segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

TV virou problema de saúde pública, diz especialista


Para Frederick Zimmerman, professor da Universidade da Califórnia, autor do livro The Elephant in the Living Room e um dos mais citados especialistas em saúde pública, a televisão é usada de uma maneira que virou problema de saúde pública.

Nos EUA, as crianças passam em média cerca de duas horas por dia diante da TV, e os adultos, três, explicou Zimmerman em entrevista ao jornal parisiense “Le Monde”.

Para o especialista, o maior problema provém do fato de as crianças em tenra idade serem abandonadas regularmente diante da tela ao atingirem nove meses de vida. Nessa idade, os bebês são incapazes de compreender aquilo que vêem, até mesmo os próprios entretenimentos.

No caso de crianças maiores e adultos, pelo fato de não ser usada com moderação, a televisão vira hábito muito cedo e impede o desenvolvimento das capacidades fundamentais.

Diz-se que a TV serve para distrair, acrescenta o autor, mas a pesquisas apontam que o usuário está pouco relaxado após passar a tarde diante dela.

“Passar entre três ou quatro horas diante da TV cada dia e ao mesmo tempo se queixar de que não há tempo para cozinhar, cultivar as relações sociais ou praticar regularmente um esporte é uma coisa absurda”, defende Zimmerman.

O aumento do índice de obesidade das crianças criadas junto ao monitor, o assédio da propaganda que incita ao consumo “traz uma perda importante para os cérebros em crescimento”.

Nos três primeiros anos de vida, o cérebro triplica em tamanho e tanto a complexidade como a densidade das redes neuronais também crescem. E não é só o órgão cerebral: a própria personalidade se forma no ambiente que rodeia as crianças.

“É uma tragédia ver crianças que passam até a metade do tempo que acordadas diante de um monitor que não lhes oferece nenhuma experiência interessante ou produtiva”.

“Meus trabalhos mostram que as crianças que olham a televisão acima da média antes de atingirem os 3 anos apresentam rendimentos claramente inferiores em matéria de leitura e matemática na hora de entrar na escolinha.

“Num outro estudo, eu mostrei que a televisão antes de 2 anos prejudica seriamente o desenvolvimento da linguagem, ainda que assistam a uma programação feita de vídeos ‘educativos’.”

Antes de entrar na escolinha, as crianças consolidam a capacidade de fixar a atenção e de programar suas ações visando um objetivo.

“Recentemente, um estudo fascinante demonstrou que só nove minutos de um desenho animado degrada claramente esta capacidade. O resultado não me surpreendeu nada. Eu já tinha identificado um efeito similar”, explicou o professor.

Os maus efeitos constatados são reversíveis, mas a um grande preço. O jovem terá depois uma rude tarefa para recuperar seu atraso.

Para o Prof. Zimmerman, ainda não está provado que o uso dos computadores seja menos nocivo para bebês e criancinhas.

Embora muitos jogos e a Internet pareçam interativos, não está nada claro que o espírito da criança esteja verdadeiramente engajado nessa interação.

“Considerando os níveis de utilização baixíssimos da ‘televisão educativa’, eu temo que não seja realista acreditar que o potencial da Internet será melhor aproveitado”, concluiu o especialista.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário! Escreva sempre. Este blog se reserva o direito de moderação dos comentários de acordo com sua idoneidade e teor. Este blog não faz seus os comentários e opiniões dos comentaristas. Não serão publicados comentários que contenham linguagem vulgar ou desrespeitosa.