quarta-feira, 9 de março de 2016

“Cibercrime” pode paralisar um país inteiro

Marc Goodman  é especialista em cibercrime e colaborador do FBI, da OTAN e da Interpol.
Marc Goodman  é especialista em cibercrime e colaborador do FBI, da OTAN e da Interpol.
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




“O cibercrime poderá paralisar um país inteiro”, alertou Marc Goodman, especialista nesse novo tipo de crime que trabalha para a FBI, a NATO e a Interpol, segundo noticiou o jornal espanhol “El Mundo”.

Goodman, que é também fundador do ‘Future Crimes Institute’ da Singularity University, acaba de publicar o livro Os delitos do futuro.

Segundo ele, “as tecnologias que nos fascinam têm um lado intensamente escuro. Subestimamos que o poder desses progressos pode cair nas mãos de criminosos e terroristas. Isso implica riscos nunca antes vistos e dos quais nós ainda não somos bem conscientes.

“Nos velhos tempos o crime era praticado com facas e pistolas. Mas hoje o crime evolui com a tecnologia. Quando apareceram os trens, que foram uma grande inovação, os criminosos passaram a assaltar 200 pessoas por vez! No ano passado, no hackeo da Sony, roubaram a mais de 100 milhões de pessoas ao mesmo tempo. Quando foi que na história da humanidade alguém pôde roubar a 100 milhões e isso apenas com alguns clics?

“Cada vez que aparece um novo avanço, os criminosos estão ali para tirar proveito. Eles planejam ataques terroristas com o Google Earth e podem imprimir armas ilegais e pentes de balas em impressoras 3D”, acrescentou.

“Os hackers não só ameaçam piratear um computador ou roubar um cartão de crédito. Apenas nos EUA, 60.000 doentes usam marca-passos conectados pela internet. São usados para induzir estímulos elétricos à distância com finalidades médicas, mas nas mãos erradas são muito perigosos. Além do cibercrime, já existe o biocrime, pois já se pode programar vírus em laboratório computacional.

“Colocar todos os aspectos da vida na dependência da informática está nos tornando vulneráveis. Pode-se piratear desde o sistema de semáforos de uma cidade até as centrais elétricas. O cibercrime do futuro pode paralisar um país inteiro”.

Porém, acrescentou: “Os governos e as empresas não estão aplicando os meios suficientes para nos proteger dos riscos que se avizinham. Vendo as imagens de um atentado na televisão, você não percebe, mas já está sendo vítima do terrorismo. Al Qaeda e o Estado Islâmico estão recrutando especialistas informáticos. Hoje está em jogo a liberdade”.

A Idade Média foi exemplo de uma era em que a sabedoria progredia lado a lado da ciência e da tecnologia
A Idade Média foi exemplo de uma era em que
a sabedoria progredia lado a lado da ciência e da tecnologia
Para Goodman, a solução consistiria em investimentos pesados em informática, “criar uma espécie de Projeto Manhattan para lutar contra o cibercrime, como se fez na II Guerra Mundial, reunindo os melhores cientistas, matemáticos e linguistas do mundo para deter a ameaça nazi”, conclui o especialista.

Mas quem garante a Goodman que essa colossal construção cibernética não poderá ela mesma ser infiltrada e usada, com ainda mais poderes, por criminosos de alto bordo?

O professor Plinio Corrêa de Oliveira comparou certa feita o progresso vertiginoso da ciência e da tecnologia com um jato de guerra que na medida em que avança vai ficando cada vez mais poderoso, mas seu piloto vai ficando cada vez mais louco e mais facínora.

Seu fantástico voo vai ficando a cada instante o prelúdio de um desastre cada vez mais pavoroso.

O Dr. Plinio explicou que a solução do dilema não passa pela extinção da ciência nem da tecnologia.

A solução seria que os homens crescessem em sabedoria na medida em que crescem com as realizações materiais. E isso só pode acontecer se aderirem profundamente ao espírito da Igreja Católica.

A questão que ele deixou em aberto é se uma humanidade cada vez mais sábia e mais católica teria produzido certos engenhos que hoje fascinam os homens. E, conforme o caso, se não teria reprovado sua fabricação e feito coisas diferentes, talvez melhores.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário! Escreva sempre. Este blog se reserva o direito de moderação dos comentários de acordo com sua idoneidade e teor. Este blog não faz seus os comentários e opiniões dos comentaristas. Não serão publicados comentários que contenham linguagem vulgar ou desrespeitosa.