com risco de suicídio;

2. a preferência musical age como um indício para o risco de suicídio.

Os autores também verificaram que as moças fãs de heavy metal apresentaram maior risco de suicídio do que os rapazes.

A preferência musical não é um indicador superficial. Ela serve como um fator de identificação entre os jovens.

E também influencia seu comportamento social e/ou antissocial, seu modo de vestir, de se comunicar, seus gostos comuns (por exemplo, por filmes de terror ou esportes radicais, como o skate), além de tatuagens e modificações corporais como o body piercing.

Os pesquisadores apontam outros estudos demonstrando as relações entre adolescentes que têm tatuagens com baixa autoestima, delinquência, abuso de drogas, comportamento sexual de risco, participação em rituais satânicos e suicídio.

Outro estudo constatou que 21% dos jovens que cometeram suicídio tinham tatuagem.