quarta-feira, 14 de janeiro de 2015

Sacerdote professor de Cracóvia denuncia “homo-heresia” promovida por “homo-mafia”

Pe. Dariusz Oko, docente de Teologia na Pontifícia Academia de Cracóvia
Pe. Dariusz Oko, docente de Teologia
na Pontifícia Academia de Cracóvia
Luis Dufaur


Cava-se na Igreja uma “homo-heresia” apoiada numa “homo-mafia”, isto é, a presença em todos os níveis da hierarquia eclesiástica, incluída a Cúria Romana, de uma rede de religiosos homossexuais que se acobertam mutuamente.

A afirmação é do professor Pe. Dariusz Oko, docente de Teologia na Pontifícia Academia de Cracóvia, Universidade João Paulo II, ao jornal “La Stampa” de Turim.

O sacerdote elaborou um trabalho reproduzido pelas revistas teológicas “Fronda”, da Polônia, e “Theologisches” da Alemanha.

O Pe. Oko sublinha as dificuldades que encontram sacerdotes e seminaristas que procuram se livrar do acosso dessa heresia e da respectiva máfia a que pertencem certos colegas.
“Quando apelam para o vice-chanceler ou para outro superior, pode ser que estes sejam removidos em lugar dos ‘homo-seminaristas’. Ou quando o vigário tenta proteger os jovens, pode acontecer de ele ser punido”, porque as instâncias superiores às quais apelou fazem parte do grupo de pressão.
O autor acrescenta que têm fundamento as indiscrições que circulam nos palácios vaticanos segundo as quais a “homo-mafia” teria uma extensão internacional e envolveria centenas de clérigos em todos os níveis.

Pe. Dariusz Oko, docente de Teologia na Pontifícia Academia de Cracóvia
Pe. Dariusz Oko ensina Teologia
na Pontifícia Academia de Cracóvia
Segundo o professor e sacerdote polonês, “a homo-heresia consiste numa recusa do Magistério da Igreja Católica sobre a homossexualidade. Seus propugnadores não aceitam que a tendência homossexual seja uma perturbação da personalidade. E põem em dúvida que os atos homossexuais sejam contra a lei natural. Os defensores da ‘homo-heresia’ são a favor do sacerdócio dos homossexuais. A ‘homo-heresia’ é uma versão eclesiástica do homossexualismo.”

O Pe. Oko apontou que no período pós-conciliar, e especialmente a partir dos anos 70 e 80, esse grave erro se infiltrou em seminários e mosteiros do mundo todo em decorrência das ‘novas teologias’ e de seu modo de justificar os desvios morais.

O movimento modernista passou a recusar a castidade, a abstinência dos atos impuros, o celibato, e afinal aprovou que a sodomia não é obstáculo para a ordenação sacerdotal.
Em face desse erro – a Igreja já venceu inúmeros – o professor diz que “o fato fundamental é que o Magistério da Igreja católica não muda. A homossexualidade não é conciliável com a vocação sacerdotal. Em consequência, não só está rigorosamente vedada a ordenação de homens com qualquer tipo de tendência homossexual (ainda que transitória), mas também sua admissão no seminário”.

2 comentários:

  1. Caro Sr. Luis Dufaur:-

    Parabéns pelo brilhante post!!! Apenas para reforçar o que o Sr. postou, existe um site, em inglês, o “Open Tabernacle”, que pertence a esta Homo-Máfia e que difunde esta Homo-Heresia!!! É triste como isso se difunde no mundo e principalmente na Igreja!!!

    ResponderExcluir
  2. O nosso querido Papa Emérito Bento XVI, com muita propriedade e sabedoria sem ter medo desta Homo-Máfia, publicou no ano 2005, um documento orientador aos Reitores de Seminário, para que não deixassem adentrar rapazes com tendenciais homossexuais nos Seminários.
    Sabemos muito bem como o religioso homossexual faz um mal danado a Igreja de Nosso Senhor Jesus Cristo, por meio da pedofilia proveniente da homossexualidade, pois, concordo nisto: “Nem todo homossexual é pedófilo, mas, todo pedófilo é um homossexual em potencial”.

    Que Deus Seja Louvado!

    Intrate per augustam portam: “Entrai pela porta estreita”

    ResponderExcluir

Obrigado pelo comentário! Escreva sempre. Este blog se reserva o direito de moderação dos comentários de acordo com sua idoneidade e teor. Este blog não faz seus os comentários e opiniões dos comentaristas. Não serão publicados comentários que contenham linguagem vulgar ou desrespeitosa.