domingo, 30 de agosto de 2015

Hiroshima e Chernobyl: dois pesos e duas medidas

Hiroshima, depois da bomba
Hiroshima, depois da bomba




Comemorou-se em agosto o 70º aniversário do lutuoso uso da primeira bomba nuclear na II Guerra Mundial.

Em 6 de agosto de 1945, o bombardeiro B-29 americano Enola Gay despejou a primeira bomba nuclear sobre a cidade japonesa de Hiroshima, causando a morte de por volta de 70.000 pessoas, além de incontáveis feridos.

Hoje, Hiroshima é uma cidade moderna, pujante e próspera, onde a vida progride com vigor, tendo virtualmente desaparecido os vestígios de radiação nuclear.

Outro calamitoso episódio também envolveu a energia nuclear. Ele aconteceu no dia 26 de abril de 1986 na central atômica soviética de Chernobyl, a 100 quilômetros no norte de Kiev, capital da Ucrânia.

Naquela data ainda era território russo e a usina estava sob a jurisdição direta das autoridades centrais da União Soviética.



Hiroshima, hoje
Hiroshima, hoje
Entre ambos os desastres passaram décadas de diferença, mas hoje se pode viver bem e tranquilo em Hiroshima, enquanto que em Chernobyl e redondezas a radiação queima os que se aproximam.

Segundo os responsáveis russos, a explosão do reator só produziu a morte de dois empregados, e mais 29 nos três meses seguintes.

Na verdade, nunca se saberá o número exato de mortes provocadas pela radioatividade que se espalhou por boa parte da Ucrânia, Europa Central e Europa Ocidental.

O reator está hoje no epicentro de uma zona de exclusão de 30 quilômetros de raio. 160.000 pessoas foram evacuadas e os níveis de radioatividade nas redondezas superam centenas de vezes o máximo permitido.

Chernobyl hoje: tudo teve que ser abandonado de urgência e ficou como estava.
Chernobyl hoje: tudo teve que ser abandonado de urgência e ficou como estava.
Como se explica essa disparidade de situações?

O site Gizmodo, resumido por La Nación, identificou três razões decisivas.

1) A bomba de Hiroshima levava 6,3 quilos de plutônio. No reator 4 de Chernobyl havia 180 toneladas de combustível nuclear, das quais 2% (3.600 quilos) eram urânio puro e a explosão liberou sete toneladas do combustível (e 200 quilos de urânio).

2) Em Hiroshima, segundo a Fundação para a Investigação dos Efeitos da Radiação (RERF), a explosão deu-se na altura e só 10% do plutônio da bomba entraram em fissão. A própria explosão evaporou os 90% restantes, que foram dispersos pelos ventos.

O estouro de Chernobyl aconteceu em nível do solo e foi muito mais eficaz na sinistra hora de disseminar isótopos radioativos. O incêndio posterior evaporou os materiais, que foram espalhados em doses maciças.

Chernobyl: em áreas críticas só com proteção anti-radiação e não demorando muito.
Chernobyl: em áreas críticas só com proteção anti-radiação e não demorando muito.
3) A bomba de Hiroshima teve uma potência equivalente a 21.000 toneladas de TNT. Mas em que pese esse imenso poder destrutivo, só 10% da radiação foram de nêutrons, ou eficazmente radioativas.

O resto foram raios gama, letais no momento, mas que não deixam impronta no local ou nos objetos. Hoje há áreas do mundo com maior radiação natural do que Hiroshima.

Em sentido contrário, os isótopos de Chernobyl impregnaram num prazo de dias as redondezas com doses que ainda hoje continuam letais. Em alguns locais, a radiação é 100 vezes maior que em Hiroshima.

A usina foi desativada em 2.000. Será preciso aguardar 900 anos para que o ser humano possa voltar a habitar a zona.

Da bomba de Hiroshima se fala muito. E se compreende perfeitamente.

Da brilhante recuperação de Hiroshima se fala pouco. E não se entende.

Da catástrofe de Chernobyl, imensamente mais danosa para o meio ambiente, fala-se pouco. E isso não se entende mesmo.

Chernobyl hoje e uma cidade abandonada.
Chernobyl hoje e uma cidade abandonada.
Porém, essas singularidades têm uma explicação.

Quando algo serve para falar mal da ordem ocidental – no caso, dos EUA – a mídia e os figurantes políticos e religiosos de viés esquerdista carregam o tom, como se dá com a bomba de Hiroshima.

Quando algo fala positivamente da ordem ocidental, como a recuperação de Hiroshima, essa turma se interessa pouco ou mal.

Quando algo fala mal do socialismo ou do comunismo, como o caso de Chernobyl, a mesma turma faz todo o silêncio possível.

Dois pesos e duas medidas para desmoralizar o mundo não comunista e poupar o inferno socialista-comunista.


3 comentários:

  1. JOEL CARVALHO - DF1 de setembro de 2015 10:02

    Excelente artigo, Professor Luis Dufaur.

    É a velha neurolinguística usada para demonizar a cultural judaico-cristã do Ocidente. Eu mesmo não havia parado para pensar sobre esses dois episódios emblemáticos, embora entendesse perfeitamente a ação norte americana no Japão, e também tenha entendido que, infelizmente, essa era a única forma de obrigar o Japão se render àquela altura.

    ResponderExcluir
  2. MENTIRA , O DIA- D ENCERROU A GUERRA, NÃO HAVIA NECESSIDADE DE DESTRUIR MAIS NENHUMA VIDA HUMANA, NO CASO CIVIS, INCLUO CRIANÇAS.
    No dia 6 de junho de 1944, chamado o Dia-D, o dia decisivo, os aliados ocidentais desembarcaram nas costas da França, dando início ao fim da II Guerra Mundial, começada cinco anos antes pela invasão nazista à Polônia. Simultaneamente ao desembarque do lado ocidental, no Leste da Europa, a URSS lançou uma poderosa ofensiva contra os nazistas, levando tudo de roldão. Onze meses depois a Alemanha nazista rendia-se para os vencedores. O Japão, aliado dos nazistas, a seguiu quatro meses depois. Em agosto de 1945, todas as ações militares haviam sido suspensas, terminara a maior e pior guerra que a humanidade jamais travara. http://noticias.terra.com.br/educacao/historia/dia-d/

    ResponderExcluir

Obrigado pelo comentário! Escreva sempre. Este blog se reserva o direito de moderação dos comentários de acordo com sua idoneidade e teor. Este blog não faz seus os comentários e opiniões dos comentaristas. Não serão publicados comentários que contenham linguagem vulgar ou desrespeitosa.