domingo, 23 de setembro de 2007

Bispo holandês pede aos católicos invocarem Alá

O bispo de Breda, Mons. Tiny Muskens, propôs pela TV que os católicos nas missas passem a chamar Deus de “Allah”.

O prelado fez um jogo de palavras, pois “Allah” significa literalmente “Deus”. Mas a troca conduz a uma confusão fundamental. Pois, por trás das palavras há dois conceitos de Deus incompatíveis: o católico que invoca — na língua que for inclusive a árabe, o único Deus verdadeiro — e o islâmico que apela em vão a um deus falso. Como dizem as Escrituras omni dei gentii daemonia: todos os deuses dos gentíos são demônios.

O “De Telegraaf”, maior jornal da Holanda, constatou que 92% de mais de 4.000 pessoas consultadas discordaram da opinião do bispo, e chegaram a julgá-la ridícula. De fato, confusões do gênero dissolvem a consciência da identidade cristã da Europa.

quinta-feira, 13 de setembro de 2007

Cada 30 segundos alguém se suicida no mundo

Cada 30 segundos uma pessoa se suicida no mundo. O cálculo é da Organização Mundial de Saúde (OMS).

Para cada pessoa que acaba com a própria vida, pelo menos 20 outras fracassam na tentativa. Maior ainda é o número dos que sofrem trauma emocional quando um parente ou amigo tenta se suicidar. O trauma pode durar vários anos.

Hoje o suicídio é terceira causa de mortalidade entre os 15 e os 34 anos, embora a maioria dos suicídios seja cometida por adultos. Segundo a OMS também é cada vez maior o número de idosos acabam com suas vidas.


Após recusar Deus, a família e a religião, o homem sem fé acaba pensando em recusar sua própria existência, e acaba cometendo essa loucura suprema que é o suicídio.

domingo, 2 de setembro de 2007

Barbárie e anarquia em escolas paulistas

Em Macatuba (SP), quatro alunos aplicaram a cola superbonder na cadeira da professora de Biologia, que por isso teve a roupa rasgada e sofreu graves escoriações. Em Piraju (SP), dois estudantes incendiaram o carro da diretora da escola. Em Dracena (SP), uma servente de 67 anos teve os dois braços quebrados e ferimentos nos olhos, ao ser pisoteada pelos alunos. Em São Bernardo do Campo, ABC paulista, um menino decepou o dedo indicador de uma professora e feriu a vice-diretora no rosto com uma cabeçada. Junia de Vilhena, professora da PUC/RJ, atribuiu essa barbárie à falta de tradições e valores. Os pais foram criados no falso princípio do “é proibido proibir”, e agora colhem amargos frutos.