segunda-feira, 22 de julho de 2019

Pe. Amorth e exorcismo: como se defender do diabo

Padre Gabriele Amorth e demônio exorcizado,  detalhe da porta de bronze da catedral de Pisa
Padre Gabriele Amorth e demônio exorcizado,  detalhe da porta de bronze da catedral de Pisa
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






APONTAMENTOS COLHIDOS ENQUANTO ASSISTIA AO VÍDEO. NÃO SÃO AO PÉ DA LETRA, MAS TENTAM REGISTRAR OS CONSELHOS ESSENCIAIS.

Pergunta: O que é o diabo?

Pe. Gabriele Amorth: É um puro espírito criado por Deus. Foi submetido a uma prova porque Deus quis que todos os seres inteligentes chegassem à felicidade da visão beatifica com mérito pessoal, nunca pela força.

Os anjos foram submetidos a uma prova de humildade e obediência. Satanás que era o mais esplendoroso deles se rebelou contra Deus e convenceu uma grande quantidade de anjos a se opor.

Foi um ato de orgulho e rebelião feito com uma inteligência e com uma consciência de tal maneira perfeita que dele não se volta atrás.

Pergunta: por que?

Pe. Gabriele Amorth: Uma vez perguntei a um demônio se eles são muitos. E respondeu: somos tantos que se fôssemos visíveis obscureceríamos o sol. Portanto a quantidade é enorme. A quantidade dos anjos é sem dúvida maior.

Detalhe do Tríptico do Juízo Final, Hans Memling (1430 - 1494).
Detalhe do tríptico do Juízo Final, Hans Memling (1430 - 1494).
Museu Narodowe, Gdansk, Polônia.
Nos diabos há um reino de ódio. Entre eles se detestam. Quem está abaixo tem medo de quem está acima.

Eles se revoltaram tomados por um sentimento de detestação, de ódio a Deus. Seu verdadeiro nome é blasfêmia.

A finalidade de sua existência passou a ser levar o homem ao pecado e arrasta-lo ao inferno.

Pergunta: Como perceber a ação do diabo?

Pe. Gabriele Amorth: É preciso ver claro as causas por onde nós caímos no pecado. São três:

1) As consequências do pecado original, a concupiscência: tendências ao mal.

2) O mundo apresenta muitas ocasiões para o bem e para o mal. Quando saiu a TV, o Pe. Pio ficou furioso e lhe disseram: “mas Pe. Pio é um invento maravilhoso que pode fazer muito bem”.

E ele dizia: “mas vereis que uso farão dela”. Um rapaz diante da TV pode olhar um programa bom ou um ruim. Internet pode ser usado para o bem ou para o mal. E Deus nos deu a liberdade, mas....

3) Depois está a voz do demônio. O que faz ele? Naturalmente ele age sempre oculto porque o que ele mais quer é que não se acredite em sua existência.

Ele estuda cada um de nós e olha as tendências boas e más que nós temos. E depois suscita ocasiões no mundo para nos satisfazermos nossas tendências más. É sempre igual. Como com Adão e Eva.

Todo o mundo corrupto acha que ter aprovado o divórcio e o aborto é uma conquista da civilização.

Essa é a mentalidade sugerida pelo demônio: apresentar o mal como sendo bem, como um ganho, como aprender uma coisa que não se sabia.

Vejam a pornografia que há.

Mas, eu digo sempre que o Mandamento mais violado é o primeiro. Porque se quer construir uma sociedade sem Deus, baseada na razão e na ciência.

Maomé no inferno (acima na direita). Giovanni di Pietro Falloppi, ou da Modena (1379 – 1455), Cappella Bolognini.
Maomé no inferno (acima na direita).
Giovanni di Pietro Falloppi, da Modena (1379 – 1455), Cappella Bolognini
Pergunta: O diabo entra nas superstições, na magia?

Pe. Gabriele Amorth: Certamente, o diabo usa muito todos os canais de ocultismo explorando a curiosidade. Se a pessoa tende a falar com os mortos, a conhecer o futuro, etc., e vai ao cartomante, ao adivinho, esses estão ligados a Satanás, as sessões espíritas, seitas satânicas, missas negras e todas as vias de ocultismo em que a gente acredita aprender alguma coisa.

Harry Potter por exemplo: a gente acredita que é um livro para jovens, bom, vendido até em livrarias católicas.

O Yoga, algo que dizem para a distensão..., mas leva ao hinduísmo. Todas as religiões orientais estão baseadas na falsa crença na reencarnação. Levam ao mal, de modo oculto, enganoso.

Todas as fórmulas para ter poderes maiores dos que temos, “trabalhos”, amarrações, maldições, macumba, vodu...

Alguns por curiosidade caem em charlatões, mas as vezes achando que é charlatanice caem no conto de Satanás.

Pergunta: os possuídos são pessoas religiosas ou ateus?

Pe. Gabriele Amorth: Os que caem possessos podem ter religião ou serem perfeitamente ateus. O demônio pode possuir a todos.

Há mais possessões maléficas no mundo pagão do que no cristão. Eu exorcizei até maometano e hinduísta.

É difícil que um ateu procure um padre, mas sempre eu lhes digo que as bênçãos que eu lhes dou é em nome de Jesus Cristo, então ficam sabendo.

Quando uma pessoa reza é protegida por Deus. Porém, o racionalista corre mais risco de ser possuído.

Pergunta: Quais são as formas da possessão?

Pe. Gabriele Amorth: Há diversas formas.

Há possessões culpadas e não culpadas, é preciso ver cada caso.

São Miguel Arcanjo, Mestre de Zafra (por volta de 1499-1500) , Madri, Museu del Prado
São Miguel Arcanjo, Mestre de Zafra
(por volta de 1499-1500) , Madri, Museu del Prado
A primeira causa sem culpa: é uma iniciativa do demônio permitida por Deus, visando o bem. É o caso de pessoas santas.

A segunda causa sem culpa é quanto outrem lançou um malefício, ou seja, fazer mal a outro recorrendo ao demônio.

Há vexações em que o demônio ataca a pessoa sem culpa.

Por exemplo, Jó na Bíblia: o Senhor permite que o demônio o ataque para pôr a luz a fidelidade de Jó.

O Senhor permitia que o diabo batesse no Padre Pio, que eu frequentei 26 anos, para pelos méritos dos seus sofrimentos arrancar almas do diabo.

Mas é sempre por permissão de Deus porque senão o demônio não poderia fazer nada.

As duas formas culpadas são: quando o indivíduo se entrega a práticas de ocultismo: espiritismo, frequenta magos, cartomantes, etc.

Outra forma: há discotecas em que o itinerário é obrigatório: primeiro o álcool, depois a droga, depois o sexo e depois a seita satânica. O sujeito começa e acaba lá.

Na possessão culpada a pessoa quer ter poderes, falar línguas, etc.

Pergunta: como o Sr. percebe o possesso?

Pe. Gabriele Amorth: São Paulo diz que somos continuamente rodeados pelo demônios, os espíritos do mal nos circundam no ar. Não se veem com os olhos porque são espíritos fora do tempo e do espaço, mas se percebem pelos efeitos.

Por exemplo o caso de uma família em que uma criança começou a blasfemar, etc. Um dia o pai pensou em Nossa Senhora na hora de tomar uma colherada de sopa. O menino pulou na hora dizendo: “pai, acaba com isso!” Não é uma coisa humana.

Pergunta: Como se defende de um malefício?

Pe. Gabriele Amorth: Com a oração, com os sacramentos. Em geral é suficiente.

Pergunta: exemplos

Pe. Gabriele Amorth: Na hora do exorcismo eu ordeno o demônio dizer seu nome. É já uma derrota para ele porque não quer se fazer notar. E ele diz o nome porque é obrigado pelo poder de Cristo. Normalmente são nomes ridículos.

Pelo poder de Jesus Cristo eu sou mais forte que o diabo. Ele tem medo de mim. Se faz espalhafato não tem nenhuma importância.

O demônio possui só o corpo, nunca as almas. Ele possui as almas fazendo-as cair no pecado.

Tem gente que vende a alma ao diabo, se consagra até por escrito com sangue.

Eu já vi algumas dessas consagrações. São todas mais ou menos iguais: Satanás eu te pertenço, nesta vida te entrego a alma, te adoro só a ti..., e acaba pedindo: dai-me isto, aquilo, aquilo outro, dai-me riquezas, sucesso, prazeres.

Nesses casos não posso mexer. A pessoa deve renunciar para se liberar, mas é duro, pode conseguir, mas é duro, e demora.

E para terminar eu vos dou uma bênção.


Pe. Gabriele Amorth e o exorcismo: verdades para o III milênio (italiano)




13 comentários:

  1. Obrigado pelo resumo da palestra! Muito interessante!

    ResponderExcluir
  2. Eu não falo italiano, mas compreendo bem. Eu ouvi o entrevistador perguntando ao Pe. Gabriele sobre "fatture". O que seria "fatture"? Pelo contexto, entende-se que é um malefício, mas que tipo de malefício? Ou, é um termo genérico?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tampouco sei com precisão. O Dizionario Etimologico online traduz também como "feitiço" e "encantamento", enquanto termos próprios da bruxaria, com o senso etimológico de "fazer sacrifícios aos deuses", "fabricar filtros"

      Cfr.: http://www.etimo.it/?term=fattura&find=Cerca
      Nesse link conferir "feticcio"

      Excluir
    2. Obrigado pela resposta, Luis!

      Eu li a definição do dicionário conforme o senhor me indicou e, segundo entendi, equivaleria a expressão "trabalho" no sentido de obra de bruxaria.

      Excluir
    3. Acabo de descobrir uma expressão derivada de "fatture": "fattucchiere"!

      Encontrei essa expressão em uma entrevista com um exorcista italiano. É impressionante o tanto que esses exorcistas sabem sobre o mal! É claro que não devemos ter um interesse doentio pelo mal, mas, no mundo de hoje, em que as diversas práticas de ocultismo e bruxaria se tornaram comuns, esse conhecimento se torna necessário.

      Veja a entrevista!
      Malefici, fatture, malocchio, maghi, fattucchiere, sensitivi: intervista all’esorcista padre Lanfranco Piergallini
      https://gloria.tv/track/o9s82Ta9mmiF2pbTZ7pMEV2aX

      Excluir
  3. No final da entrevista, eles falam do caso de Aneliese Michel, uma moça alemã que sofreu uma terrível possessão como vítima pelos pecadores. O entrevistador pergunta ao Pe. Gabriele o que ele acha sobre o caso Aneliese, se o caso dela era uma possessão ou uma doença psiquiátrica. Eu não entendi o termo que ele usou para responder. Parece que ele diz: "possessione de malatia". O que ele teria querido dizer com isso?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Entendo: "secondo me era posseduta ma é morta per malattia". ("segundo meu ponto de vista ela estava possessa, mas morreu por causa da doença").

      Excluir
    2. Obrigado pela resposta!

      Achei interessante a opinião do Pe. Gabriele Amorth.

      Excluir
  4. O caso de Anneliese Michel é um caso profundamente impressionante, porque, mesmo sendo inocente, ela sofreu uma terrível possessão como vítima pelos pecadores.

    Já li que ela foi uma mística, mas que, infelizmente não foi reconhecida pela Igreja.

    Um filme que foi baseado em sua vida foi "O Exorcismo de Emily Rose".

    Inclusive na internet tem trechos dos áudios de seus exorcismos. É terrível!...

    ResponderExcluir
  5. Nos casos extraordinários usamos e recomendamos extrema prudência. Nunca divulgamos casos não aprovados ou não reconhecidos pela autoridade eclesiástica correspondente.
    Infelizmente nossos dias estão cheios de confusão ou fraudes.
    A experiência nos ensina que vale a pena aguardar e acatar o reconhecimento oficial. Se o fato for autêntico a Providência acaba arrumando um jeito de fazer prevalecer a verdade. Basta considerar o caso de La Salette, ou condenações padecidas injustamente por santos em vida ou depois de falecidos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pelo esclarecimento! Eu não tinha pensado nisso, mas, de fato, são considerações importantes.

      Excluir
  6. Gostaria de partilhar um vídeo legendado em português do Pe. Ripperger, exorcista americano. Nesse vídeo, ele responde a uma pergunta sobre tatuagens. É claro que nem todas as tatuagens tem alguma ligação com o ocultismo, mas a resposta do padre serve de alerta.
    Tatuagem é do demônio? ~ Pe. Chad Ripperger
    https://youtu.be/9SlkyF5EhjA

    ResponderExcluir
  7. Uma notícia terrível!
    Neste sábado, 17 de agosto, o Satanic Temple está planejando uma missa negra na cidade canadense de Ottawa!
    VEMOS DESSA FORMA COMO O COMBATE ESPIRITUAL DO FINAL DOS TEMPOS ESTÁ SE ACIRRANDO!
    Satanic Temple in Ottawa plans to hold first black mass in Canada August 17
    https://www.lifesitenews.com/news/satanic-temple-in-ottawa-plans-to-hold-first-black-mass-in-canada-august-17

    ResponderExcluir

Obrigado pelo comentário! Escreva sempre. Este blog se reserva o direito de moderação dos comentários de acordo com sua idoneidade e teor. Este blog não faz seus os comentários e opiniões dos comentaristas. Não serão publicados comentários que contenham linguagem vulgar ou desrespeitosa.