quarta-feira, 17 de julho de 2013

Dia da União Europeia celebrado em meio a desabonador fracasso

Niall Ferguson
Niall Ferguson

No Dia da Europa, o jornal econômico milanês “Il Sole 24 Ore”  publicou uma conferência proferida no Canadá pelo historiador Niall Ferguson. Especialista em História Econômica e professor em Harvard, Stanford e Oxford, ele foi qualificado pela revista “Time” como uma das 100 pessoas mais influentes do mundo.

Seu balanço não poderia ter sido mais decepcionante.

Na década de 1950, a economia da Europa integrada crescia em um ritmo anual de 4%. No III Milênio ela caiu até o zero. À medida que a integração europeia se implementava, seu crescimento declinava.

Os piores mercados de valores dos últimos dez anos? Os europeus, certamente, constatou o professor. Grécia, Irlanda, Finlândia, Portugal, Holanda e Bélgica – foram os piores do mundo. E a União Monetária? Deus nos acuda. Correu muito mal.

Ferguson lembrou que ele e tantos outros economistas, filósofos, jornalistas e especialistas profetizaram a explosão da União Monetária. Mas ou ninguém os ouviu, ou eles não falaram tão forte assim...

Segundo ele, a experiência democrática foi ainda pior. Os europeus não podiam ser forçados como foram a engolir uma união cada vez mais constrangedora, sem respeitar suas vontades.

Ironias fotográficas refletem subconsciente popular europeu
Ironias fotográficas refletem subconsciente popular europeu
Quando os povos votavam contra mais integração política, seus governos os obrigavam a votar de novo, até os indigestos tratados descerem goela adentro.

Aconteceu com os dinamarqueses em 1992; duas vezes com os irlandeses (em 2001 e em 2008); com os franceses, etc.

Cereja no chantilly de desastres: para Ferguson, a experiência europeia foi um eminente fracasso geopolítico. Esperava-se que a UE servisse de contrapeso aos EUA.

Prometeu-se até que a Europa resolveria a guerra na Bósnia. Mas essa guerra no pequeno país balcânico precisou matar cem mil pessoas e deslocar mais de 2,2 milhões para que todo mundo visse que a UE era uma aliança impotente. O conflito só terminou quando os EUA puseram fim ao mata-mata nesse minúsculo território europeu.

Tentou-se impor a unificação pela via econômica, visto que as estratégias políticas não deram resultado, constatou o respeitado professor.

“A quem hei de telefonar quando quiser falar com a Europa?” – teria perguntado o ex-secretário de Estado americano Henry Kissinger.

A resposta chegou anos mais tarde: telefone à baronesa Ashton de Upholland.

O único problema é que ninguém a conhece, sequer ouviu falar seu nome! A experiência europeia redundou num vergonhoso fracasso, concluiu o acatado mestre britânico.

Porém – acrescentamos –, os eurocratas de Bruxelas parecem decididos a passar o rolo compressor nos povos europeus, sobretudo em seus costumes e raízes cristãs.

Após seis décadas de tentar a utopia, toma corpo de modo espantoso o espectro de uma ditadura muitas vezes comparada à da falida URSS.



3 comentários:

  1. A Europa, com os países ou nações, que formaram seu tradicional mapa geo-político, isto é, antes da União Européia, tem como base a civilização européia ou a cristandade. Parece que a destruição dessas fronteiras geopolíticas serve também para acelerar o processo de neopaganização da Europa. Quando vemos a nova onda, talvez tsumani migratório que tem havido na Europa, fica claro os seus efeitos descristianizadores. Nesse sentido, a salvação da Europa estaria em voltar às suas raízes cristãs, mas não por meros motivos culturais, como o Papa Francisco tem lembrado em suas homilias, mas por motivos de fé, para colocar Jesus Cristo no coração dos povos europeus de novo!

    ResponderExcluir
  2. Acredito que, como exemplo desse processo de destruição da própria identidade nacional, temos a Alemanha. O multiculturalismo alemão é fortíssimo. Outro dia, li em um site de notícias da Alemanha uma crítica que me espantou, pois se tratava de uma crítica que partia de uma peça de teatro feita na Alemanha contra o costume que imigrantes alemães tem no Brasil de guardarem as tradições culturais alemães. A crítica era feita até mesmo em um tom desrespeitoso, como se tais pessoas fossem peças de museu ambulantes ou vivas. O título da reportagem é:

    Peça teatral questiona preservação de tradições por colônias alemãs

    Saiu no site DeustWelle.

    ResponderExcluir
  3. Carmen Lucia Xavier18 de julho de 2013 09:36

    Está começando com a França a conscientização de que os caminhos impostos pelos Governos socialistas eleitos acabarão com a família e os valores cristãos. A Europa foi o berço da cultura a ser espalhada para todos os povos. O que se vê agora é a derrubada desses mesmos valores e , em decorrência disso, hj assistimos a própria extinção econômica e cultural do povo europeu. Realmente em lugar do cristianismo a filosofia é comunista em sua forma mais sutil.

    ResponderExcluir

Obrigado pelo comentário! Escreva sempre. Este blog se reserva o direito de moderação dos comentários de acordo com sua idoneidade e teor. Este blog não faz seus os comentários e opiniões dos comentaristas. Não serão publicados comentários que contenham linguagem vulgar ou desrespeitosa.