terça-feira, 5 de janeiro de 2021

Penitenciário Mor da Igreja: “missas” ou “absolvições” virtuais são inválidas

Cardeal Mauro Pacenza, Penitenciário Mor do Supremo Tribunal da Penitenciária Apostólica
Cardeal Mauro Pacenza, Penitenciário Mor do
Supremo Tribunal da Penitenciária Apostólica
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs







Em entrevista ao jornal vaticano “L'Osservatore Romano”, o Cardeal Mauro Piacenza, Penitenciário Mor do Supremo Tribunal da Penitenciária Apostólica, reiterou o ensinamento imemorial sobre a matéria e a forma dos sacramentos, noticiou “Infocatólica”.

Na nossa época viciada de “virtual” a pergunta mais viva foi: “pode-se usar smartphones ou redes sociais para confessar?”

O Penitenciário Mor da Igreja foi claro: “Podemos afirmar a nulidade da absolvição concedida por esses meios.

“De fato, falta a presença real do penitente e não há transmissão real das palavras de absolvição; são apenas vibrações elétricas que reproduzem a fala humana”.

Também foi interrogado se por causa da situação sanitária, social e econômica, pode se cumprir o preceito de assistir à missa dominical ouvindo a celebração por rádio, streaming ou televisão.

A resposta também foi clara:

“Nada pode substituir a participação na Santa Missa pessoalmente.

“Nas situações em que não é possível assistir à Santa Missa, não há obrigação de substituir a participação com outra coisa”.

“Os deficientes que com motivo válido assistem à celebração pela televisão, realizam apenas um ato piedoso e espiritualmente útil”.

O Cardeal lembrou da vigência da prática da absolvição coletiva, que esta pandemia não mudou. É válida em caso extremo tendo a intenção de se confessar pessoalmente na primeira ocasião possível.


segunda-feira, 21 de dezembro de 2020

Tesouros de Natal: São Nicolau, a árvore maravilhosa, Santa Lucia e o pudding real

Natal 2020, anônimo peruano e igreja colegiata de Thann, Alsacia
Natal 2020, anônimo peruano e igreja colegiata de Thann, Alsácia
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






Natal abre clareiras de luz e alegria nas trevas e nas tristezas.

Enquanto em Belém raiava a salvação, o imperador Augusto refletia o fracasso de sua política moralizadora.

Perto dele iam noite adentro as orgias e os arúspices e falsos teólogos jogavam as sortes com o oculto.

Eles não sabiam a sociedade do futuro se decidia num estábulo da Judeia.

Ali as mãos virginais de Maria davam ao mundo o Messias que o redimiria com seu sangue, o reorganizaria com seu Evangelho e o inundaria de gáudios com sua graça.

Quem foi São Nicolau?


Foi o caso de São Nicolau (270–343) de Bari, Itália, bispo de Myra, hoje na Turquia, e cuja festa é o 6 de dezembro, no Advento.

São Nicolau joga pela janela a dote para as moças nobres pobres, Fra Angelico (1395 –1455), Pinacoteca Vaticana
São Nicolau joga pela janela a dote para as moças nobres pobres.
Fra Angelico (1395 –1455), Pinacoteca Vaticana
Um nobre arruinado de sua diocese, pai de três moças, não podia pagar a dote para casá-las e pensou dá-las ao meretrício.

Na noite o santo bispo viu as meias delas secando na lareira, e jogou pela janela uma sacolinha em cada uma com moedas que valiam a dote.

Ninguém imaginaria que essa caridade mudaria os costumes do mundo durante milênios. Do norte da Europa e da América uma torrente de cartas infantis o saúda e lhe implora presentes.

Na Alemanha, os Correios encaminham todo ano por volta de 500 mil cartas para a agência de Engelskirchen, ou Igreja do Anjo, na Renânia do Norte-Vestfália.

Uma outra agência na Finlândia, recebe mais meio milhão com saudações e pedidos.

A imaginação e a fé deram a São Nicolau uma realidade que não se limita ao Céu celestial.

A mente infantil está certa que ele vive nesta terra lendo essas cartas e faz suas listas aguardando o período natalino para distribuir os regalos.

Mas onde está ele? Por que só aparece nesse período? A tradição forjou a imagem de um piedoso ermitão que mora num local inacessível.

Qual? Pois, o Ártico! Lá, revestido de suas insígnias episcopais, agasalhado com peles, lê cada carta junto à lareira de uma cabana num bosque sepultado pelas neves.

Lá ele ajeita seu trenó e alimenta as renas que o conduzirão por todos os elementos.

Mas de onde saíram esse trenó e essas renas que nunca houve em Myra nem em Bari? Pois, da poesia de 1823 “Uma visita de São Nicolau”, de Clement Clarke Moore.

São Nicolau numa escola pública de Linéville, Alsácia.

Para a inocente alma infantil tudo ficou explicado.

As renas traziam São Nicolau de trenó! São quatro casais de renas, cada uma nomeada pelas suas qualidades.

Uma nona vai na frente de todas e é a mais famosa: Rodolfo Nariz Vermelha.

Ela tem um faro especial e seu nariz fica vermelho brilhante quando se aproxima da casa de uma criança que fez méritos. 

O comerciário Papai Noel e o verdadeiro São Nicolau

Deixemos de lado a contrafação comerciária de Papai Noel e vejamos como São Nicolau é recebido em alguns países.

Aliás, o primeiro Papai Noel que se fez ver no Brasil foi numa Ceia de Natal em São Luís do Maranhão por volta de 1890.

Entrou pela janela com a saca de presentes, mas os homens puxaram trabucos e revolveres.

Salvou a vida porque Da. Maria Barbara de Andrade, filha do poeta Joaquim de Sousa Andrade, se interpôs gritando: “Não o matem! É o Papai Noel! Eu o contratei!”.

Na Alsácia, na fronteira da França com a Alemanha. São Nicolau é um personagem oficial.

As escolas do Estado preparam os alunos lhes ensinando canções que pedem sua vinda no 6 de dezembro quando ele chega com seu cortejo e convoca cada criança a render contas e lhe dar o presente.

Atrás dele em ruas e praças vem um personagem sinistro: é o Padre Látego, encapuçado, de barba e cabelos desgrenhados, rosto escuro e olhar sombrio.

Ele faz ressoar no ar um látego, pau ou feixe de varas visando as crianças desobedientes.

São Nicolau e o 'Padre Látego' em Mulhouse, Alsácia
São Nicolau e o 'Padre Látego' em Mulhouse, Alsácia.
Numa grande saca garante levar os meninos que não fazem suas orações.

As crianças o vaiam e lhe jogam bolinhas de papel.

Jules Hoches o pintou como “um enviado do Diabo que ameaça levar as crianças que não cumprem as promessas”.

Em Wissembourg monta um cabalo negro e peludo, escoltado por ginetes apocalípticos que com o fragor de tambores aterrorizam a população.

Lutero, pai do protestantismo, detestava os santos e não queria a festa de São Nicolau.

E acabou sendo ele o Padre Látego dos maus cristãos! A Contrarreforma católica aprovou a figura para inculcar nas crianças o senso do prêmio e do castigo.

A árvore maravilhosa


Os presentes podem chegar na festa de São Nicolau, no Natal, ou ainda na Epifania, trazidos pelos Reis Magos, segundo as regiões.

O costume mais antigo é deixar meias penduradas na lareira em lembrança das três moças do início da cavalgada milenar de São Nicolau.

Árvore e meias para os presentes de São Nicolau, EUA
Árvore e meias para os presentes de São Nicolau, EUA
Na Holanda as crianças as enchem de feno para alimentar as pobres renas com a esperança que quanto maior a meia e o feno, mais grande será o presente.

Mas podem receber só um carvão se não se comportaram. Em alguns países os presentes chegam em mais de uma festa.

Sélestat, cidade da Alsácia, é uma das que reivindica a paternidade da Árvore de Natal e exibe o mais antigo documento que há sobre ele.

Mas os pinheiros ornados e com presentes ficam pendendo do teto no interior das igrejas.

Após a Missa de Epifania as crianças vão com varas derrubar os presentes.

O pai da árvore natalina tal vez seja São Bonifácio que derrubou um imponente carvalho que os bárbaros idolatravam como deus.

Depois plantou um pinheirinho que pelo seu perfil triangular servia para explicar o mistério de Deus Uno e Trino, e o ornou com frutas e sementes símbolo das graças que distribuía.

A maçã vermelha brilhante era ideal para isso, mas um aziago ano, a geada queimou a colheita.

Na Alsácia e na Turíngia mestres vidreiros substituíram as frutas e nozes com bolas cristalinas que a rainha Victória da Inglaterra (1819–1901) mandou adotar em seus castelos.

O mundo todo seguiu o exemplo.

Lucía: a Santa da Luz


Santa Lucia, seu dia na Suécia.
Nos países nórdicos, a mártir romana Santa Lucia (293–304) é especialmente comemorada no dia 13 de dezembro.

Ela é uma das oito santas invocadas no Canon da Missa católica tradicional.

Ela foi uma nobre de Siracusa, de riquíssima família e excecional beleza que consagrou sua virgindade a Deus.

Não sabemos seu nome, mas ela saía às noites a distribuir doações e alimentos aos pobres com uma lâmpada de vela que lhe dava luz e o nome Lucia.

Nas torturas para faze-la apostatar lhe arrancaram os olhos, mas Deus lhe deu outros ainda mais belos.

Por isso é a padroeira dos oftalmologistas e dos doentes dos olhos pois tira os cegos da escuridão.

Na Escandinávia os dias do Advento são curtos e escuros.

Então moças vestidas de branco com uma coroa de velas levam bolos para os pobres e carvão para os que passam frio.

Na Noruega, na Suécia, e na Finlândia coros de meninas assim coroadas processionam lembrando a Luz de Cristo que ilumina as trevas – até nos recintos protestantes! Os rapazes usam vestes alusivas a Santo Estevão protomártir.

O culto foi levado por missionários medievais e paradoxalmente renasceu no século XIX sob o tamanco luterano.

Santa Lucia com roupas tradicionais suecas.
Santa Lucia com roupas tradicionais suecas.
As procissões públicas começaram em 1927 quando um jornal de Estocolmo escolheu a Lucia do ano e o exemplo pegou fogo em cidades, escolas, jornais e TVs.

Segundo o Guinness a procissão de Santa Lucia na capital sueca é a maior do mundo com 1200 membros de escolas de música. Ela ingressa numa sessão do Parlamento entoando uma canção tradicional napolitana e vilancicos locais.

Em certas universidades, há um jantar especial em seu dia.

A Finlândia imitou a Suécia e a Santa Lucia do ano é coroada na catedral de Helsinki, paradoxalmente protestante.

A também herética Dinamarca imitou a Suécia em 1944 pelo desejo oficial “de trazer luz numa época de escuridão”.

A festa é comemorada seletivamente nas escolas.

Na noite anterior só se acendem velas e se apagam as luzes elétricas e se canta o famoso vilancico napolitano à Santa.

Na Noruega, comemora-se Lucia como aquela que espanta os espíritos, gnomos e fantasmas que giram pela terra nos dias mais negros do ano e pune aqueles que trabalham no Natal.

No Norte da Itália, Santa Lucia leva presentes às crianças nos dias 12 e 13 de dezembro quando são feitas umas bolachinhas doces com forma de olhos que lembram seu martírio.

As crianças lhe deixam um pouco de café, palha para seu burrico e um copo de vinho de Castaldo.

Na Hungria e na Croácia planta-se uma semente de trigo num vaso em sua festa e o broto no Natal é símbolo do triunfo da vida sobre a morte e do nascimento de Jesus e da Eucaristia.

Nas Filipinas celebra-se uma novena de missas antes de sua festa.

No Caribe, a Santa é a padroeira de uma pequena ilha que leva seu nome e festeja sua data como Dia Nacional.

O ‘pudding’ real inglês


A rainha e os príncipes herdeiros preparam o pudding familiar tradicional.
A rainha e os príncipes herdeiros preparam o pudding familiar tradicional.
 ‘pudding’ inglês é a fonte de todos os pudins da terra e não pode faltar nem no Palácio real de Buckingham.

Cada família faz seu ‘pudding’ com fórmula exclusiva, inclusive a família real.

Em 2019, a rainha cedeu sua função aos príncipes herdeiros.

O encarregado de fazer a mistura dos 25 elementos foi o principinho George que agiu com ferrenho entusiasmo acolitado pelos príncipes Charles e William.

A receita secreta deu 99 pequenos ‘puddings’ presenteados pela rainha para o Natal dos postos militares mais afastados.

Elizabeth II presentou também 1.500 puddings de boa loja a seus 500 auxiliares nos castelos.

Eles receberam junto um cartão assinado pela rainha e receberam um cumprimento pessoal.

O pudding de Natal da famíliia real presenteado aos soldados servindo longe do país
O pudding de Natal da famíliia real presenteado aos soldados servindo longe do país
O ‘pudding’ não é de origem inglês, mas foi trazido pelos soldados romanos que amassavam – como os tropeiros com o cuscuz – em sua alforja frutos secos, nozes, amêndoas, etc. com leite e álcool e iam comendo a massa em suas longas expedições. Assim devia ser nos tempos de Jesus em Belém.

Vinte e um séculos depois da divina Natividade, o mesmo mundo comemora o Natal sem saber de seu destino que, aliás, intui cada vez mais negro.

A Terra afundou num caos que nem nos tempos de Augusto teve igual.

Mas, como os pastores que adoraram o Menino Deus no presépio, hoje os homens de boa vontade podem procurar a salvação nas mãos da Mãe de Deus.

Só por meio dEla será restaurado o reinado social de Jesus Cristo onde haverá festas de Natal incomparavelmente mais belas de tudo o que os homens até agora conheceram.


terça-feira, 15 de dezembro de 2020

Estatua de Lourdes e fiéis decapitados na França

Ateus e islâmicos competem para destruir o catolicismo. E os eclesiásticos 'modernos' competem fazendo 'ecumenismo' com os demolidores
Ateus e islâmicos competem para destruir o catolicismo.
E os eclesiásticos 'modernos'
competem fazendo 'ecumenismo' com os demolidores
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs







A emoção e o espanto tomaram conta dos habitantes de Montpezat-de-Quercy quando souberam da decapitação da estátua de Nossa Senhora de Lourdes, que está em uma pequena gruta na rua do Château, informou o jornal regional “La Dépêche”.

“Decapitação é uma palavra chocante no momento”, comentou Dom Bernard Ginoux, bispo de Montauban, diocese do sacrilégio, após os diversos assassinatos islâmicos com esse método de fiéis e religiosos em território francês.

“Lamento e deploro essa falta de correção, essa ignorância do objeto sagrado. A estátua foi apedrejada, temos que concluir que uma das pedras acertou a cabeça por acaso? Ou devemos pensar que eram péssimos atiradores mirando na cabeça e apedrejando o corpo?”, acrescentou evitando reconhecer a inspiração religiosa do ato.

O padre camaronês Léon Sème que deixou o Senegal para Montpezat em setembro de 2018 ficou pasmo diante de uma profanação que é pouco comum em seu país africano:

“Isso dói. É um símbolo da nossa fé. Essa imagem da Virgem é importante para os mais velhos, que se lembram que, quando crianças, vinham rezar ali. Para 15 de agosto [festa da Assunção, padroeira da França], começamos a procissão aqui”.

terça-feira, 24 de novembro de 2020

Fábricas secretas de Frankesteins?

Seres impensáveis poderiam ser flagelo dos homens
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs








Um painel de cientistas da Academia de Ciências Médicas de Londres alertou para a possibilidade de a novela “Frankenstein” se tornar espantosa realidade, noticiou em seu tempo a agência LifeSiteNews

Segundo eles, colegas britânicos já criaram mais de 150 embriões híbridos de homem e animal, em pesquisas secretas efetivadas em laboratórios do país.

Por sua vez, o diário “Daily Mail” noticiou que 155 embriões que misturam elementos genéticos humanos e animais foram criados nos últimos três anos. Os autores foram cientistas que trabalham células embrionárias com o pretexto de achar novos remédios.

As pesquisas secretas foram reveladas quando um comitê de cientistas denunciou ante o Parlamento um possível cenário de pesadelo com a hibridação homem-animal indo longe demais.

O professor Robin Lovell-Badge, do National Institute for Medical Research, denunciou o trabalho de implantação de material genético de seres humanos em embriões animais visando engendrar novas criaturas com atributos humanos. Ele mencionou a inoculação em cérebros de macacos de material tirado de fetos.

O King’s College de Londres e as Universidades de Newcastle e Warwick obtiveram licença para essas experiências antinaturais após a aprovação da lei que garante a utilização de embriões humanos em ensaios de laboratório.

sexta-feira, 30 de outubro de 2020

Halloween e a gargalhada de Satanás

Dallas a polícia não fez nada porque era uma forma lúdica do Halloween
Dallas: a polícia não fez nada porque era uma forma lúdica do Halloween
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs







Na Festa de Todos os Santos (1º de novembro) se comemora a memória de todos os santos e mártires, conhecidos ou não, com a certeza de que eles já estão com no Céu, intercedendo por nós junto a Nosso Senhor Jesus Cristo.

Entre eles desejamos que estejam nossos antepassados mais queridos. E rezamos para que, se pela Justiça Divina se encontrem no Purgatório, a Misericórdia de Deus pela intercessão de Maria Santíssima os resgate e os leve logo ao Céu. Intenção pela qual devemos rezar especialmente no dia de Finados (2 de novembro).

Mas nesta crise de descristianização que se alastra desde o Concilio Vaticano II, está entrando um outro costume com aparências de brincadeira na véspera da Festa de Todos os Santos.

É o Halloween, durante o qual se veste e decora-se a casa com objetos e cenas que se inspiram em coisas demoníacas. Destaca-se neste ano a aterradora exibição “artística” de Halloween em Dallas (EUA) feita pelo artista plástico Steven Novak, noticiada pelo periódico “La Nación”.

Ele montou no jardim dianteiro de sua casa uma cena de terror com manequins-cadáveres sadicamente assassinados entre poças de sangue.

quarta-feira, 28 de outubro de 2020

Mau uso de dispositivos móveis gera crianças zumbis

A adição ao smartphone produz jovens incapazes dee se relacionarem socialmente
A adição ao smartphone produz jovens incapazes de se relacionarem socialmente
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs





Um oftalmologista argentino recebeu um casal de pacientes que compareceu com sua filhinha para consultas. Assim que chegaram a menina de três anos deitou-se no sofá e começou a brincar com o smartphone numa distância de apenas 10 centímetros dos olhos durante quase uma hora.

O oftalmologista percebeu que o caso não era apenas de óculos, mas que a criança estava se transformando num zumbi digital com diversos problemas de saúde e comportamento, segundo descreveu em seu site Cuida tu vista.

Para os pais o smartphone parecia uma solução porque a criança não dava trabalho e eles podiam se dedicar a outras coisas. O oftalmologista comentou para si: eles não percebem o imenso dano que estão provocando.

terça-feira, 13 de outubro de 2020

‘Teletrabalho’ ou ‘home office’: ilusão vira pesadelo

Mistura de espaço de trabalho com privado.
Mistura de espaço de trabalho com privado.
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




Você trabalha de sol a sol. É mentira que possa administrar melhor o seu tempo. Mistura seu espaço de trabalho com seu espaço privado.

Não desliga. Já me deparei com 20 emails às dez da noite. Nos fins de semana também.

[Ana, de 61 anos, funcionária pública].

O novo coronavírus serviu de pretexto para trazer de volta uma utopia que no século passado alguns ‘futurólogos’ incensaram sem sucesso nem sinais de rentabilidade: o home office, teletrabalho, ou trabalho a distância através das redes.

Quando, por volta de meados de março, o novo coronavírus forçou o esvaziamento dos escritórios, as velhas profecias voltaram à tona.

O jornal “El País”, versão em português, publicou rica reportagem sobre o caso, registrando que sete de cada dez empresas espanholas enviaram seus funcionários para trabalhar em casa.

Assim, mais de três milhões de pessoas caíram no trabalho remoto durante o confinamento. Quadriplica a pequena proporção que tinha achado conveniente fazê-lo em algum período da semana, em boa medida devido à peculiaridade de suas funções.

O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) calculou que no Brasil 20,8 milhões de pessoas poderiam seguir o mesmo rumo.

terça-feira, 29 de setembro de 2020

Mulher soldado repele
efeminação antipatriótica da ‘linguagem inclusiva’

Lucía Herrera junto com soldados da sua unidade.
Lucía Herrera junto com soldados da sua unidade.
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






A denominada “linguagem inclusiva” de tal maneira contraria a ordem natural e o bom senso que vem se prestando até a fatos, programas ou cenas cinematográficas cómicas.

Mais um caso caraterístico deu-se recentemente na Argentina.

A tendência adotada por altas autoridades políticas deram azo ao boato, depois negado, de que o governo reescreveria as marchas militares seguindo essa moda.

Uma mulher que trabalha no Hospital Militar de Salta como membro das Forças Armadas escreveu carta pública patenteado a anti-naturalidade da proposta.

Ela se sentiu ofendida por esse efeminamento antipatriótico e se definiu como soldado – nem “soldada” nem “soldade” – repelindo a linguagem “inclusiva”. A carta foi publicada na íntegra no “La Nación”.

“Meu nome é Lucía Zordán Herrera, sou um soldado de primeira classe, sim, um soldado, nem “soldada” nem “soldade”, sou um soldado.

“Somos soldados, tenho orgulho de pertencer a uma instituição tão majestosa, não tenho vergonha de dizer isso”, disse a mulher em um post no Facebook.

Zordán Herrera destaca com orgulho suas experiências nas Forças Armadas: “sei manejar as diferentes armas, tive a sorte de poder atirar com canhão, dirigi caminhões, conheci as diferentes facetas de ser soldado, com os serviços de armas, ir para o campo,...

terça-feira, 1 de setembro de 2020

Platão ensinava mais e melhor que o computador

Solidão e perplexidades não resolvidas diante da tela.
Solidão e perplexidades não resolvidas diante da tela.
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






Platão (427-347 a.C.), o filósofo grego que triunfa no topo dos melhores mestres da humanidade, defendia a primazia da oralidade sobre o escrito, sobretudo quando a letra em tinta prejudica o relacionamento entre professores e alunos.

Nunca foi possível encontrar um estímulo mais belo para o ensino, e falamos do moderno também, que a comunicação moral e intelectual entre o mestre e o discípulo.

“O intercambio oral recíproco é uma ocupação séria; disse Nietzsche, escrever é apenas um jogo”.

Por isso, a educação a distância, que alguns acham ideal, seria um desastre, argumenta o filósofo Philippe Nemo, diretor da Faculdade de Paris, autor de inúmeros livros sobre o tema, em artigo para “Le Figaro”.

As novas mídias eletrônicas e a Internet, em nome da modernidade, podem substituir a Escola e o Professor?

Se alguém se apoia na definição de ensino dada por Santo Agostinho em De Magistro, que não envelhece há mil e seiscentos anos, o ensino consiste em dirigir o olhar do estudante para a verdade. E isso requer sobre tudo fala, tempo e adequação ao olhar do principiante.

terça-feira, 18 de agosto de 2020

Piercing: moda de escravos e degradados virou bacana


Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






Orelha, sobrancelha, queixo, nariz, bochechas, língua — tudo serve.

A moda de incrustar objetos no corpo é a moda da dor e da infelicidade.

Mais assustador é o fundo moral e psicológico que ela revela.

Um historiador da arte, Denis Bruna, pesquisou antecedentes no mundo cristão.

No pagão, não precisava, pois índios americanos e selvagens africanos ainda costumam deformar o corpo com artifícios até mais sádicos e supersticiosos.

Em pinturas do fim da Idade Média, Bruna descobriu indivíduos com a face traspassada com anéis, cadeias, penduricalhos ou broches.

Numa Via Crucis de Hieronymus Bosch, os carrascos de Nosso Senhor aparecem com piercing, com o rosto furado por anéis. Uma parteira histérica, um velho lúbrico e infiéis também portam esses piercings como estigmas de infâmia.

Dois mil anos depois da Paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo, a humanidade que recusou a Igreja e a Civilização Cristã disputa, para cravar em suas carnes, os sinais que outrora os pintores punham nos torpes semblantes dos carrascos que atrozmente crucificaram o Cordeiro sem mancha, nosso Divino Redentor.

terça-feira, 4 de agosto de 2020

A educação online não leva a porvir verdadeiro algum

No culturalmente riquíssimo Museu del Prado,
turma se desinteressa da arte para consultar o celular
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs





Os períodos de crise, como a da pandemia, são propícios para os augures e profetas do mundo que virá depois, escreveu Charlotte Fillol, especialista em educação e administradora do prestigioso Instituto Sapiens de Paris, nas páginas do “Le Figaro”.

Nada será como antes, fala o torvelinho adivinhatório, nem mesmo a educação.

A educação online seria imparável. O fechamento geral das escolas levou muitos jovens a procurar dados na Internet. Mas parece muito prematuro achar que esse fenômeno esporádico tenha chegado para ficar.

Numerosos pacientes acharam que este ou aquele remédio era eficaz contra o novo vírus, mas não se segue de ali que se tenha mostrado infalível.

O mero fato da crise do coronavírus ter constrangido mestres e alunos a procurar auxílios em linha não quer dizer que foi achada a fórmula do futuro para a educação, como por um golpe mágica.

De fato, a educação online continua sendo mais um problema do que uma solução, piorada pelo fato do modelo escolhido não ter sido o bom.

Em todos os campos da experiência humana onde irrompeu o digital parecia ter surgido uma solução tecnológica que facilitaria a atividade, sobre tudo industrial, maquinal ou burocrática.

terça-feira, 21 de julho de 2020

O tele-ensino mata o ensino e bloqueia o aprendizado

A informação estereotipada a distância pode produzir as reações mais desencontradas e danosas
A informação estereotipada a distância pode produzir as reações mais desencontradas e danosas
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






Com o Covid-19, a mídia voltou a insistir que o futuro da educação está no tele-ensino e aplicativos, com suas derivações como o tele-trabalho.

Esses elogios entusiastas da interação a distância, entretanto, não resistem à evidência mais primária: o ensino envolve antes de tudo um relacionamento humano entre o mestre e o aluno.

O assunto pegou fogo no Canadá e foi objeto de polêmica no site Pour une école libre au Québec

Um ensino praticado através de uma tela digital mata o relacionamento vital entre o professor e o discípulo.

Essa convivência é tão básica e prévia a qualquer escolha humana que foi elogiada pelos grandes educadores da humanidade na Antiguidade, para começarmos por ai. Falamos de mestres insuperáveis como o filósofo grego Platão.

É preciso louvar, como fez Stéphane Ratti, professor Universitário de Línguas Clássicas e autor de inúmeros livros sobre o assunto, o “trabalho admirável dos professores que nos nossos difíceis tempos desenvolvem tesouros de imaginação para manter o contacto com seus alunos, definindo a natureza profunda e autêntica de uma missão que não pode se reduzir a um ensino a distância”.

terça-feira, 7 de julho de 2020

No Ocidente paira o espectro de Lenine

Espírito de Lenine continuou sendo transmitido no Ocidente e hoje atiça inversão de valores.
Espírito de Lenine continuou sendo transmitido no Ocidente
e atiça toda espécie de inversão de valores.
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






No último dia 22 de abril Vladimir Putin deveria ter sido consagrado como líder mono-árquico de um “czarismo” moderno ainda mais despótico, agravado por uma ditadura vitalícia como não foi sequer a de seu sanguinário xará.

O COVID-19 o obrigou a adiar a entronização ilegítima, que deveria ser legitimada por um referendo falseado.

A data foi cuidadosamente escolhida, porque foi num 22 de abril, há 150 anos, que nasceu Vladimir Ilyich Lenin, o fundador da União Soviética e responsável por uma enormidade de crimes contra o sofrido povo russo e o mundo.

Lenin foi o organizador e criador da tática mais mortífera que a Terra gerou, da estratégia inspiradora das atrocidades modernas oriundas do comunismo soviético.

A influência de Lenin se projeta ainda hoje, segundo a jornalista Karina Mariani, do “La Prensa” de Buenos Aires.

Sua realização — a ditadura do proletariado marxista — continua avançando em ziguezagues e metamorfoses, com a determinação que exigia o Vladimir fundador, apesar de derrotas e crises.

terça-feira, 23 de junho de 2020

Enterrado como rei

Confraria de Les Charitables leva o busto de Santo Eloi em procissão
Confraria de Les Charitables leva o busto de Santo Eloi em procissão
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






Na cidade de Béthune, no norte da França, há 800 anos a Irmandade dos Charitables de Saint-Éloi dá cristã sepultura aos mortos em que ninguém quer tocar.

Não faz diferença entre ricos e pobres. Não há pompas fastuosas nem imponentes cortejos, mas apenas uma confraria medieval, que hoje usa roupas que evocam os tempos napoleónicos, segundo descreveram “Le Figaro”, “Clarín” e ainda outros grandes órgãos de imprensa impressionados com o caso. Como o britânico “The Guardian” , os franceses “Le Point”  e “La Croix international”

Na cidade, quase 90% dos enterros é feita pela Irmandade e “é exceção quando uma família não recorre a nós”, diz o seu Robert Guénot.

Guénot, com 72 anos de idade, não temeu enfrentar a pandemia, que é apenas mais uma das que passaram pelos oito séculos de história dos Caridosos de Santo Elói.

terça-feira, 9 de junho de 2020

Bilocação do Padre Pio para assistir
ao Cardeal Mindszenty no cárcere comunista

Bilocação do Padre Pio: mosaico na cripta do Santuário, San Giovanni Rotondo.
Bilocação do Padre Pio: mosaico na cripta do Santuário de San Giovanni Rotondo
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs








O vaticanista Andrea Tornielli publicou no site Vatican Insider, um sério testemunho da bilocação do Santo Padre Pio ao cárcere da Hungria onde padecia o Cardeal Mindszenty.

O herói anticomunista húngaro foi adversário acérrimo da política de distensão do Vaticano com os governos comunistas, conhecida como “Ostpolitik”.

Eis um resumo do artigo de Tornielli:

Um novo elemento acaba de ser adicionado à coleção de episódios milagrosos que acompanharam a vida de São Pio de Pietrelcina.

Trata-se de um testemunho publicado em um livro apresentado no décimo aniversário da dedicação do novo santuário de San Giovanni Rotondo, onde está sepultado o corpo do capuchinho.

O testemunho diz respeito a uma bilocação que levou o Padre Pio à cela em Budapeste onde estava preso o cardeal József Mindszenty, Primaz da Hungria.

terça-feira, 19 de maio de 2020

Na mesa se decide o fracasso ou o triunfo familiar e social

Comer em família é indispensável sem invasão digital
Comer em família é indispensável sem invasão digital
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






Num lar típico de advogados bem sucedidos em Buenos Aires os pais e os filhos não tomavam as refeições reunidos. Reinavam smartphones, tablets, laptops ou TV de plasma.

Os pretextos ou alegados eram muitos: horários de trabalho ou escola, atividades diversas intensas, etc. Até que a família pensou voltar a partilhar as refeições.

Não foi fácil pois os filhos nem sabiam dialogar e cada um comia o que pediu ao delivery, explicou “La Nación”.

Então experimentaram ao vivo o que ouviram de muitos psicólogos especialistas em vida social: quando a mesa familiar não é partilhada como é natural, o desenvolvimento social crianças e adultos sofre um impacto negativo.

terça-feira, 12 de maio de 2020

Silencia-se a voz de Nossa Senhora em Fátima
Só fala o pai da mentira e a Terra treme

Nossa Senhora de Fátima luta contra a prostituta do Apocalipse que seduziu os poderes da Terra com a taça de todas as abominações
Nossa Senhora de Fátima luta contra a prostituta do Apocalipse
que seduziu os poderes da Terra com a taça de todas as abominações
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






Enquanto a humanidade padece as mortes, os sofrimentos e as incertezas decorrentes da epidemia do coronavírus, no “anel de fogo do Pacífico”, o vulcão Anak Krakatoa entrou mais uma vez em aterradora explosão, observou o jornal argentino “La Voz” de Córdoba.

A voz de Fátima chegará a nós: ainda que o inferno se oponha

Construíram uma paz sem Cristo, uma paz contra Cristo.

O mundo se afundou ainda mais no pecado, a despeito da mensagem de Nossa Senhora.

Em Fátima, os milagres se multiplicavam às dezenas, às centenas, aos milhares.

E tudo isto não obstante, ninguém dava ouvidos a Fátima.

Passaram-se mais de vinte anos.

Um belo dia, sinais estranhos se viram no céu... era uma aurora boreal, noticiada por todas as agências telegráficas da terra.

Dentro em breve a guerra viria.

A guerra veio dentro em breve.

“Se hoje ouvirdes Sua voz, não endureçais vossos corações”, diz a Escritura.

">No dia de sua festa, mais uma vez a voz de Fátima devia chegar a nós.

E foi silenciada pelos que deviam faze-la ecoar no mundo.

Na sua festa reprimida, escreveu em manchete o jornal português “Observador”:

“Fátima foi ‘deserto escuro’ num santuário vazio, em noite de velas sem luz”

Poderia se tentar um abafamento pior da voz de Fátima?

Em 2018 esse vulcão explodiu, gerando um tsunami que matou mais de 400 pessoas. O Anak Krakatoa está emergindo pela pressão de uma imensa caldeira de lava acumulada sob o nível do mar.

Ela se mantém desde a histórica explosão do Krakatoa “pai”, enquanto o Anak Krakatoa funciona como válvula de escape (Anak na língua local significa “filho”).

Krakatoa designa uma explosão histórica simultânea de três vulcões que em 1883 fizeram desaparecer uma ilha inteira, matando mais de 36.000 pessoas.

terça-feira, 28 de abril de 2020

Tela digital traz riscos para bebês

O melhor brinquedo para uma criança de poucos anos é outra criança: é feliz, curioso e criativo
O melhor brinquedo para uma criança de poucos anos é outra criança: é feliz, curioso e criativo
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs







O melhor brinquedo para uma criança de poucos anos é outra criança: fica feliz, curiosa e criativa.

As telas digitais melhoram as qualidades isoladamente, aumentando o risco de fragmentar o aprendizado, explicou o psiquiatra infantil Christian Plebst, Coordenador para América Latina da Academy for Mindful Teaching – AMT Holanda, em artigo para “La Nación”.

Por isso, a reputadíssima American Pediatric Society dos EUA afirma que antes dos 18 meses de idade, nenhum menino deve ficar diante de uma tela digital.

A exposição precoce à imagem digital risca interferir no desenvolvimento da mente, do cérebro e do corpo inteiro.

Hoje, são detectados distúrbios graves de linguagem, aprendizado, atenção e conexão em crianças e adolescentessuperexpostos a telas virtuais, diz o Dr. Plebst.

O bom de limitar as imagens digitais às crianças é que elas “se reconectam” consigo mesmas e com os outros.

terça-feira, 14 de abril de 2020

Comunismo iça suas bandeiras em países católicos

Esquerda histórica e extrema esquerda espanholas comemoram ascensão ao poder
Esquerda histórica e extrema esquerda espanholas comemoram ascensão ao poder
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






A ideologia comunista avança na Europa de mãos dadas com o progressismo ousado do pontificado do Papa Francisco nos países que se destacavam por sua catolicidade, apontou o site “Corrispondenza Romana”.

A mais assustadora bandeira vermelha foi desfraldada na Espanha através do governo constituído pela aliança entre o velho PSOE e o novo e extremista PODEMOS, financiado em seu início por Hugo Chávez.

Eles criaram um pacto voltado diretamente contra a Igreja: violaram os acordos vigentes com a Santa Sé; baniram o ensino da religião nas escolas, impuseram uma perversa educação “afetivo-sexual”, mero cavalo de Tróia do espírito contraceptivo, abortista e aberto aos LGBT; negaram aos progenitores o direito de escolher para seus filhos a escola e a educação religiosa.

O surto de coronavírus está servindo de pretexto para instalarem um ditatorialismo social e econômico.

domingo, 22 de março de 2020

São Sebastião: o grande vencedor das epidemias

São Sebastião, vencedor das epidemias. Igreja de Sant'Agostino, San Gimignano, Itália (detalhe).
São Sebastião, vencedor das epidemias.
Igreja de Sant'Agostino, San Gimignano, Itália (detalhe).
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






São Sebastião, o famoso mártir nasceu em Narbonne (atualmente na França) no ano 256 da era cristã, foi educado em Milão, norte da Itália, de onde era sua mãe.

Seu pai era militar e ele ingressou como soldado no exército do Império de Diocleciano e logo tornou-se primeiro capitão da guarda.

Nesta época, a Igreja e os cristãos sofriam duras perseguições por parte do imperador, que queria aniquilar o cristianismo.

Porém, Sebastião confortava os cristãos presos e os exortava ao heroísmo servindo-se do prestígio de sua condição de oficial.

Acabou sendo denunciado e conduzido à presença do imperador.

Sebastião venceu todo medo e com grande sabedoria e inspirado pelo Espírito Santo increpou o imperador.