quarta-feira, 13 de maio de 2015

Jogos de vídeo iniciam na “arte do morticínio”

Bloodborne ensina que matar sadicamente é uma diversão.
Bloodborne ensina que matar sadicamente é uma diversão.



Quatro letras de sangue pingam do monitor e dizem “mort” [morte em francês], no jogo macabro Bloodborne, descreveu Le Monde de Paris.

Os personagens virtuais têm forma de espectros e seu ambiente próprio são os cemitérios. Para o jornal parisiense, Bloodborne consagra a nova tendência nos videojogos voltados para a morte.

Bloodborne foi precedido por Almas da Escuridão (Dark Souls) e Almas de Demônio (Demon's Souls), embebidos de fantasias macabras ou satanistas que incitam o jogador a morrer centenas de vezes.

A morte já não é causa de luto ou tristeza, mas de diversão, diz Mathieu Triclot, autor do livro Filosofia do videojogo.


As montagens visuais devem ser as mais semelhantes com a realidade e as mais sanguinárias possíveis.

O jogador perde o medo dos piores crimes e as empresas criadoras desses entretenimentos estimulam a matar para tirar lucro.

Bloodborne encaminha para o satanismo.
Bloodborne encaminha para o satanismo.
A lição para o jovem jogador é clara: assassinar sadicamente é uma opção de jogo, o homicídio nada tem de injusto ou arbitrário: é uma estratégia para se divertir e fazer novas experiências, por mais cruéis que elas sejam.

Em 1996, o jogo Diablo II introduziu o conceito de “permadeath”, ou morte permanente. Essa perversa ideia está hoje generalizada.

Por vezes, a morte é inevitável para o próprio personagem que encarna o jogador de carne e osso.

Quem poderá então se espantar com os assassinatos mais fantasiosos, porém especialmente hediondos, praticados por jovens que perderam o horror ao crime de Caim?


3 comentários:

  1. Pertinentes indagações! Alguns anos atrás houve em uma escola americana uma massacre realizado por um jovem. A mídia divulgou depois que ele era viciado em videogames violentos e macrabros.

    Muitos filmes também incentivam a violência nas mentes dos jovens. Um exemplo é JOGOS VORAZES.

    ResponderExcluir
  2. Em um site católico, com foco em libertação, encontrei uma citação do Padre Fortea, um famoso exorcista espanhol, sobre o problema dos videogames. Gostaria de citar esse texto, pois é bem ilustrativo do perigo que videogames se tornaram para a juventude.

    "Padre José Fortea, Exorcista espanhol nos dá sua visão sobre como as coisas estão caminhando nos dias de hoje em nossa sociedade e como ele vê o futuro…

    “Quando na década dos anos 90 eu escrevi meu romance Cyclus Apocalypticus, imaginei que o novo circo romano, o espetáculo de crueldade e execuções, seria a Televisão. Quão longe estava eu de imaginar qual seria o limite de perversões sangrentas que se chegariam os video games.
    Aqui certamente temos a escola e o lugar de entretenimento dos futuros psicopatas.

    Num futuro próximo, estou convencido de que haverá festas onde todos os jovens estarão completamente nus. Os programas de Televisão
    conduzirão muitos ao abismo. O Suicídio, a Eutanásia e o Aborto não terão mais reprovações alguma. E em uma sociedade onde qualquer vício será aceito como normal, a única que não terá seu lugar nesta sociedade será a Igreja. A ela se perseguirá juridicamente, a assediarão até derruba – lá.

    Depois veremos os problemas econômicos, sociais, geopolitícos, e as pessoas não associarão isso a degradação moral que cercará tudo. E somente nós, os cristãos, saberemos qual é a verdadeira raiz do problema.”

    Fonte: http://blog.cancaonova.com/livresdetodomal/exorcista-fala-sobre-a-degradacao-moral-e-o-futuro/

    ResponderExcluir
  3. Agora que tem o Pokemon Go mais problemas virão pela frente!!!
    Saiba Mais do Pokemon GO, MILHARES DE CRIANÇAS PASSAM MAL...Michelson Borges
    https://youtu.be/krCRLzO-HNU

    ResponderExcluir

Obrigado pelo comentário! Escreva sempre. Este blog se reserva o direito de moderação dos comentários de acordo com sua idoneidade e teor. Este blog não faz seus os comentários e opiniões dos comentaristas. Não serão publicados comentários que contenham linguagem vulgar ou desrespeitosa.