segunda-feira, 22 de julho de 2013

Crianças seduzidas através de Facebook saem de casa e caem em mãos inescrupulosas

O caso de N., de 11 anos, foi emblemático. Sumiu de casa, ninguém a achava no bairro; telefonaram às amigas, procuraram na escola, estudaram o percurso que fazia para esta, indagaram os vizinhos.

Estava perdida. Ou ao menos, até que a mãe lembrou que ela passava horas diante do computador ligada no Facebook. Foi a salvação, segundo noticiou o jornal argentino “Clarín”.

Com o apoio da Polícia Informática Federal da Argentina, a equipe operativa do Conselho de Direito de Crianças e Adolescentes da Cidade de Buenos Aires vasculhou seu computador e encontrou seu chat com um homem que a convidara para um encontro.

A menina apareceu ferida no dia seguinte. “Foi dançar num local onde aos 11 anos não devia ir”, explicou Silvia Nespereira, diretora do Conselho.

Segundo a responsável, 10% das crianças extraviadas denunciadas ao Conselho estão relacionados com o uso de Facebook.

“É lamentável, há meninos e meninas que vão se encontrar com pessoas que conheceram pela rede. Às vezes se saem bem, mas outras vezes se saem mal. Tivemos o caso de meninas que foram se encontrar com homens que não eram boas pessoas”, acrescentou Nespereira.

É indispensável que a família conheça a senha dos filhos para entrar no Facebook. Num menor de idade a confidencialidade e o direito à privacidade está nas mãos do responsável legal, segundo a Convenção internacional dos Direitos do Menino e da Menina, explicou Jorge Azaakl, diretor operativo de intervenções especiais de crianças extraviadas da Cidade de Buenos Aires.

Em 2011, houve 1.160 casos. Deles, 80% eram de meninas com idades entre 13 e 17 anos. Mas nos últimos anos apareceram casos de meninas com 11 e 12 anos de idade.

No total, 95% regressaram ao lar sem danos. Porém, 5% sofreram abusos sexuais, violências e agressões físicas ou psicológicas.

“Fazem amizades com amigos virtuais que não sabem quem são. Houve histórias de mocinhas que foram ter com homens que não tinham a idade delas, que eram adultos ou pertenciam a redes de pornografia para menores”, explicou Lidia Grichener, presidente da organização Missing Children.

É cada vez mais frequente a criação de perfis abertos para todos e a difusão de fotografias ou vídeos com poses sexuais.

Segundo a Missing Children e o Conselho, é necessário denunciar o quanto antes o desaparecimento do menor, porque “quanto mais pessoas souberem, mais possibilidades há de recuperá-lo”.

Facebook e as redes sociais implicam também uma enganosa abertura para um túnel de desgraças que podem destruir toda uma vida.


2 comentários:

  1. vigília constante, nada de computador no quarto e de portas fechadas,programa de controle de idade.
    sei fazer isso tudo programar o micro ou laptop para crianças.

    ResponderExcluir
  2. “Foi dançar num local onde aos 11 anos não devia ir”

    Isto resume tudo. Falta de imposição de limites pelos pais, frouxidão no tratamento na hora da punição criam crianças e adultos rebeldes que acham que podem fazer de tudo.

    ResponderExcluir

Obrigado pelo comentário! Escreva sempre. Este blog se reserva o direito de moderação dos comentários de acordo com sua idoneidade e teor. Este blog não faz seus os comentários e opiniões dos comentaristas. Não serão publicados comentários que contenham linguagem vulgar ou desrespeitosa.