quarta-feira, 6 de maio de 2015

1,1 bilhões de pessoas podem perder a audição
por abuso de eletrônicos

Organização Mundial da Saúde: nada é tão prejudicial para a audição  como usar os fones de ouvido durante várias horas por dia
Organização Mundial da Saúde: nada é tão prejudicial para a audição
como usar os fones de ouvido durante várias horas por dia



Embora o ruído esteja por todo lado, nada é tão prejudicial para a audição como usar os fones de ouvido durante várias horas por dia, diz estudo da Organização Mundial da Saúde (OMS), citado pelo jornal Clarin.

Segundo a OMS, 50% das pessoas entre 12 e 35 anos no mundo (por volta de 1,1 bilhões) estão expostas a níveis de ruído prejudiciais, gerados por dispositivos eletrônicos como reprodutores de MP3 e smartphones. Eles poderiam sofrer perda de audição por exposição continuada.

Só na Argentina, sete milhões de jovens expõem-se a esse risco, sendo que cerca de 5,6 milhões ultrapassam a orla do risco e submetem-se a sons nocivos em clubes noturnos, discotecas, cervejarias, bares, cinemas, concertos rock e eventos esportivos.



“Eu percebi que há um ano aumentam as consultas por problemas relacionados com o uso de fones de ouvido. Entre os mais danosos estão os modelos de botão, que isolam hermeticamente e concentram a energia sonora sem atenuação”, explicou Carlos María Boccio, chefe do departamento de Otorrinolaringologia do Hospital Italiano, um dos mais importantes de Buenos Aires.

As células sensoriais e outras estruturas podem ser danificadas permanentemente, advertiu a OMS
As células sensoriais e outras estruturas
podem ser danificadas permanentemente, adverte a OMS
“Os danos na audição são lentos e irreversíveis. Quando há uma lesão, a primeira percepção é um pequeno zumbido, como quando a pessoa volta de uma discoteca ou um show rock”, disse Esteban Bercellini, otorrino do Hospital Alemán portenho.

A OMS aponta que 15 minutos de música a 100 decibéis (dB) equivalem ao impacto auditivo absorvido por um operário industrial numa jornada de 8 horas de trabalho em ambiente sonoro de 85 dB.

Quando os sons são demasiados fortes ou a exposição a eles acontece com regularidade ou de forma prolongada, as células sensoriais e outras estruturas podem ser danificadas permanentemente, advertiu a OMS.

A organização mundial também afirmou que 76% da população urbana sofre um impacto acústico habitual muito superior ao razoável.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário! Escreva sempre. Este blog se reserva o direito de moderação dos comentários de acordo com sua idoneidade e teor. Este blog não faz seus os comentários e opiniões dos comentaristas. Não serão publicados comentários que contenham linguagem vulgar ou desrespeitosa.