domingo, 26 de fevereiro de 2012

A cada 5 minutos um cristão é martirizado no mundo

Indonesia: muçulmanos atiçam ódio


105 mil cristãos são mortos cada ano no mundo por causa de sua fé. O que equivale a um martírio a cada cinco minutos. A impressionante cifra esteve no centro do simpósio realizado na Aula Magna da Pontifícia Universidade Lateranense.

O tema sintetizou numa frase da mensagem de Fátima: “Os bons serão martirizados”, informou Radio Vaticana.

A reunião foi promovida pela associação “Luci sull’Est”, fundada há 20 anos para promover e sustentar os valores básicos da Civilização Cristã, especialmente nos países que sofreram – a ainda sofrem – sob a ditadura comunista.

Catedral de Badad
“Desde Jesus Cristo até o ano 2000 houve 70 milhões de martírios de cristãos, dos quais 45 milhões só no século XX”, relatou o sociólogo Massimo Introvigne, baseado no trabalho estatístico de David Barrett.

Introvigne é o representante da Organização para a Segurança e a Cooperação na Europa (OSCE) para a luta contra o racismo, a xenofobia e a discriminação.

O espantoso ritmo do massacre continuou no patamar de 160 mil cristãos por ano na primeira década do século XXI.

A estimativa para 2011 é de 105 mil mártires, um a cada 5 minutos. Equivale, portanto, ao desaparecimento anual de uma cidade com essa população.

Na execução desses martírios não age só a mão humana, observou Mons. Luigi Negri, bispo de San Marino-Montefeltro.

Na Sra das Graças, Belém, Terra Santa
“No martírio dos cristãos manifesta-se de modo extraordinário o poder do príncipe das trevas, que combate desde o primeiro dia contra Cristo e seu reinado”, disse.

Da parte dos executores humanos, D. Luigi Negri apontou o orgulho supremo de se acharem um deus com o direito de impor sua ideologia sobre os outros.

O prelado citou como exemplos extremos desse orgulho anti-humano a ideologia laicista, toda baseada na adoração do progresso cientifico – e o marxismo deu acabadas provas disso –, como também o radicalismo das seitas protestantes, “animadas de um ódio feroz contra o catolicismo”.

O bispo denunciou também os “poderes definidamente anticatólicos” que no Ocidente tecem “alianças inéditas e, sob certos pontos de vista, incompreensíveis” com o islamismo que “quer antes de tudo destruir a Cristo e sua Igreja”.

Talvez o prelado tivesse em vista as figuras políticas e autoridades públicas – até mesmo altos prelados católicos – que favorecem o estabelecimento e a expansão do islamismo no Ocidente.

Segundo o bispo de San Marino, esta “terrível era de martírio” deve mover os católicos a uma reflexão sobre sua própria “identidade e responsabilidade diante do mundo”. “Os mártires nos impulsionam a sermos cristãos autênticos”, acrescentou.

Sagração ilícita na China: fiéis não compreendem aproximação de Pequim com o Vaticano
Para o Padre Bernardo Cervellera, diretor da agência de notícias Asianews e um dos máximos conhecedores da realidade chinesa, embora a China tenha mudado muitíssimo em matéria econômica, nela “a perseguição religiosa continua sempre a mesma. O projeto maoísta de criar uma Igreja nacional independente continua igual, desde 1958 até hoje”.

Sagrações ilícitas, bispos encarcerados, “a situação é muito dura, narrou o sacerdote, porque os bispos são controlados e com freqüência forçados a participar em convênios nos quais se exalta a política do Partido Comunista”.

Entretanto, observou o Pe. Cervellera, “na China há um grande renascimento religioso”, diante do qual “o materialismo está se esmigalhando”. “O número de batismos católicos de adultos poderia estar perto de pelo menos 150 mil por ano”, acrescentou.

Compreendemos que só este número faça os ditadores socialistas – preocupados somente em promover o materialismo – perderem a paciência, e que o ódio seletivo anticatólico os impulsione a aumentar a perseguição.

Paradoxalmente, disse o especialista na China, “o Partido Comunista chinês é sustentado sobretudo pelo Ocidente, porque todos se inclinam diante do poder econômico chinês, sentem necessidade dos capitais da China e silenciam os direitos humanos”.

Capitais esses, glosamos nós, que uma incompreensível política ocidental de favorecimento do regime comunista chinês pôs na mão dos ditadores de Pequim.

Onde a perseguição atinge um aspecto ainda mais feroz e patente é no mundo islâmico.

Magdi Cristiano Allam, eurodeputado e ex-muçulmano convertido ao catolicismo, denunciou a pusilanimidade dos cristãos onde eles são maioria, e a perseguição onde são minoria.

Allam mostrou que na China, na Índia e na Coréia do Norte a perseguição tem fundamentos ideológicos. Mas que nos países islâmicos ela é estritamente religiosa. “O Islã considera o judaísmo e o cristianismo como desvios heréticos, sendo que o Islã se acha a única religião verdadeira”.

“Hoje – continuou Allam –está se repetindo o que sucedeu no século VII, quando a submissão ao Islã por parte de populações e territórios cristãos aconteceu em virtude da agressividade dos exércitos islâmicos, mas sobretudo pela pusilanimidade interior das comunidades cristãs”.

No quê consiste essa pusilanimidade?

“Na base de nossa fraqueza – sustentou Allam – está a desvalorização de nossas raízes, de nossa fé, dos valores não negociáveis de nossa identidade, de nossa civilização. Nós nos tratamos como se fôssemos uma terra deserta e, em conseqüência, acabamos sendo vistos como uma terra de conquista. Ou nós nos elevamos a ponto de reconquistar a certeza de quem somos, ou acabaremos inexoravelmente desaparecendo como civilização, porque queiram ou não nossa civilização está fundamentada no cristianismo” – advertiu.

“Nossa missão é dar uma nova alma à Itália, à Europa, ao Ocidente, ao mundo”, exortou finalmente o ex-muçulmano e eurodeputado católico.


segunda-feira, 20 de fevereiro de 2012

Internet abala a vida interna de mosteiro de clausura


No mosteiro de Notre-Dame-de-la-Plaine, na periferia de Lille, norte da França, a entrada da Internet abalou a vida monástica e a clausura das religiosas bernardinas, segundo entrevista do diário parisiense “Le Monde” à superiora da comunidade.

As religiosas decidiram introduzir a Internet na área da clausura com a ilusão de contribuírem com a evangelização e fazerem pesquisas sobre matérias monásticas e religiosas. Mas os temas procurados começaram a se misturar com mundanismos aos quais as religiosas haviam renunciado na hora de ingressar no convento.

E, dos mundanismos “ingênuos” na fronteira do tolerado, passaram a beirar precipícios, como reconheceu a Irmã Mary-Helen, priora general da Ordem das Bernardinas.

A superiora, bem penetrada do ‘espírito pós-conciliar’, acabou preferindo fechar os olhos ao que se passa nos conventos.

“Eu confio em nossas freiras. Elas não visitam sites satanistas ou pornográficos – disse, para estupor do jornalista que a entrevistava. Eu conheço mosteiros onde foi necessário instalar um controle parental (recurso para evitar esses sites perigosos)... mas eu não acho que exista necessidade. Cada uma tem que se controlar.”

Mas a irmã Marie-Francis, de 91 anos, 66 dos quais passados no convento, exprimiu a forte impressão de que com essa novidade as religiosas estão perdendo seu tempo e sua razão de ser.

Na França, o “aggiornamento” religioso reduziu o número de religiosas de clausura a menos de 3.700. Há apenas 170 professas temporárias que poderiam ocupar o lugar das antigas.

A crise das vocações é alarmante e a Internet virou um instrumento de duplo gume. Altas autoridades eclesiásticas a estimulam como possibilidade de difundir o estilo de vida de renúncia radical ao mundo que empolgou almas de elite durante séculos.

Porém, os resultados, a julgar pela entrevista da superiora das bernardinas, apontam para um futuro desastroso dissimulado numa chuva de incessantes emails e conversas por Skype.



segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

TV virou problema de saúde pública, diz especialista


Para Frederick Zimmerman, professor da Universidade da Califórnia, autor do livro The Elephant in the Living Room e um dos mais citados especialistas em saúde pública, a televisão é usada de uma maneira que virou problema de saúde pública.

Nos EUA, as crianças passam em média cerca de duas horas por dia diante da TV, e os adultos, três, explicou Zimmerman em entrevista ao jornal parisiense “Le Monde”.

Para o especialista, o maior problema provém do fato de as crianças em tenra idade serem abandonadas regularmente diante da tela ao atingirem nove meses de vida. Nessa idade, os bebês são incapazes de compreender aquilo que vêem, até mesmo os próprios entretenimentos.

No caso de crianças maiores e adultos, pelo fato de não ser usada com moderação, a televisão vira hábito muito cedo e impede o desenvolvimento das capacidades fundamentais.

Diz-se que a TV serve para distrair, acrescenta o autor, mas a pesquisas apontam que o usuário está pouco relaxado após passar a tarde diante dela.

“Passar entre três ou quatro horas diante da TV cada dia e ao mesmo tempo se queixar de que não há tempo para cozinhar, cultivar as relações sociais ou praticar regularmente um esporte é uma coisa absurda”, defende Zimmerman.

O aumento do índice de obesidade das crianças criadas junto ao monitor, o assédio da propaganda que incita ao consumo “traz uma perda importante para os cérebros em crescimento”.

Nos três primeiros anos de vida, o cérebro triplica em tamanho e tanto a complexidade como a densidade das redes neuronais também crescem. E não é só o órgão cerebral: a própria personalidade se forma no ambiente que rodeia as crianças.

“É uma tragédia ver crianças que passam até a metade do tempo que acordadas diante de um monitor que não lhes oferece nenhuma experiência interessante ou produtiva”.

“Meus trabalhos mostram que as crianças que olham a televisão acima da média antes de atingirem os 3 anos apresentam rendimentos claramente inferiores em matéria de leitura e matemática na hora de entrar na escolinha.

“Num outro estudo, eu mostrei que a televisão antes de 2 anos prejudica seriamente o desenvolvimento da linguagem, ainda que assistam a uma programação feita de vídeos ‘educativos’.”

Antes de entrar na escolinha, as crianças consolidam a capacidade de fixar a atenção e de programar suas ações visando um objetivo.

“Recentemente, um estudo fascinante demonstrou que só nove minutos de um desenho animado degrada claramente esta capacidade. O resultado não me surpreendeu nada. Eu já tinha identificado um efeito similar”, explicou o professor.

Os maus efeitos constatados são reversíveis, mas a um grande preço. O jovem terá depois uma rude tarefa para recuperar seu atraso.

Para o Prof. Zimmerman, ainda não está provado que o uso dos computadores seja menos nocivo para bebês e criancinhas.

Embora muitos jogos e a Internet pareçam interativos, não está nada claro que o espírito da criança esteja verdadeiramente engajado nessa interação.

“Considerando os níveis de utilização baixíssimos da ‘televisão educativa’, eu temo que não seja realista acreditar que o potencial da Internet será melhor aproveitado”, concluiu o especialista.


segunda-feira, 6 de fevereiro de 2012

“Costa Concórdia”, “Titanic” do século XXI: presságio de um fim de época?

Com passageiros na proa, pouco antes do final: um símbolo de nossa época?


O afundamento do “Costa Concordia” rememorou na Europa os tristes presságios levantados pela perda do “Titanic”, escreveu Ben Macintyre, do diário “The Times” de Londres, reproduzido pelo "The Australian".

Sir Osbert Sitwell viu na tragédia do transatlântico inglês, ocorrida em 14 de abril de 1912, um “símbolo de uma sina que se avolumava sobre a civilização ocidental”. E, de fato, não muito depois, a I Guerra Mundial arrasaria o continente europeu, pondo fim à sua rica, requintada e irrefletida Belle Époque.

Émulo do "Titanic" que "nem Deus afundava", semi-afundado.
Hoje, no momento em que a União Europeia se afunda em dívidas, na incerteza política e na instabilidade social, o desastre do luxuoso cruzeiro italiano inspira presságios não menos convidativos à reflexão.

Neste ano em que vai se decidir se o euro naufraga ou se permanece à tona, o “Costa Concordia” surge como uma alegoria perfeita da extravagância financeira e da artificialidade da imensa construção europeia.

O “Costa Concordia” foi um enorme palácio flutuante, de um luxo que faria o “Titanic” ser considerado quinquilharia; de ostentação e gosto discutíveis, mas não por isso menos impressionantes para os nossos dias. Foi o maior cruzeiro que a Europa da era UE conseguiu construir ao faraônico preço de 572 milhões de euros e acabaou se desventrando nos recifes de uma simples e poética ilha toscana.

Os desastres – escreveu Macintyre – marcam de um modo poderoso as curvas da História. E assim como o desaparecimento do “Titanic” soou como um gongo para a era vitoriana, o fim do “Costa Concordia” poderia marcar simbolicamente o fim de uma época tão confiada quanto insegura como a nossa.

Construir um mundo de prazeres sem Deus, aonde leva?
Em 1912, G. K. Chesterton viu no afundamento do “Titanic” a punição da “modernidade”, de uma era orgulhosa que se auto-adorava num navio fruto de suas mãos e supostamente impossível de afundar, e que acabou reduzido a nada pela natureza que ele acreditava ter dominado para sempre.

O “Costa Concordia” – pergunta Macintyre – pressagiará uma mudança de época comparável, trará uma advertência ou uma eventual punição à obsessão por uma modernidade que adora as velocidades, as construções babilônicas e o luxo “globalizado”?

Acrescentamos nós: uma “modernidade” que pretende atingir o céu desconhecendo a própria moral natural e desafiando as leis do Criador?

Esta é uma questão que está no cerne dos anúncios do Céu como os de La Salette e Fátima, por exemplo, que vai ser tratada na próxima conferência do IPCO.



Na novena de Lourdes, acompanhe online o que está acontecendo na própria Gruta pela Webcam do santuário.