segunda-feira, 14 de abril de 2008

Decadência do clero deslustra Academia Francesa de Letras


A Academia Francesa de Letras [foto] orgulha-se de ter sempre entre seus membros cardeais ou eclesiásticos de alto nível.

Até 1935 houve 120 eclesiásticos “imortais”, porém hoje tem dificuldades para eleger algum religioso, segundo o diário “La Croix”.

A razão é que o clero “perdeu essa superioridade de cultura geral e essa aptidão para funções as mais variadas, em virtude das quais podia fornecer tantos candidatos para a Academia”, como escreveu em 1935 Mons. Alfred Baudrillart, historiador e “imortal” ele próprio.

O início dessa decadência cultural foi uma das conseqüências funestas da Revolução Francesa, e a atual crise progressista a leva agora a um paroxismo.