segunda-feira, 24 de junho de 2019

Menos rede social melhora a sociabilidade!

Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs








As prestigiosas universidades de Stanford e Nova York elaboraram um dos mais exaustivos estudos já feitos até o presente sobre os efeitos do uso atual das redes sociais, informou “El Mundo” de Madri.

Uma conclusão inesperada é que abandonar o uso de redes como Facebook melhora a saúde mental, a sociabilidade e o estado de ânimo das pessoas.

O estúdio acompanhou mais de 2.800 pessoas recrutadas a través de anúncios nessa rede social.

A uma metade foi pedido desativar as contas de Facebook durante quatro semanas, enquanto que a outra metade serviu como “grupo de controle”.

Os participantes também se submeteram a diversificados testes a respeito da atualidade e descreveram suas rotinas diárias e seu estado de ânimo durante o experimento.

Os responsáveis do estudo tiveram licença para monitorar as contas dos voluntários para garantir que realmente permaneciam inativos.

Aqueles que deixaram de usar a rede social, dedicaram mais tempo a se relacionar com amigos e familiares. Também realizaram atividades não relacionadas com a Internet.

“A desconexão causou pequenos mas importantes melhoramentos na sensação de felicidade e satisfação, reduziu os níveis de ansiedade e depressão”, garantem os responsáveis pelo estudo.

Após completar as semanas de desconexão, os usuários voltaram a usar Facebook, mas reduziram o tempo que lhe dedicavam diariamente.

Isso indica que até uma desconexão temporária pode ter efeitos positivos nos costumes das pessoas.

O tempo diário dedicado a Facebook se contraiu num 23% em relação ao grupo de controle.


segunda-feira, 17 de junho de 2019

Origem, história e signficado da festa de Corpus Christi

No século XIII nasceu um Movimento Eucarístico que deu origem à Exposição e Bênção do Santíssimo Sacramento

Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




Neste ano a festa de Corpus Christi cai no dia 20 de junho. Nela se comemora a presença real de Jesus Cristo no Santíssimo Sacramento.



Na Idade Média, os homens tinham uma devoção enlevada pela pessoa de Nosso Senhor Jesus Cristo.

Para libertar seu túmulo dos pagãos muçulmanos fizeram cruzadas.

A história da festa de Corpus Christi tem origem nessa devoção.

Pelo fim do século XIII, na Abadia de Cornillon, em Lieja, Bélgica, nasceu um Movimento Eucarístico que deu origem à Exposição e Bênção do Santíssimo Sacramento, o uso dos sinos na elevação na Missa e a própria festa do Corpus Christi.

A abadessa Santa Juliana de Mont Cornillon ardia em desejos de que o Santíssimo Sacramento tivesse uma festa especial.

segunda-feira, 10 de junho de 2019

Blasfêmia sistematizada na catedral de Innsbruck

Cristo desmembrado: seus divinos braços servem de ponteiros de relógio blasfemo na catedral
Cristo desmembrado: seus divinos braços servem de ponteiros de relógio blasfemo na catedral
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs







Extravagâncias litúrgicas
do 'bispo-artista' Mons.Glettler.
Mons. Hermann Glettler, bispo da histórica diocese de Innsbruck, Áustria, coroou uma longa série de despautérios blasfemos, feitos sob pretexto de ‘arte moderna’, com espantosa profanação de uma imagem de Cristo crucificado, escreveu “Corrispondenza Romana”.

Diante do altar e pendurado do teto instalou um grande Crucificado cabeça para abaixo e que tem os braços arrancados para servirem de ponteiros de um banal, mas grande relógio.

Monstruosas blasfêmias com frequência de significado infernal veem sendo hoje concebidas ou proferidas alegando falsamente um estilo “artístico contemporâneo”.

Pretextam que adotando a 'nova cultura', a Igreja se mostraria atenta aos “sinais dos tempos” e atrairia novos fiéis.

Mas, desta vez foi nada mais e nada menos que no interior da catedral de Santiago de Innsbruck e na histórica e belíssima igreja do Hospital da capital do Tirol do norte.

As ofensas que ficarão expostas durante a Quaresma foram confeccionadas pelo artista austríaco Manfred Erjautz por encomenda direta do bispo diocesano Mons. Hermann Glettler, pavoneado de “bispo-artista” e, encarregado da área “Arte e cultura” da Conferência Episcopal austríaca.