quarta-feira, 22 de agosto de 2018

Prazer sadomasoquista em prisão soviética ou prelibação do inferno?

Hóspedes-prisioneiros recebidos no hotel-prisão de Karosta.
Hóspedes-prisioneiros recebidos no hotel-prisão de Karosta.
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






É atrativo passar uma noite num antro de sofrimento por onde passeou a morte? E, mais ainda, numa cela soviética na Letônia?

Há turistas que acham que sim.

Chega-se à prisão de Karosta, em Liepaja, oeste da Letônia, sobre o mar Báltico, atravessando uma densa floresta onde foram fuzilados e enterrados não poucos reclusos.

Os funcionários recebem com uniformes militares e gestos adustos. E instruem os hóspedes sobre as normas para sobreviver uma noite, narra uma reportagem de “La Nación” de Buenos Aires.

Hora de ir deitar no hotel-prisão de Karosta.
Hora de ir deitar no hotel-prisão de Karosta.
Construído por volta de 1900 para ser hospital, os comunistas o transformaram em cárcere inexpugnável do qual cativo algum evadiu com vida.

Começou a funcionar sob o czarismo russo, foi requintado pelo bolchevismo, por nazistas e por comunistas soviéticos e funcionou até 1997.

Foi posteriormente reciclado em museu, teatro, e agora em hotel de terror que oferece a experiência de sentir por algumas horas as angústias de um condenado.

Em rigor, não é bem o mesmo, porque o hóspede sabe que sairá em hora marcada, sem ferimentos e levando seus objetos pessoais.

Mas há opções que compensam essas “felicidades burguesas”.

Os carcereiros reproduzem em montagens cenas que teriam aterrorizado os antigos condenados.

Quarto de luxo na presídio sado-masoquista de Karosta.
Quarto de luxo na presídio sado-masoquista de Karosta.
Há uma opção de quarto pequeno, mas limpo, com duas estruturas de ferro que sustentam uns esquálidos colchões.

Na segunda opção, a cela é mais escura e só tem uma janelinha através da qual se filtram débeis raios de luz e onde esqueléticos colchões se apoiam diretamente sobre o chão cinza e gélido.

Após o check-in, um guia e um carcereiro conduzem o hóspede pelos andares do cárcere, contando fatos trágicos e cruéis, histórias de fantasmas, de mortos que deambulam pelos corredores e os métodos de castigo de épocas pretéritas.

O interruptor da luz do quarto fica no corredor, a dois metros de altura.

O hóspede-presidiário logo percebe que em seu setor não há mais ninguém.

A porta do quarto é de madeira grossa e pesada, e só fecha por fora.

Uma janelinha permite ao guarda vigiar tudo o que acontece.

Revista de horror na ex-prisão soviética de Karosta.
Revista de horror na ex-prisão soviética de Karosta.
O toalete fica na outra extremidade do pavilhão.

Chega-se até ele caminhando num silêncio inquietante através de um longo e lúgubre corredor mal iluminado.

Através das janelinhas das celas pode-se ver o que há nos cubículos vazios.

O pátio do cárcere é a única alternativa de distensão, mas é sombrio e transmite a opressão de espírito que afligia os detentos.

Apagando-se a luz, o silêncio afia os sentidos: qualquer som ou palavra no quarto se amplifica, antes de desaparecer na escuridão.

Quartos são prefigura dos confinamentos infernais.
Quartos são prefigura dos confinamentos infernais.
As histórias tétricas do local, as aberrações ali praticadas, as tragédias que se desprendem das paredes assaltam o pensamento.

Na manhã seguinte o guarda acorda o hóspede e o manda arranjar a cama.

Lá fora um militar ordena um grupo de jovens a realizar exercícios militares antes de ingressar na prisão.

O que faz alguém querer passar por esse túnel de horrores?

A doutrina católica diz que vai ao inferno quem quer.

O hotel-prisão de Karosta ajuda a compreender como isso pode acontecer.



quarta-feira, 8 de agosto de 2018

Socialismo escandinavo vira inferno de igualitarismo e atrito étnico-cultural

Solidão e depressão nórdica.
Solidão e depressão nórdica.
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs


Costuma-se ainda a apresentar os países escandinavos como um paraíso material resultante de um igualitarismo avançado.

Neles os sistemas públicos seriam exemplares, os rankings de felicidade entrariam no ‘top 10’, e a igualdade de gênero teria tornado invejáveis a vida e o progresso social.

Porém, a verdade está longe dessa fachada de modernidade igualitária bem-sucedida, conforme registrou reportagem do jornal portenho “La Nación”. “Existe um lado mais obscuro, conhecido por poucas pessoas”, escreve.

“Esses países parecem deslumbrantes. Muitos não enxergam além da ‘felicidade’, da riqueza, da abertura e da democracia.

“Acredito que as pessoas queiram achar que existe em algum local do mundo uma utopia maravilhosa”, explica o jornalista inglês Michael Booth, autor do livro Pessoas quase perfeitas. O mito da utopia escandinava.

Na última década, a residência de “Alice no país das maravilhas” e de Papai Noel foi imaginada na Escandinávia.

Porém, quando quanto mais alto se sobe no mito, mais dolorida é a queda na realidade.

A Suécia, país de 9,9 milhões de habitantes, é o mais conhecido do maravilhoso país de Alice por seu modelo de suposto bem-estar material.

Seu sistema estatal, intensamente socializado, faz de cada indivíduo um ser plenamente independente, pelo menos na teoria.

Mas o resultado final foi inesperado e devastador: a solidão se transformou em epidemia. A metade dos suecos vive sozinha e um de cada quatro morre sem ter quem o acompanhe.

Islândia: à testa do consumo mundial de antidepressivos
Islândia: à testa do consumo mundial de antidepressivos
O documentário “A teoria sueca do amor” exibe essa crua realidade com o caso de um homem achado morto em seu apartamento dois anos após o óbito. Suas contas caíam no débito automático e os vizinhos nem ligaram para a sua longa ausência.

O famoso etnólogo sueco Ake Daun conta no livro A mentalidade sueca que é comum as pessoas subirem pela escada para não se encontrarem com alguém no elevador, “de medo de não serem capaz de excogitar algo sobre o que falar”.

Segundo inquérito privado do Banco HSBC, embora a Suécia seja tida como 8º melhor país do mundo para se viver e trabalhar, no quesito amizade está no último lugar dos 46 países estudados.

A Islândia, recentemente muito louvada pelos seus sucessos no futebol, é um dos países que más consume antidepressivos no mundo.

E não é porque seus cidadãos não vivem felizes, pois, segundo a ONU, é o 4º país mais feliz do mundo, além de ser apresentado pela mídia como modelo de vida saudável.

É porque 11,8% de seus 334.000 habitantes consomem antidepressivos diariamente, segundo a Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômicos (OCDE). A Islândia está no primeiro lugar em nível mundial nesse negro recorde.

Segundo Andreas Vilhelmsson, doutorado em Saúde Pública pela Universidade de Lund, Suécia, as investigações “sugerem que, a pesar do aumento do consumo dos antidepressivos, não se constata um impacto positivo na saúde pública”.

Alguns especialistas atribuem essa depressão generalizada ao isolamento geográfico, ao frio e à falta de sol. Mas é uma teoria.

Consumo de heroína em Oslo é recorde na Europa.
Consumo de heroína em Oslo é recorde na Europa.
Fora da Finlândia, o país é sinônimo de igualdade de oportunidades. Em 2017 ficou como o terceiro país mais igualitário em matéria de igualdade de chances para os sexos.

Mas a fachada estatística esconde que a taxa de violência de gênero é das mais elevadas do mundo.

Os investigadores espanhóis Enrique García e Juan Merlo, da Universidade de Valencia (Espanha) e de Lund (Suécia), cunharam a expressão “paradoxo nórdico” para tentar explicar essa chaga social que também aflige a Noruega, a Suécia e a Dinamarca.

Eles tentaram explicar o “paradoxo” com o consumo de álcool. Mas García explicou que isso é “só uma hipótese possível” entre outras.

O Swedish Research Council concede verbas para que os cientistas tentem decifrar o enigma. Mas eles não acham explicação na ciência, prescindindo, é claro, da moral e da religião.

A Noruega nada no petróleo e nenhum país do mundo a supera no tocante às benesses distribuídas pelo Estado. Mas o mal-estar generalizado induz ao consumo de heroína em volumes preocupantes.

É o país escandinavo mais rico e o mais desenvolvido do planeta, segundo o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), elaborado pela ONU.

Porém, possui a terceira maior taxa de mortes por overdose de drogas na Europa: 81,5 por milhão, quando a média europeia é de 21,8 por milhão, segundo o Observatório Europeu das Drogas e das Toxicomanias (OEDT).

Alto consumo de alcool e violência familiar na Finlândia.
Alto consumo de alcool e violência familiar na Finlândia.
A mortalidade tão elevada é atribuída à combinação de álcool com excesso de heroína, que hoje está sendo substituída por drogas sintéticas.

Para “resolver” o problema, em dezembro de 2017 o Parlamento despenalizou as drogas. Os viciados não responderão mais à Justiça, mas serão tratados pelo Ministério da Saúde.

Na Dinamarca, a paz social desapareceu. Seus 5,7 milhões de habitantes foram rachados ao meio, colididos pelo fluxo migratório islâmico e africano.

Alguns preferem continuar como um povo pequeno, mas homogêneo, pacificamente instalado em sua península e suas ilhas.

Mas desde 2015 uma torrente de imigrantes ilegais ingressou no país, desfazendo a unidade social.

A chamada ‘ultradireita’ – incarnada especialmente pelo Partido Popular Dinamarquês (DF), o mais votado nas últimas eleições – ergueu o machado viking de guerra. E pediu o confisco dos bens dos recém-chegados, para custear a permanência deles no país. A lei não passou, mas o país rachou.

“Nos países nórdicos, os partidos anti-imigração dominam o discurso político. Todos viram para a direita.

“A Dinamarca, que está na ‘linha de frente’ junto com a Alemanha [n.r.: diante da afluência de imigrantes ilegais], impôs unilateralmente regras muito draconianas”, explicou ainda o jornalista inglês Michael Booth.

Dinamarca atritos raciais e ideológicos com os imigrantes romperam a paz social.
Dinamarca atritos raciais e ideológicos com os imigrantes romperam a paz social.
Uma delas consistiu em desmanchar guetos (já há 22 no país) formados pelos imigrantes. O governo anunciou que derrubaria prédios para forçá-los a “se misturarem com pessoas de origem diferente”, leia-se dinamarqueses.

Crimes de toda espécie explodiram, sobretudo nas mal afamadas áreas dos guetos. A lei irá puni-los com penas dobradas.

Isso feito, a guerra étnica, cultural, social, religiosa e legal se desdobrará em proporções assustadoras em todos os países escandinavos.

Em suma, a utopia igualitária está tendo um resultado catastrófico.

Mas a mídia continua nos apresentando esses caldeirões em ebulição como sendo ainda o mundo maravilhoso de Alice.