terça-feira, 25 de janeiro de 2022

'Entre celular e drogas não há muita diferença’, diz psicólogo espanhol

O psicólogo espanhol Marc Masip trabalha com jovens para educá-los sobre o uso adequado da tecnologia e evitar a dependência
O psicólogo espanhol Marc Masip trabalha com jovens
para educá-los sobre o uso adequado da tecnologia e evitar a dependência
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs







“O celular é a heroína do século 21” explicou o psicólogo espanhol Marc Masip em entrevista à BBC News Mundo, serviço de notícias em espanhol da BBC.

Facebook, Instagram ou WhatsApp pedem prestar atenção ao nosso grau de dependência das novas tecnologias, porque podemos estar feiamente viciados.

No dia 4 de outubro, milhões de pessoas ficaram frustradas quando as três plataformas acima ficaram fora do ar por seis horas.

Para alguns foi como a síndrome de abstinência que sofrem os que abandona as drogas, o álcool ou o cigarro.

Não é uma comparação exagerada diz o psicólogo espanhol Marc Masip: “O celular é a heroína do século 21”, diz ele sem rodeios.

Ele cuida do tratamento de desintoxicação em clínicas para viciados em tecnologia e onde a reabilitação pode se tornar mais difícil do que a dos dependentes dos narcóticos.

“Todo mundo sabe que as drogas fazem mal, enquanto que todos nós usamos as novas tecnologias sem saber o tamanho do dano que podem causar”, explica Masip na entrevista.

“As pessoas enlouqueceram [quando as mencionadas plataformas ficaram fora do ar] quando na realidade nada estava acontecendo. Estamos todos um pouco perdidos. Os vícios são como todos os vícios, e não há muita diferença entre o vício em drogas e o vício em telefone celular.

Adição às telas a ponto de esquecer as amizades é sintoma de vício
Adição às telas a ponto de esquecer as amizades é sintoma de vício
“As drogas não podem ser bem usadas, mas o celular pode. E tem gente que compara o celular a um martelo que pode ser utilizado bem ou mal, mas não conheço ninguém viciado em martelo”.

“Quando a heroína começou a ser consumida, não se sabia o quão ruim era, e no final morreu muita gente. Espero que não seja assim agora, mas tem gente que morre porque usa o celular até quando está dirigindo.

Há consequências para a saúde mental que ainda não entendemos por conta do abuso do telefone celular.

“Estamos vendo consequências no desempenho acadêmico dos jovens, acidentes de trânsito que podem levar ao pior, ansiedade, estresse, frustração, transtornos alimentares desencadeados pelo Instagram.

“Vemos como os jovens se comunicam por meio das telas de forma rápida, fácil e confortável, mas no cara a cara eles são covardes porque não têm ferramentas para sentir empatia, olhar ou abraçar.

“Mas acima de tudo o pior é a dependência, o humor das pessoas muda para pior quando ficam sem Facebook ou WhatsApp.

“Achamos que nossos filhos não terão amigos se não tiverem smartphone e redes sociais, mas isso é mentira.

Temos que proteger as crianças das telas para que não precisem tanto delas. Para uma criança, ter um smartphone antes dos 16 anos traz mais desvantagens do que vantagens.

Dependência do smartphone precede crises depressivas perigosa
Dependência do smartphone precede crises depressivas perigosas
“Se os adolescentes exigem smartphone, é sobretudo por causa das redes sociais. Mas o que as redes sociais oferecem para eles? Curtidas? Essa não é uma contribuição real. A curtidas são apenas uma injeção cavalar de dopamina.

“Na verdade, quanto mais o eu virtual se afasta do eu real, mais gera frustração. E essa frustração é muito próxima da dependência e do vício.

“É importante educar, sobretudo os mais jovens, que não é preciso mostrar sempre o que não somos ou o que gostaríamos ser para sermos aceitos. É preciso trabalhar muito a autoestima dos jovens.

“Por mais tecnologia que criem e mais dinheiro que invistam, nada será capaz de dar um abraço como outra pessoa te dá ou um beijo como a pessoa que você ama.

“Meça sua síndrome de abstinência. Se você precisa consumir algo quando não tem. É algo bastante evidente nas drogas, mas também acontece com as novas tecnologias.

“Observe também se você substitui atividades, se você deixa de fazer algo para ficar mais atento ao celular. Isso pode acontecer quando você passa tempo com a família, trabalha, dirige, pratica esportes ou sai de casa.

“Preste atenção se o celular faz você se evadir. Se você pega (o celular) para ver uma coisa, e passa uma hora sem que você perceba. Com esses exemplos, você pode se avaliar muito bem.

“É preciso regulamentar os próprios aplicativos, as próprias empresas, para que depois as coisas cheguem bem ao resto do mundo, sem elementos nocivos ou viciantes”.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário! Escreva sempre. Este blog se reserva o direito de moderação dos comentários de acordo com sua idoneidade e teor. Este blog não faz seus os comentários e opiniões dos comentaristas. Não serão publicados comentários que contenham linguagem vulgar ou desrespeitosa.