domingo, 26 de julho de 2015

Templo Satânico pede aborto em nome de ‘liberdade religiosa’ para o culto de Satanás

Estátua que grupos satanistas querem instalar
diante do Legislativo de Oklahoma,
perto de monumento ao 10 Mandamentos. É liberdade religiosa?



A militante feminista Amanda Marcotte achou contraproducente que uma seita satanista desafie as limitações ao aborto em nome da liberdade religiosa.

Ela alertou que se os luciferinos ideologicamente próximos dela obtiverem o que desejam, os conservadores tirarão proveito amanhã para restringir mais o aborto apelando para a liberdade religiosa, comentou a National Review.

O grupo luciferino Satanic Temple exigiu que uma clínica de aborto lhe fizesse uma exceção religiosa.

Amanda Marcotte não tem nada contra os satanistas. Para ela o aborto é uma questão de direito humano, e não de religião. Mas se, em nome da liberdade religiosa, os satanistas obtiverem um benefício para cultuar o príncipe dos infernos, amanhã os conservadores virão com mais argumentos religiosos contra o aborto.

Nesse sentido a extremista Amanda faz parte daqueles que omitem ou negam a essência religiosa do problema do aborto, e não querem tratar desse fundo religioso.

O fundo religioso é manifesto, pois o aborto é assassinato condenado pelo V Mandamento: “Não matarás”. E se a luta pela vida for colocada nos trilhos religiosos que lhe são próprios, ganhará uma força que poderá ser decisiva.

Amanda observa que o princípio da liberdade religiosa levou a que em certos estados americanos se limitasse ou impedisse o aborto em leis e regulamentos.

O desenvolvimento da causa abortista conduz aos absurdos desse gênero e opõe os militantes fanáticos da cultura da morte a seus amigos e companheiros de viagem satanistas!


quinta-feira, 23 de julho de 2015

A recusa da confissão, do perdão e da Eucaristia

O sacramento da Penitência, vitral na igreja de Nossa Senhora dos Mártires Ingleses, Cambridge, Inglaterra.
O sacramento da Penitência, vitral na igreja
de Nossa Senhora dos Mártires Ingleses, Cambridge, Inglaterra.

O Pe Leonel Franca nasceu em 7-1-1893, em São Gabriel, RS.

Ingressou na Companhia de Jesus em 12-11-1908.

Em 1912 foi estudar filosofia na Universidade Gregoriana, Roma, onde recebeu o título de Doutor em Teologia (1924).

Durante sua estadia na Cidade Eterna publicou “A Igreja, a Reforma e a Civilização” (1923).

Em 1928, fundou a Universidade Católica de Rio de Janeiro, da qual foi Reitor magnífico durante oito anos.

Rendeu sua alma a Deus em 3-9-1948.



continuação do post anterior: O porco no chiqueiro: ideal moral de Lutero!


Mas de todas as invenções da misericórdia encarnada não há outras que tão de perto toquem a nossa vida moral e tão intimamente se prendam ao coração do cristianismo como a confissão e a Eucaristia.

A confissão é o arrependimento, é o perdão, é o propósito.

O arrependimento que apaga um passado de culpas, o perdão que verte sobre o presente o bálsamo das suas consolações inefáveis, o propósito que ilumina o futuro com as perspectivas da regeneração.

Que alavanca mais poderosa para a atividade moral?

Lançar frequentemente nas consciências a sonda de um exame imparcial, resgatar com lágrimas sinceras os desvarios da nossa liberdade, firmar as energias do nosso querer com o vigor das resoluções incondicionadas, abrir toda a alma às influências reabilitadoras da graça, aos raios da esperança, à tranquilidade fecunda da paz de consciência – haverá humanamente falando, divinamente falando, meio mais eficaz para elevar é conservar o coração nas regiões serenas da virtude?

O protestantismo negou tudo isto, e negando-o “desconheceu um dos meios mais suaves para dar à vida do homem uma orientação conforme aos princípios da sã moral”. Fonte: Balmes, El protestantismo, c. 30.

Pecaste? persuade-te que Deus te perdoou, que a sua justiça cobre os teus pecados, que a tua fé é inadmissível e, com a fé, a graça.

Se esta persuasão entrou na alma é o descanso no pecado, o hábito do mal, o endurecimento; se não, é o terror, o desespero. Compreendo agora em lábios protestantes estes gritos da alma:

“Oh! que não daria eu para ajoelhar-me num confessionário católico! (M. de Stael).

“Quem não lançou olhos invejosos ao tribunal da penitência?

“Quem não desejou nas amarguras do remorso, nas incertezas do perdão divino, ouvir uns lábios, que, com o poder de Cristo, lhe dissessem: “Vai em paz, teus pecados te são perdoados”?”

Fonte: E. Naville, Thèse defendue devant l'Académie de Genève, 1839. Cit. por E. Duplessy, Les apologistes au dix-neuvième siècle, Paris, Beauchesne, 1910, p. 238.

A confissão é o amor que perdoa e regenera. A eucaristia é o amor que se imola, o amor que se comunica às almas nos amplexos inefáveis de uma união divina.

Negada a confissão, como afirmar a Eucaristia? Lutero também aqui deu o primeiro passo na via das negações.
Negada a confissão, como afirmar a Eucaristia?
Lutero também aqui deu o primeiro passo na via das negações.
Quem não teve fé no amor misericordioso, não pode compreender o amor unitivo. Negada a confissão, como afirmar a Eucaristia? Lutero também aqui deu o primeiro passo na via das negações.

A hóstia consagrada não é o corpo de Cristo, contém-no apenas transitoriamente. Calvino foi além e no mistério dos nossos altares viu, não uma realidade consoladora, mas apenas um símbolo, uma figura vazia de verdade.

Daí à negação completa a distância era pequena e transpuseram-na logo os seus sucessores. A missa foi proscrita como rito idolátrico e os tabernáculos ficaram vazios na solidão dos templos protestantes.

Mas que vale um cristianismo sem Eucaristia: sem a Eucaristia-sacrifício, centro em torno do qual gravita toda a vida litúrgica, sem a Eucaristia-sacramento, fonte donde mana, em torrentes, a graça, vida sobrenatural dos crentes?

Extinguiram o fogo; o amor entibiou-se nos corações. Estancaram os mananciais; as almas esterilizaram-se.

As flores mais belas, que no cristianismo haviam desabrochado ao sol de Jesus-Hóstia, feneceram à míngua de calor e de luz.

Murcharam os lírios, esmaeceram as rosas, secaram as violetas. O sacerdócio casou-se, os mosteiros despovoaram-se, o apostolado mercantilizou-se, a caridade exilada das almas buscou um refúgio nas leis e passou do coração para a algibeira.

O protestantismo não tem Irmãzinhas dos pobres, Irmãos de S. Vicente, não tem ordens religiosas, não tem ministros continentes, não tem legiões de mártires nem de virgens.

Onde quer que a virtude se eleva à altura do heroísmo, não achou discípulos entre os descendentes de Lutero. O heroísmo cristão alimenta-se no sangue generoso de Cristo.


continua no próximo post: Negação do valor das boas obras

Fonte : Pe Leonel Franca S.J., “A Igreja, a Reforma e a Civilização”, in Obras completas do Pe Leonel Franca S.J., vol. II, 7ª ed., Livraria Agir Editora, Rio de Janeiro, 1958. (págs. 375-405)

O livro “A Igreja, a Reforma e a Civilização” do Pe. Leonel Franca S.J.


TAMBÉM PODE SER VISUALIZADO DIRETAMENTE EMBAIXO:



domingo, 19 de julho de 2015

“Charlie”: brincadeira enganosa atrai demônios difíceis de exorcizar

Padre Gabriele Amorth, exorcista oficial da diocese de Roma
Padre Gabriele Amorth, exorcista oficial da diocese de Roma



Adolescentes precisaram ser socorridos em macas, tiveram desmaios e vômitos em cinco escolas de Manaus, devido a uma pseudo-brincadeira de “invocação de espíritos”, noticiou a Folha de S.Paulo.

O caso ocorreu com estudantes de 12 a 14 anos e envolveu o Conselho Tutelar e a Secretaria da Educação.

O ritual para “conversar” com espíritos é ensinado em diversos vídeos na internet. Apresenta-se enganadoramente como mais um entretenimento em que os jovens invocam um certo “Charlie”.

Esse responderia com as palavras “sim” e “não”, escritas numa lousa ou papel. Dois lápis, em forma de cruz, giram apontando a resposta do mundo oculto.

Há adolescentes que disseram ver demônios quando invocaram espíritos malignos ou defuntos, e até acham que esses espíritos tomaram conta das escolas.

Por isso, muitos alunos de Manaus, traumatizados, deixaram de ir às aulas na escola José Carlos Mestrinho.

Houve casos semelhantes em outras quatro escolas, segundo a Secretaria da Educação e o Conselho Tutelar.
“Vi amigas vomitando e com muita tontura. Eu só fiquei com tontura, mas foi muito assustador”, disse a aluna Maria (nome fictício), 13.

A conselheira tutelar Danielle Pimenta dos Santos, que foi à escola, disse que “houve tumulto, com muitos adolescentes dizendo que tinham incorporado espíritos”.

Casos análogos estão acontecendo em outros países devido a brincadeiras com o mesmo infernal “Charlie”, como por exemplo na Pennsylvania, EUA, segundo noticiou o jornal britânico The Independent.

Também o jornal londrino The Telegraph falou da preocupação que existe na Inglaterra majoritariamente anglicana e agnóstica por causa de “Charlie”.

O padre católico Stephen McCarthy escreveu uma carta aberta aos alunos da escola superior católica São João Neumann e Santa Maria Goretti de Philadelphia, EUA, alertando para o verdadeiro fundo do problema.

O sacerdote explicou que a brincadeira denominada 'Charlie Charlie Challenge' em inglês e espelhada pelas redes sociais não é tão inocente nem neutra assim.
Trata-se, disse, de uma “manifestação demoníaca” disfarçada de jogo. “É um jogo perigoso que está se espalhando pelas redes sociais e leva jovens a invocar os demônios”, acrescentou.

“Quero lembrá-los que não existe ‘brincadeira inocente com demônios’. Peço-lhes JAMAIS participar dela ou encorajar outros a jogar isso”, acrescentou.

“O problema de abrir-se à influência demoníaca é que vocês abrem uma janela de oportunidade aos espíritos infernais que depois não é fácil de fechar”, disse o padre, numa alusão à possessão diabólica.

Para acabar com a possessão dos demônios, fonte de todo mal, são necessários prolongados exorcismos que envolvem enorme sofrimento para os possessos, pais, parentes e amigos.

Alega-se que o jogo provém de uma “antiga tradição mexicana” de invocar espíritos infernais para obter respostas.

Não seria de espantar que fosse algo assim, mas pode ser também um embuste frequente nos ambientes satanistas.

Os índios do atual México, antes da evangelização, costumavam praticar cultos satânicos que podiam incluir drogas e sacrifícios humanos para atrair a Satanás e seus sequazes. Agora, práticas semelhantes retornam pelas redes sociais!


quinta-feira, 16 de julho de 2015

O porco no chiqueiro: ideal moral de Lutero!

Porco na lama ideal moral de Lutero
Porco na lama ideal moral de Lutero

O Pe Leonel Franca nasceu em 7-1-1893, em São Gabriel, RS.

Ingressou na Companhia de Jesus em 12-11-1908.

Em 1912 foi estudar filosofia na Universidade Gregoriana, Roma, onde recebeu o título de Doutor em Teologia (1924).

Durante sua estadia na Cidade Eterna publicou “A Igreja, a Reforma e a Civilização” (1923).

Em 1928, fundou a Universidade Católica de Rio de Janeiro, da qual foi Reitor magnífico durante oito anos.

Rendeu sua alma a Deus em 3-9-1948.



continuação do post anterior: Golpe contra a vontade


Quereis ver ainda até a que baixezas o homem é degradado na pena de Lutero?

Lêde esta página que peço desculpas ao leitor de transcrever em toda a nudez cínica do seu realismo cru:


“Sei que se alguém experimentou o temor e o peso da morte preferira ser um porco a ver-se continuamente acabrunhado pelo vexame de semelhante opressão.

“Na sua lama, o suíno julga-se num leito de plumas; descansa pacificamente, ronca suavemente, dorme tranqüilamente; não teme reis nem senhores, morte nem inferno, demônio nem cólera divina; não o agita a menor preocupação, não se inquieta mesmo com a bolota que há de comer.

“E se o sultão de todas as Turquias acertasse de passar-lhe ao lado no fasto do seu poder e de sua realeza, ele conservaria toda a sua altivez e não sacudiria em sua honra uma só das suas cerdas.

“Se o enxotam, solta um grunhido, e se pudera falar diria: Pobre insensato, por que te irritas?

“Não tens a décima parte da minha felicidade, não passarás nunca uma só hora tão tranqüila, tão suave, tão calma, como todas as minhas ainda que fôras dez vezes mais rico e poderoso.

“Numa palavra, o porco vive numa segurança completa, sua vida é toda doçuras. Se o levam para o matadouro, pensa simplesmente que é um tronco de madeira ou uma pedra que o incomoda.

“Até morrer, não espera a morte. Antes, no momento e depois da morte, não experimenta o que é morrer; a vida lhe pareceu sempre boa e eterna.

“Neste ponto, nenhum rei, nem mesmo o messias dos judeus (o que eles ainda esperam), homem algum por mais hábil, rico, santo e poderoso, o poderá imitar”.

Fonte: Ap. Paquier, Luther et le luthéranisme, t. 11, pp. 10-11.

Nos inquilinos das pocilgas achou o reformador o ideal da felicidade!

Hino agora ao emancipador da dignidade humana, palmas ao libertador das consciências!


A contestação protestante demolindo as verdades consoladoras


Depois de haver assim na ordem humana desorganizado as duas grandes molas da vida moral, substituindo na inteligência a estabilidade dos princípios pela arbitrariedade do capricho e enervando a vontade com declará-la radicalmente incapaz de praticar a virtude, na sua freima demolidora atiraram-se os corifeus da Reforma sobre o edifício sobrenatural dos nossos dogmas e, um por um, destruíram os mais divinamente consoladores.

Com todo o peso de sua divina autoridade, Cristo impôs ao gênero humano o jugo austero da sua moral imaculada.

Ao homem decaído que se revolvia no lodo dos vícios mais abjetos, dirigiu a voz taumaturga da regeneração: sursum, para o alto! Eleva-te a rivalizar com os anjos na pureza da vida!

Catedral de S.Martinho, Utrecht, atacada pela iconoclastia protestante em 1572.
Destruíram as imagens e as virtudes que elas representavam.
Inclusive o próprio Deus acima representado!
Felizmente, o conjunto artístico já foi restaurado.
Mas ele bem conhecia a fragilidade da nossa argila, as profundezas do abismo em que nos precipitara o pecado e por isso adoçou as severidades do dever com as suavidades do amor.

Ao lado de cada espinho fez desabrochar uma rosa.

Vigorizou as pusilanimidades do nosso abatimento com os raios vivificantes da esperança.

Sobre a nossa esterilidade abriu, aos borbotões, as fontes perenes da sua graça.

O protestantismo revoltado não teve fé nos excessos da caridade divina e, com a negação, introduziu a desordem nos planos admiráveis da economia salvadora.

Que de mais confortante para o miserável pecador que o dogma das indulgências?

Que de mais consolador que o dogma do purgatório onde se purificam as almas dos justos das nódoas contraídas na sua peregrinação terrena?

Que de mais justo e misericordioso que a diferença entre o pecado mortal e o venial, a estabelecer uma distinção entre os crimes que nos matam na alma a vida divina da graça e as faltas a que se não pode subtrair a nossa fragilidade?

Que de mais suave que a comunhão dos santos,a instituir na ordem sobrenatural esta solidariedade, em virtude da qual somos fortificados pela intercessão e pelo mérito de nossos irmãos?

O protestantismo levantou o aluvião sacrílego contra todas estas admiráveis construções do amor divino. De todas elas não restam senão ruínas acumuladas pela negação destruidora.

continua no próximo post: A recusa da confissão, do perdão e da Eucaristia

Fonte : Pe Leonel Franca S.J., “A Igreja, a Reforma e a Civilização”, in Obras completas do Pe Leonel Franca S.J., vol. II, 7ª ed., Livraria Agir Editora, Rio de Janeiro, 1958. (págs. 375-405)

O livro “A Igreja, a Reforma e a Civilização” do Pe. Leonel Franca S.J.


TAMBÉM PODE SER VISUALIZADO DIRETAMENTE EMBAIXO:


domingo, 12 de julho de 2015

Impor limites evita filhos sociopatas

Pamela Druckerman: as crianças francesas saem na frente porque os pais lhes impõem limites desde a infância
Pamela Druckerman: as crianças francesas saem na frente
porque os pais lhes impõem limites desde a infância



A jornalista americana Pamela Druckerman observou que as crianças francesas não fazem manha. E isso porque os pais sabem lhes impor limites desde a infância.

O médico Cláudio Domênico, que coordenou o último Encontro O Globo Saúde e Bem-Estar, com o tema Como estabelecer limites para ter filhos saudáveis, observou que “essa educação sem limites cria sociopatas e jovens com problemas de relacionamento social”, segundo noticiou O Globo (12/04/2015).

Domênico acredita que hoje muitos pais delegam a criação dos filhos à escola. Ele sublinhou “a importância da família na construção da saúde emocional das crianças” e que “as crianças reclamam, mas gostam de limites preestabelecidos”.

O psiquiatra Fábio Barbirato, chefe do serviço de Psiquiatria da Infância e Adolescência da Santa Casa de Misericórdia do Rio, demonstrou cientificamente que dizer “não” aos filhos é difícil, mas dizer “sim” o tempo todo pode transformar uma criança mimada em um adulto sem autonomia, eternamente dependente dos pais.
“Os pais têm obrigação de dar limites, não podem ser reféns dos filhos, até porque as crianças não vão descobrir isso sozinhas e, lá na frente, tomarão uma pancada da vida”, defendeu o psiquiatra.

Dizendo “sim” o tempo os pais transformam uma criança mimada em um adulto sem autonomia. O caso ironizado no filme "Bad Teacher"
Dizendo “sim” o tempo os pais transformam uma criança mimada
em um adulto sem autonomia. O caso ironizado no filme "Bad Teacher"
Principalmente para as crianças, as conquistas devem vir através do mérito. E os pais devem fugir do figurino errado de “amiguinhos” dos filhos. “Mãe que se veste com a saia igual à da filha não tem identidade, sem isso não tem respeito”, explicou.

A educadora Tania Zagury, autora dos livros Limites sem trauma e Educar sem culpa — A gênese da ética, entre outros, atribui a falta de limites a uma interpretação errada, de 40 anos atrás, quando se achou que a imposição de regras acarretava problemas emocionais.

Foi a época do “proibido proibir” da Sorbonne e do “hippie power” da Califórnia, que hoje demonstraram ser frustrantes e contraproducentes.

“A função principal dos pais é formar a moral e a ética dos filhos, disse Tania, mas hoje a maior preocupação dos pais parece ser fazer a felicidade das crianças”.

E completou: “Só que, se os pais fizerem tudo o que os filhos querem, a criança cresce com uma visão distorcida do mundo, não fortalece a capacidade de ouvir os ‘nãos’ da vida”.

Limite, lembrou Domênico, nada tem a ver com castigo. E os critérios variam, já que não há uma criança igual a outra.

Mas pede autoridade paterna e materna, e disciplina no lar.


quarta-feira, 8 de julho de 2015

Lutero: golpe contra a vontade

Lutero: “a vontade do homem é semelhante a um jumento.
Deus opera em nós o mal”

O Pe Leonel Franca nasceu em 7-1-1893, em São Gabriel, RS.

Ingressou na Companhia de Jesus em 12-11-1908.

Em 1912 foi estudar filosofia na Universidade Gregoriana, Roma, onde recebeu o título de Doutor em Teologia (1924).

Durante sua estadia na Cidade Eterna publicou “A Igreja, a Reforma e a Civilização” (1923).

Em 1928, fundou a Universidade Católica de Rio de Janeiro, da qual foi Reitor magnífico durante oito anos.

Rendeu sua alma a Deus em 3-9-1948.



Pe. Leonel Franca S.J.: “A Igreja, a Reforma e a Civilização”, Livro III, Capítulo III, 1. Igreja, Reforma e Moral:


continuação do post anterior: A moral escrava dos apetites contraditórios

Mais profundo ainda foi o golpe vibrado contra a vontade. O espírito, desenfreara-o Lutero com o livre exame; a liberdade, encadeou-a nos elos de um determinismo fatal.

Esse homem, que uma crítica míope e pertinazmente hostil à Igreja proclamou o arauto das liberdades humanas, o emancipador dos povos livres, professa as teorias mais degradantes acerca do livre arbítrio, rebaixa a dignidade da nossa natureza ao nível do bruto, ao mecanismo inconsciente dos autômatos.

Para a Igreja católica o homem é livre. O pecado original vulnerou-lhe a prerrogativa divina, mas não a destruiu.

Na revolta das paixões desencadeadas pela primeira prevaricação, na insurreição da concupiscência e dos apetites inferiores contra os ditames superiores do espírito, a vontade, debilitada sim, mas não aniquilada, conservou na sua decadência o cetro da realeza primitiva.

quarta-feira, 1 de julho de 2015

Jihad islâmica até em escolinha italiana?

A polícia italiana está sendo convocada com crescente frequência para intervir nos atritos religiosos provocados por imigrantes islâmicos.
A polícia italiana está sendo convocada com crescente frequência
para intervir nos atritos religiosos provocados por imigrantes islâmicos.



Em 14 de maio, na cidade de Terni, um menino muçulmano de 12 anos de idade socou repetidamente no peito uma colega de aula porque ela levava um crucifixo no pescoço.

A menina teve que ser hospitalizada com hematomas no tórax, guardar 20 dias de repouso médico, e não quer voltar à escola por medo de seu agressor, noticiou Infocatólica.

O provocador, chegado há apenas um mês do Senegal, parecia estar executando já a intifada (revolta), ou sua jihad (guerra santa). Ele é inimputável por causa da idade, mas sua conduta reflete o ambiente que reina nos centros de acolhida imprudentemente instalados por organizações católicas em toda Itália.

Poucas semanas atrás, 15 muçulmanos do Senegal e da Costa do Marfim foram presos em Palermo pelo assassinato de quinze cristãos com os quais emigravam rumo à Europa numa barca inflável que saiu da Líbia. As vítimas foram mortas por rezarem orações cristãs durante uma tempestade em alta mar.

quarta-feira, 24 de junho de 2015

Toda a verdade sobre o protestantismo evangélico


O Pe Leonel Franca nasceu em 7-1-1893, em São Gabriel, RS.

Ingressou na Companhia de Jesus em 12-11-1908.

Em 1912 foi estudar filosofia na Universidade Gregoriana, Roma, onde recebeu o título de Doutor em Teologia (1924).

Durante sua estadia na Cidade Eterna publicou “A Igreja, a Reforma e a Civilização” (1923).

Em 1928, fundou a Universidade Católica de Rio de Janeiro, da qual foi Reitor magnífico durante oito anos.

Rendeu sua alma a Deus em 3-9-1948.



Pe. Leonel Franca S.J.: “A Igreja, a Reforma e a Civilização”, Livro III, Capítulo III, 1. Igreja, Reforma e Moral:


A moral escrava dos apetites contraditórios


“O protestantismo foi o último galho lascado da árvore católica. Seus restos cobrem ainda larga parte da Europa setentrional.

“Aos olhos de observadores superficiais apresenta ainda o viço de uma verdura luxuriante. Mas são apenas folhas. Flores e frutos já os não produz.

“A mesma infecundidade moral que esterilizou as outras revoltas religiosas feriu também a do monge saxônio.

“Procurai os santos do protestantismo em quatro séculos de existência, inquiri do heroísmo dos seus filhos, investigai-lhes os milagres que são sigilo da divindade; não encontrareis, sob estes títulos, senão páginas em branco.

“Homens honestos, virtudes cristãs que não transcendem os limites da mediocridade, é o mais que nos podem oferecer os seus anais.

“A graça, nos segredos insondáveis da sua ação sobrenatural, pode ainda fecundar a boa fé e a intenção reta dos extraviados.

“Mas o segredo do heroísmo cristão, esse perdeu-se para as almas de escol, enquanto as grandes massas, destruídas as barreiras preservadoras, se precipitaram, sob a impetuosidade torrencial das paixões, nos grandes excessos, que cedo ou tarde acarretam a completa, dissolução da vida moral e religiosa.

“É esta decadência do protestantismo que ora nos cumpre esboçar. Distinguiremos no nosso estudo duas questões: a questão de direito e a questão de fato.

segunda-feira, 22 de junho de 2015

Radicalismo verde na encíclica Laudato Si gera aflição
Declaração de Voice of the Family

Lançamento da encíclica Laudato Si', Vaticano, 18 de junho de 2015
Lançamento da encíclica Laudato Si', Vaticano, 18 de junho de 2015



ROMA, 18 de junho de 2015 – A coalizão internacional Voice of the Family está profundamente preocupada pela ausência, na encíclica Laudato Si, de qualquer reafirmação do ensinamento da Igreja contra a concepção e pela procriação como fim primeiro do ato sexual.

A encíclica publicada nesta manhã afirma oportunamente que “a defesa da natureza não é compatível .... com a justificação do aborto” (no 120) e “que o crescimento demográfico é plenamente compatível com um desenvolvimento integral e solidário” (no 50).

Contudo, a omissão de qualquer referência ao ensinamento da Igreja sobre a contracepção deixa os católicos despreparados para resistir ao programa internacional de controle da população.

quarta-feira, 17 de junho de 2015

Europa, pepineira de soldados da guerra santa do islã !

Três jihadistas franceses conclamam os muçulmanos na França para irem lutar na Síria,
em vídeo de propaganda do Estado Islâmico.



O jornal parisiense Le Figaro calculou que cerca de 1.600 franceses estão engajados nas fileiras da guerra santa islâmica e que mais de 100 deles já foram mortos.

Os mais recentes casos seriam dois adolescentes de 12 e 14 anos, que partiram para o Oriente há dois anos junto com a mãe, originária da região de Toulouse.

A jihad (guerra santa islâmica) em princípio é uma guerra divinamente enlouquecida e sem retorno. Os 100 islamitas que partiram da Franca e perderam a vida na Síria ou no Iraque foram recenseados pelos serviços antiterroristas gauleses.

quarta-feira, 3 de junho de 2015

Itália: muçulmanos acossam
e insultam procissão de Nossa Senhora

Procissão na província de Ravenna
Procissão na província de Ravenna



Na pequena cidade italiana de Conselice, província de Ravenna, os fiéis faziam no mês de maio, consagrado a Nossa Senhora, sua tradicional procissão com a Madonna.

As crianças estavam vestidas para a Primeira Comunhão, cantavam hinos ou rezavam o terço, noticiou a agência Breitbart.

É uma arraigada tradição que reúne todos os anos o povo na Piazza Foresti, passando por várias ruas até chegar à Via Dante Alighieri. Mas nessa rua há o Centro Cultural Islâmico Attadamun, que acolhe imigrantes muçulmanos.

A procissão foi interrompida por gritos e provocações. Um grupo de jovens maometanos do Centro Islâmico começou a berrar e fazer ameaças. As crianças não sabiam o que fazer e pararam.

Os islâmicos gritavam às crianças: “Fora daqui. Fora!, fora!, vão embora!” A procissão continuou seu percurso, mas um ar enrarecido tomou conta da cidade.

quarta-feira, 27 de maio de 2015

“Olho seco”: mal que atinge até as crianças
diante dos monitores de vídeo

Nos consultórios, os casos de crianças com "olho seco" passaram a ser habituais.
Nos consultórios, os casos de crianças com "olho seco" passaram a ser habituais.



Segundo oftalmologistas consultados pelo jornal Clarín, de Buenos Aires, o mal do “olho seco” ou “síndrome visual informática” atingiu as crianças e os adolescentes que usam constantemente celulares, tablets e computadores.

“Há 20 anos, víamos no consultório algum caso de forma esporádica; hoje é habitual”, afirmaram os oftalmologistas.

A síndrome do “olho seco” aparece quando existe escassez ou falta de lágrimas no olho, causada por exposição constante a monitores de celulares, computadores, tablets e outros eletrônicos com a mesma tecnologia.

Há poucas décadas essa síndrome se manifestava apenas em pessoas com 40 anos ou mais, mas hoje é observada em pacientes com a metade dessa idade. Crianças e adolescentes tampouco fogem à sintomatologia.

quarta-feira, 20 de maio de 2015

Muçulmanos massacram cristãos
antes de pisarem em solo europeu

O movimento migratório muçulmano para a Europa está se tornando veículo de invasão religiosa anticristã.
O movimento migratório muçulmano para a Europa
está se tornando veículo de invasão religiosa anticristã.



105 passageiros, cristãos e muçulmanos, compartilhavam à noite um destino incerto no Mediterrâneo, quando o barco inflável começou a desinflar.

Os muçulmanos não demoraram em executar aquilo que pareciam determinados a fazer após porem o pé em terra e se instalarem com a ajuda de associações de caridade cristã.

Atacaram os cristãos, acusando-os de invocar um outro Deus que não o do Corão.

“Após as ameaças religiosas, uma dezena de muçulmanos passou à agressão e começou a jogar alguns de nós no mar”, contou o sobrevivente Yeboah à polícia italiana, citado pelo jornal de Paris Libération.

Os que caíam na água desapareciam na noite e morriam afogados. Para os muçulmanos, que nada identifica como sendo particularmente fanáticos, o ecumenismo é algo sem sentido e um sinal da superioridade da seita de Maomé.

Seis testemunhas dos fatos concordaram na descrição de uma verdadeira guerra de religião contra cristãos indefesos em pleno mar, impulsionada por maometanos à primeira vista normais.

quarta-feira, 13 de maio de 2015

Jogos de vídeo iniciam na “arte do morticínio”

Bloodborne ensina que matar sadicamente é uma diversão.
Bloodborne ensina que matar sadicamente é uma diversão.



Quatro letras de sangue pingam do monitor e dizem “mort” [morte em francês], no jogo macabro Bloodborne, descreveu Le Monde de Paris.

Os personagens virtuais têm forma de espectros e seu ambiente próprio são os cemitérios. Para o jornal parisiense, Bloodborne consagra a nova tendência nos videojogos voltados para a morte.

Bloodborne foi precedido por Almas da Escuridão (Dark Souls) e Almas de Demônio (Demon's Souls), embebidos de fantasias macabras ou satanistas que incitam o jogador a morrer centenas de vezes.

A morte já não é causa de luto ou tristeza, mas de diversão, diz Mathieu Triclot, autor do livro Filosofia do videojogo.

quarta-feira, 6 de maio de 2015

1,1 bilhões de pessoas podem perder a audição
por abuso de eletrônicos

Organização Mundial da Saúde: nada é tão prejudicial para a audição  como usar os fones de ouvido durante várias horas por dia
Organização Mundial da Saúde: nada é tão prejudicial para a audição
como usar os fones de ouvido durante várias horas por dia



Embora o ruído esteja por todo lado, nada é tão prejudicial para a audição como usar os fones de ouvido durante várias horas por dia, diz estudo da Organização Mundial da Saúde (OMS), citado pelo jornal Clarin.

Segundo a OMS, 50% das pessoas entre 12 e 35 anos no mundo (por volta de 1,1 bilhões) estão expostas a níveis de ruído prejudiciais, gerados por dispositivos eletrônicos como reprodutores de MP3 e smartphones. Eles poderiam sofrer perda de audição por exposição continuada.

Só na Argentina, sete milhões de jovens expõem-se a esse risco, sendo que cerca de 5,6 milhões ultrapassam a orla do risco e submetem-se a sons nocivos em clubes noturnos, discotecas, cervejarias, bares, cinemas, concertos rock e eventos esportivos.

quarta-feira, 29 de abril de 2015

Vice-presidente da Google alerta para inimaginada perda
de todos os dados virtuais do planeta

Vicepresidente da Google podemos perder todos os dados virtuais planetários num 'buraco preto' da informação
Vice-presidente da Google: podemos perder todos os dados virtuais do planeta
num 'buraco preto' de software e/ou hardware



O novelista Júlio Verne (1828—1905) imaginou um misterioso relojoeiro que cuidava dos relógios às mil maravilhas, mas mantinha uma curiosa relação com eles.

É o conto do “Mestre Zacarias ou o relojoeiro que perdeu sua alma”. Um belo dia todos os relógios deixaram de funcionar e o mestre ficou impotente para atender às reclamações dos clientes.

Falando na reunião anual da Associação Americana para o Avanço da Ciência, em San José, Califórnia, Vint Cerf fez uma advertência evocativa do conto de Júlio Verne.

Vint Cerf não é relojoeiro, mas vice-presidente da Google, o gigante da Internet.

Ele disse que o imenso acúmulo de material digitalizado – blogs, tweets, fotos e vídeos, documentos oficiais, processos judiciais, contabilidades, bibliotecas e e-mails – pode se perder para sempre, segundo noticiou The Guardian de Londres.

Todos os dados que a humanidade confiou ao mundo digital poderiam se evaporar para sempre e ficar inacessíveis aos historiadores do futuro.

Vint Cerf disse que corremos o risco de nos tornarmos “a geração esquecida, ou inclusive o século esquecido”.

quarta-feira, 22 de abril de 2015

Escrever estimula o cérebro das crianças,
mas digitar um eletrônico, não

Dra. Karin James, neurocientista cognitiva da Universidade de Bloomington, Indiana, EUA
Dra. Karin James, neurocientista cognitiva da Universidade de Bloomington, Indiana, EUA



O uso intensivo de teclados e telas sensíveis ao toque, em vez de escrever à mão, está prejudicando a formação das crianças.

É o que revelou uma pesquisa conduzida pela neurocientista cognitiva Karin James, da Universidade de Bloomington, Indiana, EUA.

O estudo pôs em relevo a importância da escrita à mão para o desenvolvimento do cérebro infantil, segundo noticiou a BBC Brasil.

No estudo, as crianças foram separadas em dois grupos diferentes: um foi treinado para copiar letras à mão, enquanto o outro usou computadores.

O fato é que as crianças ainda não alfabetizadas são capazes de identificar letras, mas não sabem como juntá-las para formar palavras.

quarta-feira, 15 de abril de 2015

O exemplo da China: Estado Islâmico
extrai à força órgãos de prisioneiros vivos

Hu Jie, 25, aceitou ser doador de órgãos, mas mudou de ideia. Não adiantou. Tiraram-lhe um rim com base no papel assinado.
Hu Jie, 25, aceitou ser doador de órgãos,
mas mudou de ideia. Não adiantou.
Tiraram-lhe um rim com base no papel assinado.



O diplomata iraquiano Mohamed Alhakim denunciou na ONU que o Estado Islâmico (EI, ou ISIS) arranca órgãos vitais de suas vítimas para contribuir no financiamento da organização terrorista, escreveu o Epoch Times.

Alhakim fez a denúncia sobre a extração forçada de órgãos em uma reunião do Conselho de Segurança das Nações Unidas.

O ISIS pratica terríveis métodos de execução de seus prisioneiros, como decapitações, crucifixões ou incineração de pessoas vivas. Mas também copia o perverso esquema do Partido Comunista Chinês.

Segundo Alhakim, corpos encontrados em valas comuns evidenciam partes retiradas através de incisões cirúrgicas. Os órgãos teriam sido vendidos para lucro do Estado Islâmico.

Na China, as alegações da extração forçada de órgãos remontam a 2006. Os órgãos são vendidos por mais de cem mil dólares a estrangeiros e chineses ricos, em hospitais estatais. As vítimas são prisioneiros de consciência como cristãos, tibetanos, uigures, ativistas de direitos humanos.

A China promove o “turismo de transplantes”, destinado a estrangeiros ricos que viajam para fazer transplantes por vias imorais, porém mais em conta.

Ethan Gutmann, analista especializado em China e investigador de direitos humanos, autor do livro O Massacre: Assassinatos em massa, extração forçada de órgãos, e a solução secreta da China para o seu problema de dissidentes, calcula que mais de 65 mil opositores chineses sofreram essa cruel forma de extermínio.

quarta-feira, 1 de abril de 2015

461 sacerdotes britânicos pedem ao Sínodo
uma “clara e firme proclamação” da doutrina
e da pastoral milenar da Igreja

461 sacerdotes ingleses pediram ao Sínodo sobre a Família,
uma “clara e firme proclamação” da doutrina e da
pastoral tradicional da Igreja sobre o casamento e a família.



461 sacerdotes da Inglaterra e de Gales assinaram uma carta aberta solicitando ao Sínodo sobre a Família, a realizar-se em outubro de 2015, uma “clara e firme proclamação” da doutrina e da pastoral milenar da Igreja sobre o casamento e a família.

A carta aberta foi publicada no semanário Catholic Herald, um dos mais antigos (1888) e mais respeitados daquele país.

Eis o texto completo do documento:

Senhor,

Após o Sínodo Extraordinário dos Bispos em Roma, em outubro de 2014, surgiu muita confusão a respeito do ensinamento moral católico. Nesta situação, nós queremos, enquanto sacerdotes católicos, reafirmar a nossa fidelidade inabalável às doutrinas tradicionais relativas ao casamento e ao verdadeiro significado da sexualidade humana, fundamentadas na Palavra de Deus e ensinadas pelo Magistério da Igreja durante dois milênios.

Nós nos engajamos mais uma vez na tarefa de apresentar esse ensinamento na sua integridade, abordando com a compaixão do Senhor aqueles que lutam para obedecer às exigências e aos desafios do Evangelho numa sociedade crescentemente secularizada.

quarta-feira, 25 de março de 2015

Zimbabwe e a fome final:
banidos os últimos produtores agrícolas

Velho discurso marxista guiou a reforma agrária e jogou o riquíssimo pais na miséria
Velho discurso marxista guiou a reforma agrária e jogou o riquíssimo pais na miséria



A reforma agrária no Zimbabwe jogou o país na miséria e na ditadura comunista. Porém, diante da fome, o regime marxista teve que dar astutos passos atrás.

Agora, o ministro do Interior, Joel Biggie Matiza, em discurso público a líderes agrícolas “assentados”, prometeu que a “corrupção” em decorrência da qual 10% das propriedades foram alugadas a diplomatas, a veteranos de guerra e outros capazes de produzir, iria acabar para não prejudicar mais a igualdade prometida pelo programa de reforma agrária, informou o “Zimbabwe News Day”.

Na mesma ocasião, o ministro do Território e Assentamento Agrário, Douglas Mombeshora, anunciou que o governo não permitirá mais que os “brancos” continuem ficando com o grosso da produção nas terras que lhes foram dadas em concessão.